Passaporte Rússia – Toque de bola e objetividade encantadora

- Conheça o retrospecto da Espanha em Copas do Mundo

Passaporte Rússia é mais uma coluna do Futebol na Veia que apresentará curiosidades de todas as seleções que participarão da Copa do Mundo deste ano. Este é o primeiro de sete textos sobre a Seleção Espanhola desta edição. Confira como é a história da Fúria.

Campeã mundial em 2010 e tricampeã europeia (1964, 2008 e 2012), a Espanha volta com uma seleção forte depois de ser eliminada na primeira fase da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. O futebol que encantou o mundo com toque de bola e objetividade, chegou ao topo da Europa e do Mundo com praticamente o mesmo time em um espaço de 6 anos.

Se hoje a Fúria, como é conhecida no mundo do futebol, é uma das equipes mais temidas e candidatas ao título na Rússia, a história das copas mostra que nem sempre foi assim. Mesmo aparecido cedo no mundo do futebol com a prata olímpica em 1920, a seleção demorou a engrenar em mundiais. Fez sua estreia na Copa de 1934 disputada na Itália e caiu nas quartas de final, e no Brasil em 1950 conseguiu um 4º lugar, que seria até a conquista do título na Copa da África do Sul em 2010, sua melhor colocação em copas.

Passaporte Rússia – A historia da Seleção Espanhola em Copas do Mundo

1934

Em sua primeira Copa do Mundo, a seleção espanhola foi eliminada nas quartas de final pela Itália que seria campeã naquele ano jogando em casa. A Espanha venceu o Brasil na primeira rodada por 3 a 1, todos os gols espanhóis marcados no primeiro tempo do jogo. Nas quartas tiveram pela frente a Itália e no primeiro confronto o empate em 1 a 1 forçou pela primeira vez na história dos mundiais, o uso do jogo desempate. Nesse a Itália levou a melhor e venceu por 1 a 0 contra uma Espanha sem o goleiro Zamora lesionado na primeira partida e que perdeu mais três jogadores devido ao duro jogo italiano. Mesmo com a eliminação, o goleiro Zamora e o zagueiro Jacinto Quincoces estão na seleção dos melhores da Copa.

Foto: Efeito Fúria

1950

Impedida de disputar o mundial em 1938 devido a guerra civil espanhola, voltou em 1950 e foi sorteada no Grupo B da primeira Copa realizada no Brasil. O conjunto espanhol venceu seus três jogos: 3 x 1 contra os EUA, 2 x 0 contra o Chile e 1 x 0 contra a Inglaterra e passou em 1º lugar para a fase seguinte onde os finalistas sairiam depois de um quadrangular. Nessa fase os espanhóis empataram com o Uruguai por 2 a 2, no Pacambú dois gols de Basora. Depois foram goleados pelo Brasil no Maracanã por 6 x 1, no último jogo novamente no Pacaembu, nova derrota, dessa para a Suécia por 3 x 1 e terminaram na lanterna do quadrangular final.

Foto: Pinterest

1962

Novamente disputada na América do Sul, dessa vez no Chile, a Espanha não teve bons resultados e caiu logo na primeira fase. Alocada no Grupo 3, perdeu para Tchecoslováquia (1 x 0), venceu na segunda rodada o México por 1 x 0, mas na última partida o Brasil venceu por 2 a 1 e eliminou o time espanhol da Copa.

Foto: Efeito Fúria

1966

Na Copa da Inglaterra a Fúria caiu em um grupo que hoje seria impossível de ser formado e de força brutal em mundiais. Alemanha Ocidental, Argentina e Suíça foram os adversários no Grupo 2 naquele ano e depois de perder para os argentinos por 2 x 1 e vencer pelo mesmo placar a Suíça, acabaram eliminados pela Alemanha também perdendo por 2 x 1. Terminaram na terceira colocação do grupo.

1978

Depois de 12 anos fora das copas, a seleção da Espanha volta para disputar o mundial, mais uma vez na América do Sul e mais uma vez ficou na primeira fase. No Grupo 3, formado por Áustria, Brasil e Suécia, além dos espanhóis, foi demais apara a Fúria que conseguiu apenas uma vitória e um empate ficando atrás de Áustria e Brasil deram adeus a copa com 3 pontos. Derrota para Áustria na estreia (2 x 1), empate contra o Brasil (0 x 0) e vitória contra a Suécia (1 x 0).

Foto: Efeito Fúria

1982

Na única vez em que sediou o mundial, se classificou na fase de grupos em segundo lugar, atrás da Irlanda do Norte. O time anfitrião teve susto logo na estreia contra Honduras e não passou de um empate em 1 x 1. No segundo jogo venceu a Iugoslávia por placar apertado, 2 x 1 depois de sair perdendo. No último jogo da fase de grupos perdeu para a Irlanda do Norte por 1 x 0 e avançou.  Na fase seguinte, também dividida em grupos, acabou eliminada depois de perder para a Alemanha Ocidental (que seria vice-campeã), por 2 x 1 e empatar em 0 x 0 com a Inglaterra.

Foto: Efeito Fúria

1986

Velhos conhecidos pelo caminho espanhol e nova derrota na estreia. No Grupo D, logo no primeiro jogo o Brasil venceu por 1 x 0, na segunda rodada de novo a Irlanda do Norte e dessa vez vitória da Espanha, 2 x 1. Encerrando a fase de grupos vitória tranquila sobre a Argélia por 3 x 0 e vaga para a próxima fase pela primeira vez desde 1950. Nas oitavas contra a Dinamarca, uma goleada de 5 x 1 que colocou a Fúria com autoridade nas quartas. Pela frente a Bélgica que havia se classificado depois de uma prorrogação contra a União Soviética, empate em 1 x 1 no tempo normal e 0 x 0 no tempo extra levaram a partida para os pênaltis, neles 5 x 4 para os belgas e a Espanha volta pra casa depois de reencontrar bons resultados em mundiais.

Foto: Efeito Fúria

1990

No Grupo E, a Fúria estreou contra o Uruguai em empate por 0 a 0 e com vitórias sobre Coréia do Sul (3 x 1) e Bélgica (2 x 1) avançou e primeiro no grupo. Porém a copa acabaria já nas oitavas de final para o time espanhol, depois de jogo duro, a Fúria foi eliminada pela Iugoslávia na prorrogação, placar de 2 x 1.

Foto: Efeito Fúria

1994

Na primeira Copa do Mundo disputada na América do Norte, no calor dos EUA, a Espanha estreou no Grupo C empatando com os sul-coreanos em 2 x 2, na segunda rodada novo empate, dessa vez contra a Alemanha por 1 x 1 e garantiu o segundo lugar do grupo e a classificação para as oitavas contra a Bolívia, vencendo por 3 x 1 os sul americanos. Pelas oitavas eliminaram os suíços vencendo por 3 x 0 e novamente caíram na fase de quartas de final, placar apertado de 2 x 1 contra a Itália que seria vice-campeã naquele ano.

Foto: Efeito Fúria

1998

Caminho curto até a França, vizinhos no mapa os espanhóis fizeram apenas três jogos antes de voltar para casa. No Grupo C com Nigéria, Paraguai e Bulgária, a Espanha perdeu o primeiro jogo por 3 x 2 contra a seleção africana, no jogo contra o Paraguai não saiu do 0 x 0. Na última rodada da fase de grupos a goleada sobre a Bulgária por 6 x 1 serviu apenas para se despedirem em grande estilo do mundial.

Foto: Erojkit

2002

Apesar de nunca chegar nas fases finais, a seleção espanhola sempre montou bons times, um dos mais destacados foi o de 2002, eliminada nos pênaltis nas quartas de final pela Coréia do Sul (umas das sedes naquele ano), em uma partida até hoje lembrada pelos erros da arbitragem que anulou 2 gols legais do time espanhol. Depois da decepção de 2002 e com um time já envelhecido com nomes como: Raúl, Hierro, Michel Salgado e Fernando Morientes, Vicente Del Bosque foi o homem escolhido para renovar a Fúria.

Foto: Erojkit

2006

Nascia a era de ouro do futebol espanhol, Casillas, Sérgio Ramos, Puyol, Xavi, Xabi Alonso, Iniesta, Fernando Torres, David Villa, entre outros, chegavam para dar encantar o mundo com o famoso “tic-taca”. Assim ficou conhecido o futebol objetivo e envolvente. Em sua primeira Copa do Mundo, na Alemanha, a jovem seleção não fez feio e passou em primeiro lugar no Grupo H que tinha Ucrânia, Tunísia e Arábia Saudita, a Espanha venceu os três jogos e avançou as oitavas sendo eliminada pela França (vice-campeã), placar de 3 a 1 para o time de Zinedine Zidane.

Foto: Folha Uol

2010

Após reinar na Euro 2008, a Fúria desembarca na África do Sul como favorita ao título mundial. E não decepcionou. Apesar da derrota na estreia contra a Suíça por 1 a 0, os espanhóis se classificaram em primeiro no Grupo H depois de vencer o Chile e Honduras. Das oitavas até a final, a Espanha fez o suficiente e venceu todos jogos (inclusive a final), por 1 a 0. Passando por Portugal nas oitavas, Paraguai nas quartas e Alemanha na semi, reeditando a final de dois anos antes na Euro 2008. Pela primeira vez na história o time espanhol estava na final de uma Copa, e contra a Holanda fez um jogo emocionante, só vencido na prorrogação com gol de Andrés Iniesta ha 4 minutos do fim do tempo extra.

Foto: Imortais do Futebol

2014

Novamente campeã da Europa em 2012 goleando a Itália na final, a Espanha chegou ao Brasil novamente favorita ao título mundial. Mas a exemplo da França de 2002, foi eliminada na fase de grupos. Goleada pela Holanda na estreia por 5 a 1, perdeu para o Chile por 2 a 0 e já eliminada saiu da copa vencendo a Austrália por 3 a 0. Pouco para uma seleção considerada por muitos como imbatível.

Foto: site do buim

Vinicius Martins

Sobre Vinicius Martins

Vinicius Martins já escreveu 5 posts nesse site..

Vinícius Silva Martins, 26 anos, estudante de Jornalismo da PUC GO. Nascido em Goiânia no dia 18 de outubro de 1991, desde muito cedo sou um apaixonado por futebol, e essa paixão aliada ao gosto e vontade de sempre escrever e falar de futebol me levou a escolher o jornalismo como caminho profissional, isso pra mim é como estar dentro de campo, e cada texto é chance fazer um gol.

BetWarrior


Poliesportiva


Vinicius Martins
Vinicius Martins
Vinícius Silva Martins, 26 anos, estudante de Jornalismo da PUC GO. Nascido em Goiânia no dia 18 de outubro de 1991, desde muito cedo sou um apaixonado por futebol, e essa paixão aliada ao gosto e vontade de sempre escrever e falar de futebol me levou a escolher o jornalismo como caminho profissional, isso pra mim é como estar dentro de campo, e cada texto é chance fazer um gol.

    Artigos Relacionados

    Topo