Dortmund

A temporada 2012/2013 é uma daquelas mais bem lembradas pelo torcedor do Borussia Dortmund. Isso porque, na disputa da Champions League daquele ano, a equipe comandada pelo então treinador Jürgen Klopp, chegou até a fase final do torneio continental. Dessa maneira, nesta edição da coluna Quebrando muros, o Futebol na Veia relembra aquela campanha da equipe aurinegra, em especial o confronto emocionante diante do Málaga, da Espanha, na fase quartas de final. 

O INÍCIO DA CAMINHADA

A equipe de Dortmund garantiu vaga na fase de grupos da Champions League após sagrar-se campeã da Bundesliga 2011/2012. Assim, os comandados de Jürgen Klopp chegaram ao torneio europeu embalados e com bastante confiança. Então, na fase de grupos, o BVB tinha como adversários, fortes equipes no cenário do velho continente, como Real Madrid, Manchester City e Ajax

Portanto, apesar do alto nível dos concorrentes pela vaga à fase seguinte, a equipe alemã manteve o bom futebol que o levou ao título do Campeonato Alemão na temporada passada. Na classificação do Grupo D, o Borussia Dortmund terminou na liderança, com 14 pontos conquistados, dos 18 disputados, inclusive, superando o poderoso Real Madrid, que terminou na 2ª colocação. Dessa maneira, das seis partidas disputadas, os Aurinegros venceram quatro, empataram duas e não foram derrotados em nenhum confronto. 

Nas oitavas de final, o adversário do BVB foi o Shakhtar Donetsk, da Ucrânia. Dessa maneira, no confronto de ida, na casa da equipe ucraniana, a equipe alemã saiu atrás no placar. Assim, na ocasião, o Borussia conseguiu o importante empate em 2 x 2, com gols de Lewandowski e Hummels. Na partida de volta, jogando diante da Muralha Amarela, os Aurinegros conseguiram se impor, ao vencer pelo placar de 3 x 0, assegurando a vaga às quartas de final. Os gols da classificação foram marcados por Felipe Santana, Götze e Błaszczykowski.

CONFRONTO HISTÓRICO

Com vaga assegurada entre as oito melhores equipes da Europa, o próximo desafio do Borussia Dortmund seria diante do Málaga, da Espanha. O confronto diante dos Malaguistas é, sem dúvidas, em termos de emoção, um dos mais lembrados da história recente do Dortmund. Isso porque, na partida de ida, realizada na Espanha, o placar final foi o empate sem gols. Dessa maneira, no segunda e decisiva partida, qualquer vitória, de uma das equipes, garantiria a classificação às semifinais. 

Naquela noite de 9 de abril, quase 66 mil torcedores puderam testemunhar uma das grandes reviravoltas na história da UEFA Champions League. Isso porque, precisando da vitória para avançar à fase seguinte, o Borussia Dortmund tratou de pressionar os visitantes, tendo boas chances de abrir o marcador que, porém, não foram bem aproveitadas. Assim, aos 25 minutos de jogo, o Málaga foi quem abriu o placar, com Joaquín, em chute na entrada da área, que foi parar no canto esquerdo de Weidenfeller.

Na desvantagem por um gol, Lewandowski e companhia seguiram pressionando os espanhóis, em busca do empate. Logo, aos 40 minutos, após assistência de Reus, Lewa conduziu até a grande área, driblando o goleiro e dando esperanças aos alemães. Na volta do intervalo, o jogo continuou quente, com as duas equipes tendo ótimas oportunidades de assumirem vantagem no marcador do Signal Iduna Park. 

RAÇA AURINEGRA

Conforme o tempo passava, a angústia e o desespero aumentava para os donos da casa, pois o Málaga crescia na partida. Assim, aos 37 minutos, após passe do brasileiro Júlio Baptista, na saída do arqueiro alemão, Eliseu recebeu livre, de frente para a meta aurinegra, marcando o segundo gol da equipe espanhola. O resultado de 2 x 1, garantia os Malaguistas nas semifinais da competição continental.

Mas, como foi antecipado, a partida ficou marcada por fortes emoções. Dessa maneira, lutando até o fim, o Borussia Dortmund viu uma luz no fim do túnel, ou melhor, a bola no fundo da rede.  Já no período de acréscimos, aos 46, após passe de Subotic, Felipe Santana brigou, a bola sobrou para Reus que, com a defesa espanhola vendida, recolocou o BVB na disputa da vaga. Agora, com o empate em 2 x 2, o caminho natural seria a prorrogação, porém, a garra aurinegra prevaleceu. 

FELIPE SANTANA, O HERÓI

Ainda nos acréscimos, aos 47 minutos, Reus fez um cruzamento rasteiro e perigoso na área adversária. Assim, a bola rebateu, sobrou para o defensor e também brasileiro, Felipe Santana, empurrar a bola para o fundo do gol, decretando a improvável virada do BVB. Improvável, pois a equipe alemã esteve atrás no placar duas vezes e perdia por 2 x 1 até os 46 minutos. Santana foi um dos grandes heróis do Dortmund naquela noite, pela disputa no lance do gol de empate e, claro, pelo gol da virada.

O resultado de 3 x 2 garantiu o Dortmund nas semifinais da Champions League. Assim, o próximo adversário seria o maior vencedor da competição, o Real Madrid, adversário dos alemães na fase de grupos. Embalados e confiantes, os alemães golearam os Galáticos por 4 x 1, no Signal Iduna Park. Destaque para a atuação fenomenal de Robert Lewandowski, que marcou quatro gols na equipe espanhola. 

No jogo de volta, Cristiano Ronaldo e companhia precisavam de uma vitória por quatro ou mais gols, a fim de conseguir a classificação. Assim, jogando no Santiago Bernabéu, o Real Madrid pressionou, teve grandes chances, mas não conseguiu furar a defesa alemã. Dessa maneira, só nos minutos finais do segundo tempo, a equipe conseguiu abrir o placar, com Benzema, e ampliar a vantagem com Sergio Ramos. Contudo, apesar da vitória o resultado de 2 x 0, assegurou o BVB na final da Champions League 2012/2013.

A GRANDE FINAL ALEMÃ

O estádio de Wembley, na Inglaterra, foi palco da final da UEFA Champions League daquela temporada. Uma final alemã, entre Bayern de Munique e Borussia Dortmund, duas das mais populares equipes do país. Dessa forma, se tratando de jogo único, os ânimos estavam à flor da pele, ainda mais por se tratar de um Der Klassiker. Vale ressaltar que, em seu caminho até a final, os Bávaros eliminaram grandes equipes, como Juventus e Barcelona.

Com a bola rolando, as duas equipes tiveram grandes chances de abrir o placar, porém, as defesas se sobressaíram. Assim, na segunda etapa, o Bayern não tirou o pé e abriu o placar aos 14 minutos, com Mandžukić. O gol de empate dos Aurinegros veio oito minutos depois, em cobrança de pênalti de Gündogan. Com a igualdade no placar, os últimos minutos foram de muita apreensão para os dois lados. 

As duas equipes seguiram com boas oportunidades, mas não tiveram êxito. A partida, digna de final, das duas melhores equipes da Alemanha e Europa naquele ano, tinha emoções reservadas para o final. Assim, aos 44 minutos da etapa final, Robben aproveitou um descuido da zaga do Dortmund, entrou na área, ficou de frente à meta adversária e finalizou fraco, de perna esquerda, com a bola entrando lentamente para o fundo do gol, dando números finais ao clássico: 2 x 1.

 

TORCEDOR AURINEGRO BEM REPRESENTADO

Em Wembley, o Bayern de Munique sagrou-se campeão europeu pela quinta vez em sua história. Enquanto isso, o Borussia Dortmund, que fez uma campanha excepcional em todo o torneio, amargou o vice-campeonato. Antes do apito final, muitos torcedores ainda acreditavam, levando no coração, aquela virada história diante do Málaga. De qualquer forma, durante toda a competição, a equipe mostrou raça, técnica e paixão dentro de campo, representando da melhor maneira o seu fiel seu torcedor.

Foto destaque: Reprodução/Reuters

Avatar
Victor Parrini
Como amante de rádio, TV e esportes (principalmente o futebol), esses foram alguns dos motivos que me levaram a escolher o jornalismo para a minha vida. Como jornalista, quero ouvir e contar histórias, porque isso é o que nos move. Aqui exponho meu primeiro contato com a escrita esportiva.

Artigos Relacionados