PSG vence (e convence) e Monaco liga sinal de alerta: os franceses na 2ª rodada da Champions

Nesta terça (26/09) e quarta (27/09) foram realizados os jogos da segunda rodada da fase de grupos da Uefa Champions League 2017/18. Os dois times franceses que participam da competição entraram em campo e tiveram resultados completamente diferentes.

Confira uma análise sobre os dois jogos e sobre as equipes:

Monaco 0 x 3 Porto (terça-feira)

Após empatar em 1 a 1 com o RB Leipzig, fora de casa, na primeira rodada, o Monaco recebeu o Porto, de Portugal, para tentar conquistar a primeira vitória na Champions. O jogo tinha um valor histórico, já que reeditou a final de 2004, em que os portugueses venceram por 3 a 0, curiosamente, o mesmo placa da partida desta terça.

Após pressionar o Porto no início da partida, o Monaco acabou cedendo e sofreu o primeiro gol aos 30 minutos do primeiro tempo, após Aboubakar aproveitar rebote depois de grande defesa do goleiro Benaglio. Jogando em casa e precisando do resultado, o time francês se lançou ao ataque e acabou ficando mais exposto, mas terminou a primeira etapa com desvantagem mínima.

Na segunda etapa, o Monaco continuou buscando o gol, mas logo aos 23 minutos, após receber passe de Marega, o camaronês Aboubakar não desperdiçou a oportunidade e marcou o segundo dele na partida e abriu 2 a 0 para os portugueses. Desesperado, o Monaco partiu para o ataque e ainda conseguiu acertar uma bola no travessão com Falcao Garcia (sempre ele), mas nada mais que isso. Aos 43 minutos, Layún fez 3 a 0 e colocou a “tampa no caixão” francês.

Com a derrota para o Porto, e com vitória por 2 a 0 do Besiktas sobre o RB Leipzig, o Monaco fica em último lugar do grupo G, com apenas um ponto, mesmo número dos alemães, que levam a melhor no saldo de gols. O Besiktas lidera com seis pontos, seguido pelo Porto, com três.

Análise: após chegar à semifinal na edição passada da Champions, o Monaco perdeu jogadores importantes, como o meia Bernardo Silva e o atacante Mbappé. É verdade que a equipe contratou algumas peças de reposição, mas nada que traga resultados imediatos. É preciso um pouco mais de tempo para que o time do técnico português Leonardo Jardim se encaixe com os novos jogadores e, principalmente, com a ausência das peças que se foram. A classificação parece difícil e é preciso ligar o sinal de alerta, mas ainda restam quatro rodadas e o time francês já provou, em outras oportunidades, que é capaz de superar situações difíceis quando menos se esperava.

[Veja um resumo do jogo em vídeo aqui]

PSG 3 x 0 Bayern de Munique (quarta-feira)

Os olhos do mundo todo estavam voltados para esta partida. Para muitos, o jogo entre PSG e Bayern de Munique seria o primeiro grande teste da equipe francesa, que ainda não havia enfrentado um “gigante” na temporada. E se a partida contra os bávaros foi uma verdadeira prova, o PSG passou com louvor e se colocou como um dos verdadeiros candidatos  ao título inédito.

Após vencer o Celtic por 5 a 0 fora de casa na primeira rodada e ainda sob a incerteza das reais consequências que o desentendimento público entre Neymar e Cavani pode ter trazido ao elenco, o PSG entrou em campo para defender a liderança do grupo B da Champions justamente contra um dos maiores vencedores da competição, o Bayern de Munique, cinco vezes campeão do torneio, que vinha de uma vitória de 3 a 0 sobre o Anderlecht.

Quem esperava que o jogo seria duríssimo para o PSG, se enganou. Não que o time francês não tenha sido ameaçado, muito pelo contrário, mas a equipe do técnico Unai Emery mostrou maturidade e disciplina tática dentro de campo e conseguiu ter certa tranquilidade e domínio do jogo para vencer os alemães por um inesperado 3 a 0.

Logo aos 2 minutos o time francês mostrou que não estava para brincadeira. Neymar fez ótima jogada pela esquerda, puxou cinco jogadores na marcação e rolou para Dani Alves, que entrava sozinho pela direita da área. O lateral só teve o trabalho de dominar e encher o pé para o fundo da rede para abrir o placar.

Após o gol, o Bayern de Munique não se “acovardou”. O time alemão foi para cima e chegou a ter algumas oportunidades claras de gol com Javi Martinez e Thomas Müller, que não conseguiram aproveitar para igualar o resultado. Em uma das chances Thiago Silva salvou em cima da linha. Por outro lado, o PSG se beneficiava dos espaços deixados e passou a jogar mais na velocidade do contra ataque. Neymar teve ao menos duas oportunidades de ampliar e Cavani uma, mas não conseguiram pôr a bola na rede. O jogo ficou bom para quem estava assistindo.

No final do primeiro tempo o PSG finalmente conseguiu ampliar. Após um contra ataque rápido, Mbappé fez linda jogada pela direita e rolou para Cavani pegar um lindo chute de primeira e ampliar o placar para o time francês.

Na volta do intervalo o time francês administrou a vantagem e passou a pressionar a saída de bola do Bayern. O coletivo do PSG funcionava tão bem que a torcida passou a gritar “olé” durante o jogo. Com a posse de bola, os donos da casa conseguiram criar outras oportunidades e, em uma delas, Mbappé fez grande jogada pela direita e rolou para dentro da área, Neymar dividiu com o zagueiro e empurrou para as redes para finalizar o placar em 3 a 0.

Com o resultado o PSG lidera o grupo B com seis pontos, seguido por Bayern de Munique e Celtic, com três (os alemães levam vantagem nos critérios de desempate). Anderlecht é o último colocado, com zero pontos.

Destaque

Se algum jogador mereceu atenção especial após o jogo foi o jovem Mbappé. O camisa 29 jogou muito. Com velocidade e habilidade deu passe para dois, dos três gols, e ainda participou de tantas outras jogadas de perigo. O francês não sentiu a pressão de enfrentar um gigante do futebol mundial e foi o melhor em campo nesta quarta-feira e saiu de campo ovacionado pela torcida. O garoto parece cada vez mais garantido no time titular.

Cavani e Neymar

A paz parece que reina no Parc des Princes. Após o desentendimento entre o atacante brasileiro e o uruguaio na partida contra o Lyon, pelo campeonato francês, e a veiculação de várias notícias sobre o clima “pesado” no elenco parisiense, o jogo contra o Bayern também serviu para mostrar que tudo parece estar bem entre os dois, pelo menos dentro de campo. Cavani e Neymar fizeram uma boa partida, se abraçaram na comemoração dos gols, se consolaram nas chances perdidas e saudaram a torcida de mãos dadas ao fim do jogo. Durante a partida o brasileiro até cedeu uma falta próxima da área para que o uruguaio cobrasse. A situação parece estar normalizada, pelo menos por agora. Quem ganha com isso é o PSG e os amantes do bom futebol.

Análise: a partida contra o Bayern foi o teste que o PSG precisava para mostrar que, é sim, candidato ao título. O time, que até agora não havia enfrentado um adversário a altura na temporada, jogou como “gente grande”, mostrou disciplina tática, usou e abusou da técnica e dominou os alemães. Os 3 a 0 mostraram que o time francês possui uma ideia de jogo muito clara que é compreendida pelos jogadores. Resta saber se o time de Unai Emery vai conseguir controlar a euforia para que isso não atrapalhe o andamento do projeto e os resultados apareçam.

[Veja um resumo do jogo em vídeo aqui]

Giovanni Froeming

Sobre Giovanni Froeming

Giovanni Froeming já escreveu 25 posts nesse site..

Jornalista formado na UniCesumar, em Maringá (PR), é viciado em esportes, café e churrasco. Apaixonado por futebol, assiste qualquer jogo que lhe for possível, independentemente de time, campeonato ou região. É autor do livro “Três sets: os desafios do vôlei profissional de Maringá” e atacante do Tonelada Futebol Clube. Acredita, às vezes até de maneira ingênua, que pode, de alguma forma, utilizar o jornalismo para fazer do mundo um lugar melhor.

BetWarrior


Poliesportiva


Giovanni Froeming
Giovanni Froeming
Jornalista formado na UniCesumar, em Maringá (PR), é viciado em esportes, café e churrasco. Apaixonado por futebol, assiste qualquer jogo que lhe for possível, independentemente de time, campeonato ou região. É autor do livro “Três sets: os desafios do vôlei profissional de Maringá” e atacante do Tonelada Futebol Clube. Acredita, às vezes até de maneira ingênua, que pode, de alguma forma, utilizar o jornalismo para fazer do mundo um lugar melhor.

    Artigos Relacionados

    Comments are closed.

    Topo