Remembrance Day: por trás da papoula nos uniformes da Premier League

Com uma papoula vermelha, todos os clubes ingleses têm recordado o “Remembrance Day” ou “Dia da Memória” em seus uniformes durante as partidas da Coluna Reino Unido pelo Futebol desta semana sobre a importante celebração que reflete também no futebol.

LEIA MAIS:

Welsh Premier League: Conheça a Liga do País de Gales

Shamrock Rovers F.C: O maior campeão irlandês

Copa do Mundo de 1966 em casa: História e curiosidades do primeiro título da Inglaterra

Remembrance Day: respeito e patriotismo

Também conhecido como o Dia do Armísticio, a celebração realizada pelos estados membros da Comunidade das Nações (quase todos antigos territórios britânicos) é uma forma de lembrar daqueles que perderam a vida em combate. A guerra foi um fato trágico que ficou  marcado e muitos soldados das Forças Armadas Britânicas deram o próprio sangue em defesa de sua nação. Portanto, com a fim da Primeira Guerra Mundial  às 11h do dia 11 do 11º mês de 1918, ficaram as memórias que refletem até os dias de hoje.

As homenagens com as papoulas começaram a florescer no país no fim deste mês de outubro. Contudo, no segundo domingo do mês de novembro (8) que deu início a semana do “Dia da Memória”, foram realizadas celebrações e homenagens pelo país envolvido com a simbólica flor, além de uma pausa com dois minutos de silêncio e em alguns lugares foram entoadas canções históricas referente à data. Assim, para os ingleses relembrar o dia é uma forma de ser patriota e lembrar do passado com o Reino Unido ao longo dos anos.

Papoulas na Premier League

No futebol não é diferente e todos são motivados pelo Dia da Lembrança. Assim, um país que tem um dos melhores campeonatos do mundo, não poderia ficar de fora da celebração e demonstrar respeito. Nos uniformes das 20 equipes inglesas que competem na Premier League, todos os jogadores estampam a flor vermelha no centro do peito das camisas.

Ninguém é obrigado a utilizar a papoula, apesar da maioria respeitar a importância da data no Reino Unido. Mas, há quem não veja o ato simbólico com a mesma admiração. Desta maneira, o volante do Manchester United, o sérvio Nemanja Matic, explicou em 2018 o motivo de não utilizar a flor no uniforme. Destacou que quando era criança, sua aldeia foi atacada pelas forças da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) formado por 29 países que inclui o Reino Unido e Estados Unidos.

“Eu reconheço porque as pessoas usam papoulas, eu respeito totalmente o direito de todos de fazer isso e tenho total simpatia por qualquer pessoa que perdeu entes queridos devido a conflitos. (…) No entanto, para mim, é apenas uma lembrança de um ataque que senti pessoalmente quando era um jovem assustado de 12 anos que morava em Vrelo, quando meu país foi devastado pelo bombardeio da Sérvia em 1999. (…) Embora eu tenha feito isso anteriormente, pensando bem, agora não acho que seja certo usar a papoula na minha camisa. Não quero prejudicar a papoula como um símbolo de orgulho na Grã-Bretanha ou ofender ninguém. No entanto, somos todos produto da nossa própria formação e esta é uma escolha pessoal pelos motivos delineados ”, disse Matic em entrevista à BBC Britânica.

Remembrance Day: por trás da papoula nos uniformes da Premier League
United em partida contra o Bournemouth em 2018 pela Premier League. Matic foi o único jogador do time a não ter a papoula na camisa. Foto: Reprodução/AllSport/Getty Images.

Por que papoulas?

As papoulas são usadas como símbolo, pois, com o fim da Primeira Guerra Mundial começaram a crescer nos campos de batalha. Além disso, elas passaram não só a representar os soldados falecidos, mas todos aqueles que deram a vida pelo seu país. Confira a tradução do famoso poema In Flanders Fields escrito em 1915 pelo tenente-coronel canadense John McCrae durante a Primeira Guerra Mundial. Na canção, as papoulas que viraram símbolo no Remembrance Day estão destacadas. 

Nos Campos de Flandres

Nos campos de Flandres papoulas floram

Entre filas e filas de cruzes que formam

Nosso lugar derradeiro; alto no céu poente 

Voam as cotovias entoando bravamente

O canto que os canhões abaixo silenciavam.

Nós somos os mortos. Há poucos dias vivíamos,

O amanhecer sentíamos, o brilho do por do sol víamos,

Amávamos e éramos amados, e agora fomos deixados

Nos campos de Flandres.

Continuem as nossas lutas renhidas:

Pois passamos das nossas mãos feridas

A tocha; Erga-a ao alto em seus postos.

Se deres as costas a nós que estamos mortos

Jamais dormiremos, apesar das papoulas floridas

Nos campos de Flandres.

Celebração do Remembrance Day na Premier League:

Foto Destaque: Divulgação/Liverpoolfc

Amanda Cruz
Sou Amanda Cruz, formada em História e estudante do último ano de jornalismo. Atualmente moro em Lorena/SP, mas sou paulistana e filha de pernambucanos. Despertei minha paixão pelo futebol na Copa de 2006 e desde lá o amor só cresceu. Sempre curiosa sobre esportes e amante de história, gosto de estar por dentro do assunto. Acompanho sempre notícias e jogos, principalmente das ligas europeias. Assim, o futebol é um esporte emocionante e como futura jornalista, escrever sobre ele é demais!

Artigos Relacionados