Pescara 2011-12: Zemanlândia, grandes promessas e o acesso histórico à Serie A

O futebol italiano é cheio de grandes histórias. Não é por acaso que nossa coluna histórica do Calcio se chama Calciostoria. Além disso, muitas delas envolvem times que não estão no grande palanque do esporte na Itália. É o caso do Pescara Calcio, na temporada 2011-12. Com jogadores que hoje muitos ao redor do mundo conhecem, que ainda estavam no início da carreira, a equipe conseguiu um grande feito. Enfim, esse elenco trouxe os Golfinhos, equipe tradicional da Terra da Bota à elite, após 19 anos.

LEIA MAIS:

Hamsik: o eslovaco que conquistou corações napolitanos

Genoa: o primeiro time a dominar a Itália

Egri Erbstein: o pai do Gran Torino (parte 2)

ANTECENDENTES HISTÓRICOS DO PESCARA

O Pescara ficou muito conhecido aqui no Brasil e em todo mundo nos anos 80. Nessa época, o clube conseguia se firmar na primeira divisão do futebol italiano e trouxe jogadores como o lateral Júnior, ex-Flamengo e o iugoslavo Blaž Slišković. Entretanto, os Golfinhos foram rebaixados na temporada 1992-93 para a Serie B, e desde então, não conseguiam retornar a elite do Calcio. Além disso, o clube chegou a frequentar a Serie C, e chegou a falência. Dessa forma, na temporada 2008-09, o time foi colocado a leilão, e o comprador mudou o nome do clube para Delfino Pescara 1936.

Com a chegada dos novos donos, também desembarca em Pescara um tal Eusebio Di Francesco, que viria no futuro a levar o Sassuolo para a Serie A e levaria a Roma a uma semifinal de Champions League, para comandar o clube a partir da metade da temporada 2009-10. A saber, o objetivo era claro: trazer o clube de volta para a Serie B do futebol italiano. Assim, derrotando o Verona nos playoffs da Serie C, os Golfinhos haviam superado todas as dificuldades financeiras e voltado a segunda divisão do Calcio.

Pescara
Eusebio Di Francesco no comando do Pescara       Foto: Reprodução

MONTAGEM DO ELENCO PARA 2011-12: ZEMANLÂNDIA EM PESCARA E JOVENS PROMESSAS

Com o sucesso de Eusebio Di Francesco no Delfino, o treinador chamou atenção de equipes que estavam acima do clube de patamar na época. Dessa forma, o treinador deixou o Pescara para treinar o Lecce. Porém, o time decidiu apostar na experiência e num comandante muito conhecido do Calcio. O tcheco Zdeněk Zeman, que já havia treinado várias equipes italianas, desembarcou no sul da Itália com a missão de levar os Golfinhos de volta a Serie A após 19 anos. O técnico já havia conquistado um caneco da Serie B em 1991-92 com o Foggia, e agradava quem gostava de futebol com seu estilo de jogo.

Zemanlândia. Assim é conhecido o estilo de jogo do técnico tcheco, que virou até filme por sinal. Um 4-3-3 bastante ofensivo, com três atacantes de qualidade, um pandemônio organizado no meio e linhas altas na defesa. E Zeman sabia quem poderia fazer esses papéis. Dessa forma, o trio de ataque era comandado por dois jovens, vindo emprestados de Napoli e Juventus, chamados Lorenzo Insigne e Ciro Immobile. Além disso, você também deve conhecer Marco Verratti. O francês que é consagrado hoje no PSG, iniciou sua carreira com 18 anos, no sul da Itália.

https://twitter.com/spicciar/status/1348215526208770048?s=20

A CAMPANHA NA TEMPORADA 2011-12

A saber, a temporada começou com uma vitória sobre o Verona por 1 x 2 fora de casa, inclusive com gol de Immobile. Porém, as coisas não estava sendo espetaculares. O Pescara em todo o tempo frequentava a zona dos classificados aos playoffs da competição. Entretanto, chegava na metade do campeonato em 4º lugar, seis pontos atrás do Torino. Na primeira metade do segundo, os Golfinhos até conseguiram chegar a liderança com uma boa sequência, que logo se transformou em derrotas e queda para 3ª posição.

Porém, um resultado iria dar ânimo e fôlego para os Golfinhos. Dessa forma, na 36ª rodada, o Pescara goleou o Padova por 6 x 0, e Immobile e Insigne marcaram três dos seis tentos. Com isso, a equipe engatou uma sequência de seis vitórias seguidas até o fim da competição, incluindo triunfos contra Sampdoria, e o confronto direto contra o Torino. Enfim, na 40ª rodada, ao vencer a Samp por 1 x 3, o clube confirmava o acesso a Serie A e o retorno a elite do Calcio, após 19 anos, mas não parou apenas no acesso.

Na última rodada, os Golfinhos estavam na 2ª posição com 80 pontos, dois atrás do Torino, líder da Serie B. Entretanto, os comandados de Zeman tinham um saldo de gols superior ao do Toro. Bastava apenas uma vitória e um tropeço do Granatta na última rodada, para sacramentar o título, e foi isso que aconteceu, e de forma dramática. O time de Turim ficou no 0 x 0 contra o AlbinoLeffe. O mesmo resultado se encaminhava no sul. Porém, com gol aos 47 do segundo tempo de Maniero, que entrou na partida no lugar de Immobile, o Pescara venceu o Nocerina por 1 x 0, e confirmava o caneco da Serie B de forma heroica.

QUE FIM LEVOU O PESCARA?

Com o grande sucesso na Serie B em 2011-12, os jogadores e o técnico do Pescara ficaram valorizados no mercado e assim, a maioria do elenco se desfez. Primeiramente, Immobile e Insigne retornaram para Juventus e Napoli após o empréstimo. Artilheiro da segunda divisão com 28 gols, Ciro foi vendido pela Velha Senhora ao Genoa e começou a trilhar sua carreira de goleador. Hoje, está na Lazio. Lorenzo começou uma linda história nos Azzurri, onde está até os dias atuais. Marco Verratti foi vendido para o então rico e ambicioso PSG, e é um dos pilares do clube francês. Todos os três são titulares hoje da Azzurra (seleção italiana).

Enfim, seu treinador também deixou o Sul da Itália, e se encaminhou a capital. Com o grande sucesso, Zdeněk Zeman aceitou proposta para comandar a Roma, clube que já tinha trabalhado entre 1997 e 1999. E assim, o Pescara virou um clube gangorra. Em 2012-13 terminou na 20ª posição na Serie A e logo foi rebaixado. Voltou a elite em 2016, mas também voltou a segunda divisão na temporada seguinte. Enfim, em 2019-20, quase foi rebaixado para a Serie C, se salvando no playout. Na atual edição da Serie B, os Golfinhos estão na 15ª posição.

https://twitter.com/brfootball/status/1066980915673468928?s=20

Foto destaque: Reprodução/IL Centro

Caíque Ribeiro
Olá, eu sou Caíque Ribeiro, tenho 20 anos e a paixão por esportes corre em minhas veias, sobretudo, o futebol. Um amante do futebol tanto brasileiro, quanto europeu e ainda sim, do alternativo. Tendo como maior jogador que vi jogar, Ronaldinho Gaúcho e grandes memórias futebolísticas. Estou cursando jornalismo pela Universidade Anhembi Morumbi. Quando criança,sonhava em ser jogador de futebol,mas a vida me planejou outros rumos. Desde então, decidi juntar duas paixões: a paixão por escrever e a paixão pela pelota, e seguir nessa jornada,sempre disposto a trazer a informação de forma correta e apurada ao público. Além de futebol, escrevo e sou comentarista sobre basquete na Rádio Poliesportiva. Instagram: @caiqueribero, Twitter: @CRSousa5

Artigos Relacionados