Na última quarta-feira(9), os colorados não tiveram uma noite feliz. Após ver o Internacional fazer a melhor partida no comando de Abel Braga, o placar favorável de 1 x 0 em plena Bombonera levou a decisão aos pênaltis. Eliminados novamente nas penalidades máximas, Patrick e Peglow protagonizaram momentos distintos na partida.

O belo confronto feito pelo time visitante surpreendeu os argentinos, que foram sufocados no primeiro tempo. Bola no travessão e defesas difíceis de seu goleiro mantinham o Boca Juniors em risco iminente. Contudo, foi apenas no segundo tempo que o placar foi aberto. O gol contra de Fabra colocava a equipe colorada mais perto do seu objetivo: avançar na Copa Libertadores.

Com a soma dos placares agregados empatada, tudo indicava que haveria penalidades em Buenos Aires. Dessa maneira, Rodinei, Edenílson, Rodrigo Lindoso, Yuri Alberto e Leandro Fernández foram os escolhidos para as cobranças do time colorado. Destes, o terceiro da lista não converteu. Entretanto, no lado boquence, foram sabatinados a conversão dos pênaltis Tévez, Cardona, Salvio, Fabra e Izquierdoz. E o segundo parou nas mãos do goleiro Marcelo Lomba.

Igualmente continuou o placar nas penalidades. O placar no 4 x 4 levava o jogo para as cobranças alternadas. Assim, o argentino Leonardo Jara foi o escolhido, e converteu. No lado do Internacional, o garoto Peglow tentou igualar, mas chutou para fora. E desabou chorando copiosamente. Inter eliminado.

Patrick elogia o time mesmo após eliminação

Tendo ganho o prêmio de melhor jogador da partida, Patrick demonstrou orgulho ao ser eliminado em pé. “Prefiro perder como jogamos do que sem fazer nada”, ressaltou o meio campista. Foram ao todo 48 toques na bola e três passes chaves criando chances claras de gol. O jogador ainda destacou que o time deve agora focar no Brasileirão em busca do título.

Colorados apoiam Peglow nas redes sociais

Sobretudo, a torcida colorada apoiou nas redes sociais o menino de 18 anos, mesmo após o erro nas penalidades. João Peglow sabe que tem um futuro brilhante pela frente. Acima de tudo, temos que entender a pressão de pegar a bola e ir em direção ao gol na Bombonera. No entanto, isso mostra a coragem de assumir uma responsabilidade mesmo tão novo.

Errar faz parte do futebol. E esse é um risco que todos os jogadores correm. Mas tenho certeza que a indignação e o descontentamento serviram aos torcedores. De tal forma que se sentiram representados por um jogador colorado em campo.

Foto destaque: Reprodução/Staff Images/Conmebol

Avatar
Andrei Severo
Sou um jornalista em formação e estudo na Universidade Luterana do Brasil. Sempre tive facilidade em me comunicar com as pessoas e minha maior paixão é o futebol. Logo cedo, percebi que quando meus cromossomos se uniram, não me abençoaram muito com o dom da bola nos pés. Foi então, unindo o útil ao agradável, que logo cedo descobri que gostaria de viver do jornalismo esportivo e trabalhando com o mundo da bola. Hoje, participo de um podcast chamado “Na Resenha” e tento equilibrar a informação com uma pitada de corneta e bom humor. Afinal, é isso que faz o futebol ser o esporte mais apaixonante do mundo. Eu sou Andrei Severo, e é um prazer que você esteja acompanhando o que escrevo.

Artigos Relacionados