Para encerrar o ano de 2020, a Coluna Desbravando o Tio Sam dessa semana vai contar um pouco em como a MLS começou e se aprofundar em como funciona para ter um time na liga e seus respectivos valores. Além disso, vamos falar um pouco sobre o futuro da Major League Soccer em relação as novas franquias que vão entrar nos próximos anos e fazer parte da elite na terra do Soccer.

FUNDAÇÃO DA MLS

Antes de mais nada, vamos falar um pouco sobre o começo da MLS, principal liga dos Estados Unidos. Ela foi fundada recentemente, em 1993, devido um acordo entre a United States Soccer Federation e a FIFA. O acordo era que para sediar a copa de 1994 os EUA tinham que criar uma liga profissional de futebol. Sua última liga profissional foi a North American Soccer League, que foi extinta em 1984. Entretanto, o primeiro jogo da MLS aconteceu somente em 1996, San Jose Clash contra DC United, no dia 6 de abril. Além dessas duas equipes, outras oito faziam parte da liga. E já no primeiro ano, a MLS fez a separação das suas equipes dentro de duas conferências, Leste e Oeste. Dessa forma, a Major League Soccer seguiu o padrão das outras três grandes ligas (NFL, NBA, MLB) que separa seus times em divisões e conferências.

Por fim, em 2020 a liga chegou ao total de 26 equipes, sendo duas estreantes nesse mesmo ano, Inter Miami e Nashville SC.

EXPANSÃO DA LIGA E VALORES

Em 2020 Inter Miami e SC Nashville fizeram sua estreia na Major League Soccer. O Inter Miami, clube de David Beckham teve seu contrato com a liga fechado em 2014. Entretanto, a liga deu a opção para Beckham comprar uma equipe pelo valor de US$ 25 milhões. Entretanto, a liga exigia que o inglês garantisse a construção de um estádio em uma área centra de Miami.

Em 2019 a liga teve o seu Plano de Expansão aceito pelo Conselho Administrativo da MLS que coloca um preço para a entrada de novas franquias na liga. Além disso, o plano é também que a Major League Soccer conte com 30 times. O valor para a entrada de uma equipe foi de US$ 200 milhões. St Louis e Sacramento pagaram esse valor, ambos vão fazer suas estreias na liga em 2022. Entretanto, Charlotte que também irá fazer sua estreia em 2022 desembolsará o valor de US$ 325 milhões, valor recorde para colocar um time na liga. Diversas cidades entraram na briga para poder ter um time, entretanto, Austin, St Louis, Sacramento e Charlotte foram às quatro selecionadas para completar os 30 times na MLS.

Além dessa taxa de US$ 200 milhões, as cidades que querem entrar na liga devem apresentar planos de construção de estádio, nos padrões da competição, o apoio de patrocinadores, o mapa de acionistas, um plano de negócios para o desenvolvimento do futebol de base e as relações com a comunidade.

Por fim, em outubro de 2020 o Comissário da liga Don Garber não descartou a possibilidade de a liga ir até 32 equipes (talvez até mais). Principalmente por Las Vegas e Phoenix estarem na briga anteriormente para serem selecionadas para entrar na liga. Um convidado do On Frame Podcast revelou que pode haver um aumento na taxa de entrada para US$ 600 milhões. Dessa forma, esse valor é o dobro pago por Charlotte e 60x o valor pago pelo Real Salt Lake em 2005.

Foto Destaque: Reprodução/OléInternacional

Marcos Sibinel
Marcos Sibinel
Olá, me chamo Marcos Sibinel, tenho 23 anos e curso jornalismo na Anhembi Morumbi. Nunca tinha pensado em seguir uma carreira como jornalista, mas foi quando cursava Relações Internacionais que percebi que tinha uma vontade de trabalhar com esportes. Fui então pesquisando sobre o curso de jornalismo esportivo que surgiu um grande interesse, além de amar nosso futebol, tenho vontade também de fazer o outro futebol, o americano, crescer ainda mais aqui no Brasil. Foi então que decidi que queria jornalismo esportivo. Twitter: @masibinel / Instagram: @masibinel

Artigos Relacionados