Cruzeiro

No ano do centenário, o Cruzeiro não teve o que comemorar. Em meio a crise financeira e na gestão do futebol o time mineiro teve uma temporada frágil e com isso não foi feliz em nenhuma competição em 2021.

Campeonato Mineiro: Cruzeiro eliminado nas semifinais

O Cruzeiro iniciou a agenda de 2021 com esperanças. Com a saída de Felipão, Felipe Conceição ocupou a vaga de treinador com bons olhos, já que havia feito boa campanha com o Guarani em 2020 e quase levou o AméricaMG à Série A em 2019. O novo comandante deixou a Raposa em 3º lugar na fase classificatória do Estadual, com uma campanha de 6 vitórias, dois empates e três derrotas. O plantel, entretanto, acabou sendo derrotado nos dois jogos da disputa semifinal para o AméricaMG.

No jogo de ida, a Celeste saiu na frente do placar, mas tomou o empate e a virada em questão de segundos perto do fim do embate. Em seguida, no Independência o clube sofreu nova derrota (3×1) dando adeus a competição. Em suma, o maior feito do Cruzeiro na competição foi vencer o clássico contra o arquirrival AtléticoMG, na fase de classificação.

Copa do Brasil: maior campeão, fracassa pelo segundo ano consecutivo

Na primeira fase, o time mineiro teve dificuldades diante do São Raimundo e empatou em 1 x 1. Logo após, venceu o AméricaRN por 1 x 0 na disputa da segunda fase. Na terceira fase, porém, o plantel mineiro obteve o placar magro de 1 x 0  sobre a Juazeirense, em Belo Horizonte, e se complicou para o jogo da volta.

Em Juazeiro na Bahia, a Juazeirense venceu no tempo normal por 1 x 0. Pouco depois, despachou o Cruzeiro nos pênaltis por 3 a 2. Maior campeão da Copa do Brasil, com seis títulos, o Cruzeiro deu vexame na competição pelo segundo ano consecutivo. Em 2020, a Raposa também deixou a disputa na terceira fase, mas sem vencer um jogo sequer.

A eliminação teve como consequência a demissão de Felipe Conceição. Ele comandou o clube em 19 jogos e conquistou oito vitórias, oito derrotas e três empates, um aproveitamento de 47,37%.

Brasileirão Série B: a luta para não cair

Vindo de recentes eliminações, o Cruzeiro demonstrou que teria dificuldades já nas rodadas iniciais. O clube estreou com derrota por 3 x 1 contra o Confiança. Em seguida, sofreu mais uma derrota, esta diante do CRB. Com a saída de Conceição, o Cruzeiro optou por Mozart Santos para ser o novo técnico. O novo contratado entretanto não conseguiu mudar o ritmo do time, que chegou a emendar uma sequência de nove jogos sem vitórias na Segundona. Com isso, a missão que antes era de alcançar o acesso se transformou em uma luta para não cair. Ao todo, Mozart comandou o clube em 13 jogos e obteve duas vitórias, sete empates e quatro derrotas.

Pressionado, o time viu em Vanderlei Luxemburgo a possibilidade de uma reação. A princípio, a mudança foi positiva. Luxemburgo estreou com vitória sobre o Brusque por 2 x 1, com gols de Felipe Augusto e Giovanni, na 16ª rodada. Na sequência mais dois triunfos diante de Náutico e Confiança, pela 19ª e 20ª rodada respectivamente. Depois de emendar duas vitórias consecutivas (contra Brasil de Pelotas e Coritiba) o Cruzeiro dormiu no 11º lugar na 30ª rodada, sua melhor colocação na tabela em todo campeonato. Mas o ataque fraco e a falta de opções no banco, fizeram o plantel oscilar nos resultados, tirando de vez a possibilidade de acesso. Desse modo, a luta do Cruzeiro passou a ser contra o rebaixamento.

Fazendo contas para não cair, o time despencou da 11ª posição para a 14ª, após a sequência de uma derrota e dois empates entre a 31ª e 33ª rodada. Assim, as chances de rebaixamento foram totalmente extintas faltando três rodadas para o fim. Com mais de 30 mil torcedores no Mineirão, o Cruzeiro venceu o Brusque por 2 x 0, chegou aos 46 pontos e ficou livre do risco de rebaixamento à Série C do Brasileiro. A saber, foi a última vitória do time mineiro no ano. Na sequência, o time perdeu para o Vitória, empatou com Sampaio Corrêa e se despediu da torcida com o empate em 0 x 0 diante do Naútico, em Belo Horizonte.

Em resumo, o Cruzeiro piorou o desempenho na Série B em relação a disputa de 2020. Naquele ano, o time mineiro encerrou a competição com 49 pontos e no 11º lugar. Contudo, em 2021 com 10 vitórias, 18 empates e 10 derrotas a campanha celeste encerrou na 14ª colocação com 48 pontos.

Foto destaque: Divulgação/Andre Araujo/Cruzeiro

Izabela Avelar
Jovem jornalista mineira, apaixonada por esportes e o turbilhão de sensações que as competições esportivas proporcionam.