Reus

Essa foi uma década muito valiosa no quesito de times interessantes e surpreendentes no futebol europeu. No entanto, no território alemão não vimos muito isso, mas temos uma grande exceção. A coluna Quebrando Muros desta semana, traz detalhes do time encantador do Gladbach de Marco Reus na temporada 2011/12, que não conquistou nenhum título, porém deixou uma ótima impressão e revelando ao mundo grandes jogadores.

O ANO DOS “BORUSSIAS” NA ALEMANHA

A temporada 2011/12 foi recheada de surpresas na Alemanha. Dessa forma, o Bicampeonato do Dortmund rivalizando com o poderoso Bayern de Munique, impactou uma possível nova era na Bundesliga. Entretanto, um outro Borussia roubou a cena, com um futebol envolvente, ofensivo, e com jogadores de altíssimo potencial, atraindo o interesse de todos ao redor. Por fim, o Gladbach mostrou que com pouco investimento financeiro, dá sim para fazer um time competitivo e agradável de se ver.

ELENCO DESCONHECIDO … MAS TALENTOSO COMANDADO POR REUS

O objetivo inicial dos Corvos na época em si, era apenas uma modesta posição de meio de tabela, pelo fraco investimento na equipe. Em contrapartida, foi o ano em que alguns jogadores surpreenderam com um alto nível técnico e tático, refletindo em um ótimo desempenho ao clube. Nesse ínterim, três jogadores precisam ser destacados, os alemães Reus e Ter Stegen e o defensor brasileiro Dante, pilares desse time. Portanto, iremos detalhar cada um deles e sua importância.

O XERIFE DANTE

O brasileiro chegou ao clube em 2009, vindo da equipe belga do Standard Liège. Sendo assim, demorou para o Brazuca se encaixar no estilo e filosofia do clube, mas em 2012 tudo aconteceu da melhor maneira. Sendo o líder do sistema defensivo do time, Dante era sinônimo de segurança e antônimo de vulnerabilidade, se tornando pra muitos, o melhor da posição nesta época na Alemanha. Em síntese, o jogador completou 38 partidas, ficando em campo por 3.510 minutos, recorde de um jogador de linha do time na temporada.

O PROMISSOR E TALENTOSO TER STEGEN

Na época com apenas 20 anos de idade, Marc André Ter Stegen mostrou ao mundo todo seu talento. Assim, o arqueiro já com alguns anos no profissional do Gladbach, em 2011/12 potencializou sua técnica se tornando peça chave no sucesso da equipe na Bundesliga. Sua segurança na meta dos Corvos proporcionou 15 clean sheets, ficando atrás apenas de Manuel Neuer do Bayern, feito espetacular pela baixa idade do atleta. O goleiro atuou em 39 partidas do time, sendo o líder no quesito na temporada.

O MELHOR DO TIME, O DECISIVO MARCO REUS

O atacante chegou no Gladbach em 2009, mas demorou para engrenar no clube. Dessa forma, o jogador só assumiu a titularidade na temporada 2010/11, mas foi na época seguinte o ápice do talentoso Reus. Com um estilo de jogo ousado e alegre, Marco encantou a todos na Alemanha e no mundo, com performances excepcionais. Em suma, foram 37 jogos completados, com 21 gols e 14 assistências, participando diretamente em 34 gols do Borussia.

CAMPANHA DO CLUBE NA TEMPORADA 2011/12

O clube iniciou sua jornada apenas em duas competições a disputar, a Bundesliga e a Copa da Alemanha. Sendo assim, como dito anteriormente, o fraco investimento do elenco, proporcionou pouca ambição em grandes resultados, tanto pela diretoria quanto pela torcida. No entanto, os bons resultados iniciais no Alemão, mudou um pouco o tom de objetividade do time nos campeonatos.

Começando pela Bundesliga, os Corvos do começo ao fim, ficou na parte de cima da tabela. A equipe não chegou a brigar pelo título, mas a vaga para disputar pela primeira vez a Champions League sempre foi uma realidade. Portanto, em 34 rodadas o clube fez 60 pontos ficando em quarto lugar, seis pontos acima do quinto lugar Bayer Leverkusen, garantindo sua vaga a fase preliminar na Liga dos Campeões 2012/13. Em síntese, foram 49 gols feitos e 24 sofridos, totalizando 17 vitórias.

De antemão, a Copa da Alemanha era a única alternativa real de título pelo Gladbach na temporada. Nesse ínterim, a equipe na primeira fase derrotou o Reagensburg por 3 x 1. Na segunda fase, eliminou nos pênaltis o Heidenheim, indo para as Oitavas de Final. Nas Oitavas, venceu por 3 x 1 o Schalke 04. Em seguida nas Quartas de Final, derrotou fora de casa o Hertha por 2 x 0, e indo para a Semi Final, ficando próximo de um feito histórico para o clube.

Entretanto, o adversário era o poderoso Bayern de Munique, que em uma partida de altíssimo nível, foi para os pênaltis, onde os Bávaros saíram vitoriosos, rumo a final da competição. Em contrapartida, a campanha dos Corvos fica para a história e será lembrada pelo alto nível jogado, de só ter sido eliminada por uns dos finalistas daquele ano da Uefa Champions League, refletindo o bom desempenho.

TÁTICAS E ESTILO DE JOGO… A MANEIRA DO GLADBACH DE FAVRE JOGAR

Comandado pelo treinador Lucien Favre (atual técnico do Borussia Dortmund), o Gladbach era envolvente com a bola, e disciplinado sem ela. A equipe variava sua formação em 4-2-3-1 com a bola, na recomposição tática alternava para um 4-4-2 que em algumas ocasiões se transformava no 4-3-3, com contra ataques mortais. Destaque para Reus que não tinha posição fixa, e ficava livre no centro de criação ofensiva do time.

Nesse sentido, outro nome importante era do venezuelano Arango, que era eficaz na marcação e letal no ataque. Em conclusão, Favre potencializou aquele elenco, tendo muita contribuição nisso, refletindo o sucesso de hoje no comando do Dortmund, mais um Borussia de sucesso.

O LEGADO DESSE GLADBACH DE MARCO REUS E COMPANHIA

Por ter conseguido a vaga para Uefa Champions League 2012/13, o patamar dos Corvos mudou. Consequentemente a isso, o poder financeiro do clube melhorou, que a partir disso até hoje, consegue fazer investimentos não muito ousados, mas bem interessantes mantendo um bom nível competitivo. O resultado disso é estar classificado na atual edição da Liga dos Campeões, ainda com os frutos da época 2011/12.

Foto Destaque: Reprodução/Getty Images

Leandro Silva
Eu escolhi jornalismo por amar esporte, principalmente futebol. No momento tenho um canal no youtube com meus amigos chamado "Mesa de bar" , que fala de esportes em geral, a idéia é justamente criar um portfólio para ingressar na área jornalística. Meu objetivo profissional é ser comentarista de futebol, me espelhando em profissionais como o Paulo Vinícius Coelho, Lédio Carmona, Paulo Calçade entre outros. Sou uma pessoa tranquila e focada, tanto na vida profissional e pessoal. Simplicidade me define, sendo assim, pretendo acrescentar ao Futebol na Veia, com meus conhecimentos e qualidades.

Artigos Relacionados