Eis um dilema que assola a empresa Red Bull: Qual de seus clubes (RB Leipzig-ALE ou RB Salzburg-AUT) jogará a Champions League 2017-2018, visto que, segundo regulamento da UEFA, apenas um clube do mesmo dono pode jogar a mesma competição? Nunca que o símbolo da Red Bull fez tanto sentido, pois há um touro de cada lado, literalmente.

Entenda o caso! No artigo 5 da UEFA, diz o seguinte:

“Para garantir a integridade das competições de clubes da UEFA, aplicam-se os seguintes critérios:

– Nenhum clube que participe numa competição de clubes da UEFA pode, indiretamente:

  1. Detiver ou negociar valores mobiliários ou ações de qualquer outro clube que participe da competição de clubes da UEFA;
  2. Seja membro de qualquer outro clube que participe numa competição de clubes da UEFA;

– Ninguém pode participar simultaneamente, direta ou indiretamente, em qualquer capacidade na gestão, administração e/ou desporto de desempenho de mais de um clube participante em uma competição de clubes da UEFA. – Nenhuma pessoa física ou jurídica pode ter controle ou influência sobre mais de um clube.

– Se dois ou mais clubes não cumprirem os critérios destinados a garantir a integridade de concorrência, apenas um deles poderá ser admitido à competição de acordo com os seguintes critérios (aplicável por ordem decrescente): O clube mais bem classificado no campeonato nacional dando acesso para a competição de clubes da UEFA”.

Isto posto, temos a seguinte situação: o RB Leipzig, da Alemanha, foi o 2º colocado na Bundesliga (campeonato alemão), que dá vaga direta para a fase de grupos da próxima Champions League e o RB Salzburg, que foi campeão austríaco, que dá vaga para o 2º playoff da Champions, ou seja, terá de vencer três adversários até chegar a fase de grupos. Pelo regulamento da UEFA, o time de Salzburg estaria na próxima Champions por ser campeão nacional, já o Leipzig, vice do alemão, estaria fora. Porém, caso a UEFA reconheça ambas as equipes como independentes uma da outra, ambas podem participar da competição.

Caso a UEFA seja irredutível, pior para todo mundo:

EMPRESA RED BULL: Não terá o bom time alemão, por conta do regulamento; dificilmente terá o time austríaco, pois este sempre cai nos playoffs (fase anterior a de grupos) e perderá a chance de marketing incrível ao adentrar na maior competição interclubes, onde poderá expor sua já famosíssima marca de bebidas energéticas.

RB LEIPZIG: O time alemão perderia a chance de fazer história na Champions League, assim como fez o Leicester City neste ano, chegando as quartas de final. O Leipzig tem bons jogadores, mas, assim como o campeão inglês da última temporada, não tem peças o suficiente para vencer a competição continental, mas seria a chance de se mostrar ao mundo e começar a “bagagem” européia, visto que tem chances de chegar a umas oitavas de final ou carimbar uma vaga na Liga Europa.

RB SALZBURG: O time de Salzburg pode ser o melhor da Áustria há alguns anos, mas está longe de chegar a Champions. Nas últimas 3 vezes que foi campeão nacional e garantiu vaga nos playoffs, caiu frente ao Malmo duas vezes (2014-15 e 2015-16) e ao Dinamo Zagreb (2016-17), estes que ficaram em últimos na fase de grupos e foram eliminados.

UEFA: A Federação Européia perderá a chance de ver sua competição ganhar mais um público, pois além dos torcedores alemães serem os que mais fazem festa nos estádios europeus, este time pode dar trabalho, quem sabe avançar para as oitavas ou, pelo menos, uma vaga na Europa League.

AMANTE DE FUTEBOL: Todo amante de futebol torce para o time pequeno vencer o grande (quando o grande não é o seu clube), a verdadeira batalha entre Davi e Golias, a maioria toma partido do pequeno Davi, então, caso o Leipzig não vá a Champions, nós, torcedores, amantes de futebol e emoção, perderemos mais este filme.

Por nome a UEFA não poderia excluir nenhum dos times, já que apenas o time austríaco tem Red Bull no nome. O time alemão se chama RasenBallsport Leipzig, em tradução livre seria “Esporte de Bola na Grama Leipzig”. O engraçado é que, segundo jornais austríacos, o único vínculo entre o time de Salzburg e a Red Bull é o patrocínio master, pois a empresa teve seus direitos reduzidos ao patrocínio, diferentemente da equipe alemã que nem seu nome leva, mas é da empresa.

Mas será que esta dúvida realmente assombra a Red Bull? E se num sonho possível (mesmo que muitíssimo raro) de acontecer, o Red Bull Brasil vencer a Libertadores, o New York Red Bulls vencer a Liga dos Campeões da CONCACAF, o Leipzig ou Salzburg vençam a Liga dos Campeões da UEFA e o Red Bull Ghana (já extinto) vencesse a Liga dos Campeões da CAF, o que aconteceria com a RED BULL?

Ficaria “TRILIONÁRIA”, fato! Aí, a dor de cabeça ficaria com a “organizadíssima” FIFA.

Eric Filardi
Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 27 anos, criado em Taboão da Serra, jornalista pós-graduado em Jornalismo Esportivo e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, Peixe, Palestra e Timão. Sou da Colina, Glorioso, Flu e Mengão. Sou brasileiro, hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 x 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões. Sou Clássico das Multidões. Sou Sul, Nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, Raposa, Bavi e Grenal. Sou Ásia e África. Sou Barça e Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas que o estádio incendeia: sou Futebol na Veia.
https://bit.ly/EricFilardi

Artigos Relacionados