Ronaldo Rodrigues avalia temporada pelo Alverca: “Quase perfeita”

Primeiramente, o Alverca chegou até as finais dos playoffs para uma vaga na Liga Vitalis (segunda divisão de Portugal), mas na decisão acabou superado pelo Sporting Covilhã, que conquistou o acesso. As equipes mediram forças em dois confrontos. Na ida, em Alverca, o duelo terminou em 0x0. Já na volta, o Covilhã levou a melhor e ficou com a vaga ao vencer, em casa, a partida por 2×0.

Contudo, no total, o Alverca entrou em campo em 30 jogos na Liga 3 e o zagueiro Ronaldo Rodrigues atuou em 25 compromissos. Ao passo que vale ressaltar que em muitas das partidas, inclusive, ele foi o capitão da equipe mesmo tendo apenas 24 anos. Dessa forma, como um dos principais destaques do Alverca na competição, o defensor brasileiro figura na seleção do Campeonato do Liga 3. Mesmo chateado com o fato de o Alverca ter “batido na trave” pelo acesso, Ronaldo Rodrigues ficou orgulhoso da bela trajetória.

Foi uma temporada muito importante para a minha carreira. Fiquei na época passada um bom período parado, sem jogar, por causa de uma lesão. Consegui me recuperar e voltei nesta época a atuar em um grande nível. Tive sequência de jogos e tirei todos os tipos de dúvidas que eu tinha em termos, de como iria reagir após lesão. Julgo que foi uma temporada quase perfeita. Faltou o acesso para coroar e ficamos tristes, pois tínhamos totais condições”, admitiu o ex-jogador do Cruzeiro.

Férias no Brasil

De férias no Brasil, Ronaldo Rodrigues espera nos próximos dias definir o futuro da sua carreira. Entretanto, o vínculo dele com o Alverca encerrou no final da época e pela bela história no clube, assim sendo, o zagueiro fez questão de deixar um recado aos adeptos.

Deixamos tudo dentro e fora de campo. Digo isto porque tínhamos um grupo muito focado no objetivo, que era subida, e renunciamos muitas coisas para buscarmos esse feito. Mesmo não subindo, tenho certeza que o nosso torcedor tem orgulho da nossa equipe. Vou descansar um pouco e definir nas próximas semanas o meu futuro. Após quatro épocas encerrou o meu contrato com Alverca. Tive bons números e agora é estudar o melhor projeto para o prosseguimento da carreira”, finalizou

Foto: Divulgação/Alverca

Tity Marx
Na verdade, não fui eu que escolhi o jornalismo e sim ele que me escolheu. Sem dúvidas, a profissão é como um oceano que precisa ser desvendado na sua profundeza, só assim é possível conhecer e respeitar toda sua beleza.