Salvador Cabañas: herói dos Mexicanos, carrasco dos Brasileiros

- Conheça a história do paraguaio que virou ídolo no América do México e que traumatizou Santistas e Flamenguistas
Cabañas: heroi mexicano e carrasco dos brasileiros

A coluna Papo Azteca dessa semana traz a história de Salvador Cabañas Ortega. Paraguaio, nascido em Assunção em 5 de Agosto de 1980, Cabañas ficou no coração dos Mexicanos e virou carrasco dos Brasileiros. Sua carreira iniciou em 1998, no 12 de Octubre. Logo depois, o jogador se transferiu para o Guaraní e ainda teve passagens por Audax e Jaguares antes de chegar ao principal time de sua vida: América do México.

CARREIRA

Club de Fútbol América

Inegavelmente, Cabañas viveu seu melhor momento jogando pelo América do México. Por lá, foram 152 partidas disputadas e 91 gols marcados. Além disso, em quatro temporadas, foram três títulos: Interliga (2008), Copa El Mexicano (2008) e Serie Mundial de Fútbol (2006). Ademais, El Toro, como era conhecido, ainda conquistou artilharias de competições importantes, como a Libertadores da América e Liga MX.

Carrasco dos Brasileiros

A relação de Cabañas com os Brasileiros tem dois episódios marcantes. O primeiro ocorreu em 2008, quando o jogador foi o maior responsável pelas eliminações de Santos e Flamengo na edição da Libertadores daquele ano. No Rubro-Negro, ele marcou dois dos três gols da partida, fechando o placar em 3 x 0 para o América, em pleno Maracanã. Logo na sequência, no Santos pelas quartas de finais, ele marcou, novamente, dois gols no jogo de ida e apesar de ter perdido o jogo da volta, o Peixe foi quem morreu na praia. Aliás, não parou por ai. Em 2010, a seleção Paraguaia venceu a Brasileira por 2 x 0 e Cabañas deixou o dele.

TRÁGICO INCIDENTE

Na madrugada de 25 de Janeiro de 2010, aproximadamente as 5h da manhã, Cabañas foi baleado na cabeça dentro do banheiro de uma boate, na Cidade do México. Em princípio, teria ocorrido uma suposta tentativa de assalto. No entanto, mais tarde, começaram a surgir outras possibilidades, como a de que ele teria sido alvejado por um torcedor de uma equipe rival ou por um adepto de seu time, visto que dias antes ele tinha sido um dos responsáveis pela eliminação do América na Libertadores daquele ano.

Correndo risco de morte, o atleta foi submetido a uma delicada cirurgia. Apesar de ter sido um sucesso, Cabañas seguiu em estado grave, mas estável. Não havia garantias de melhora, tendo em vista que o jogador sofreu um grave traumatismo craniano e, como resultado, pedaços de ossos haviam se alojado em seu crânio. A bala jamais foi retirada, pois os médicos consideravam que a tentativa poderia trazer sequelas para o resto da vida.

Em 2 de Março de 2010, o atleta deixou o hospital. Posteriormente, foi publicado que o paraguaio  já conseguia praticar exercícios numa bicicleta ergométrica. Apesar de sua rápida recuperação, seu retorno ao futebol ainda era incerto. Em Novembro de 2010, a esposa do jogador disse em entrevista que Cabañas estava “quebrado”, que teria entrado em depressão e que a família estava passando por muitos problemas econômicos. De fato, no mês seguinte, o atacante foi a Corte Arbitral do Esporte para exigir do América o pagamento dos salários atrasados e dos gastos com sua recuperação.

Volta aos treinos

Em Fevereiro de 2011, El Toro voltou a treinar em um clube de futebol, o Libertad, do seu país natal. Segundo o médico do clube, Porfirio Benítez Musa, ainda era cedo para pensar em uma volta ao futebol. O objetivo imediato de Cabañas não era voltar a jogar profissionalmente, mas sim ter uma evolução psicológica. O médico esperava que o atacante tivesse uma recuperação melhor a partir do contato com outros atletas.

Despedida da Seleção

Ainda em 2011, em Agosto, Cabañas fez sua despedida oficial da Seleção do Paraguai em um amistoso disputado no Estádio Azteca, no México, em sua homenagem entre o Paraguai e o ex-clube do jogador, o América. A partida terminou empatada em 0 x 0, sendo que El Mariscal atuou durante nove minutos pelo América no primeiro tempo e 11 minutos pela Seleção Paraguaia no segundo tempo. Ao total, pela seleção, foram 44 jogos e 10 gols marcados. Além disso, Cabañas disputou a Copa do Mundo de 2006 e seria nome certo para a copa do 2010.

A volta ao Futebol

Em 2012, foi anunciada de forma oficial a volta do atacante aos gramados. O jogador iria atuar na equipe 12 de Octubre, onde iniciou sua carreira, a partir de 20 de janeiro desse mesmo ano. Na sequência, em 2014, Cabañas chegou a atuar no Brasil. O atleta acertou com o Tanabi, do interior de São Paulo, time que disputava a quarta divisão do Campeonato Paulista. Porém, devido a problemas de documentação não pôde disputar a Série B do Paulista, e pelo Tanabi jogou apenas uma partida, um amistoso contra o Grêmio Barueri, onde iniciou a jogada do primeiro gol e também perdeu um pênalti, empatando em 2 x 2.

Aposentadoria

Em Junho do mesmo ano, Cabañas resolveu que era hora de se aposentar. Na época, o jogador justificou sua decisão: “Não tenho mais condições de jogar futebol. Estou deixando os campos por não conseguir mais acompanhar o ritmo dos outros jogadores“.

Foto destaque: Reprodução/Futebol Latino

BetWarrior


Poliesportiva


Alexandre Vieira
Alexandre Vieira
Sou Alexandre Vieira, 30 anos, estudante de Jornalismo pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e apaixonado por esporte, principalmente futebol. Quando moleque, sonhava em ser jogador, porém não tive oportunidade. Daí nasceu a paixão pelo jornalismo e a esperança de assim poder ficar famoso, realizar o sonho de me aproximar de ídolos, estádios e cobrir competições históricas. Tenho um senso de humor gigante e sou legal até quando meu time perde.

    Artigos Relacionados

    Topo