Saiu do Paraguai e se tornou um grande jogador no Rio de Janeiro. Ainda tem passagens por clubes de Salvador, Florianópolis e até da Holanda! Contudo, foi no Botafogo que se encontrou. Estamos falando, claro, de Gatito Fernández, que completa hoje 33 anos. E a coluna Parabéns ao Craque faz uma homenagem ao jogador paraguaio.

Início de tudo

Antes de mais nada, Roberto Júnior Fernández Torres nasceu no dia 29 de março de 1988, em Assunção, no Paraguai. Desde criança, sempre chamou-se de “Gatito“, ja que seu pai é Roberto Fernández, o “Gato. Então, por causa disso também, Gatito Fernández sempre foi atraído a ser goleiro, e foi para isso que o pequeno Roberto  sempre treinou.

Início da carreira

Gatito iniciou sua carreira futebolística pelo Cerro Porteño, clube de grande identificação de seu pai. Teve bastante destaque nas categorias de base, e logo subiu para o time principal do clube paraguaio. Em sua primeira passagem, fez 22 jogos e conquistou por três vezes o Campeonato Paraguaio (2007, 2008 e 2009)

Contudo, Gatito Fernández acabou por ser emprestado ao Estudiantes, da Argentina. Chegou logo após a conquista da Libertadores por parte do clube argentino e levantou o troféu do vice-campeonato do Mundial de Clubes de 2009. Não chegou a fazer nenhum jogo oficial pelo clube.

Fase complicada

A carreira de Gatito não estava nas suas melhores fases, e, por consequência, o Estudiantes acabou por cancelar o empréstimo do goleiro paraguaio. Todavia, Fernández se manteve na Argentina, pois, logo após a rescisão de seu empréstimo, foi contratado, também por empréstimo, pelo Racing Club. Entretanto, também não agradou no clube de Avellaneda, fazendo apenas 15 jogos em um ano de Racing.

Após a passagem pela Argentina, Gatito fez as malas e foi novamente emprestado, todavia, dessa vez foi para a Holanda, defender o Football Club Utrecht. Então, para o goleiro, era a chance de se provar fora do continente americano, na Europa. Porém, também não aproveitou a oportunidade, fazendo apenas 13 jogos em um ano de Utrecht.

Volta ao Cerro Porteño

Em 2012, após um longo tempo fora do Cerro Porteño, Gatito Fernández voltou ao Paraguai para defender o Ciclón. Entrou em uma disputa pela titularidade com Diego Barreto e acabou por vencer esta briga. Então, se tornou o goleiro titular do Cerro Porteño. Foi um dos principais responsáveis pelo título do Campeonato Paraguaio daquele ano. E no ano seguinte, levou o time até as oitavas de final da Libertadores, onde acabou eliminado pelo Cruzeiro. Em suma, foram 65 jogos.

Chegada de Gatito ao Brasil

Em 2014, Gatito Fernández deixou o Cerro Porteño em definitivo e finalmente chegou ao Brasil. Contudo, o destino foi o Vitória, da Bahia. A princípio, o Leão contava com Gatito para substituir Wilson caso necessário. Então, ganhou sua chance após o titular da posição se lesionar na reta final do Brasileirão daquele ano. E fez o possível para que o Vitória não caísse para a segunda divisão, contudo não foi o suficiente, e o Leão acabou caindo. Todavia, em 2015, foi o grande responsável pela excelente campanha do time na Série B, assim, garantindo o acesso do Vitória para a primeira divisão e ainda ser premiado como melhor goleiro da competição.

Logo no início de 2016, o Figueirense procurava um substituto para Alex Muralha, que havia ido para o Flamengo. Com isso, a opção do clube de Santa Catarina foi pelo paraguaio. Em seus primeiros meses de Figueirense, Gatito Fernández não rendeu o esperado e acabou por ir para o banco de reservas. Contudo, recuperou sua titularidade, voltando a fazer excelentes atuações.

Chamadas à seleção

E seu esforço no Figueirense com certeza não foi em vão. Em outubro de 2016, Gatito foi convocado para a seleção paraguaia para as Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. Contudo, não chegou a ser titular nos dois jogos que disputou o Paraguai, mas ali marcava o início de uma caminhada na seleção de seu país, assim como fez seu pai.

Gatito + Botafogo = sucesso

Assim que voltou da seleção, o Figueira estava em uma situação quase que irreversível em relação a rebaixamento. E ele, fatalmente, acabou por acontecer. Então, com o corte de verbas devido ao rebaixamento, o clube resolveu não renovar com Gatito, que deixou o clube.

Entretanto, o Botafogo procurava por um goleiro, já que via seu maior ídolo, Jefferson, com uma grave lesão. E Gatito, então, foi contratado a custo zero. Certamente, o melhor investimento que fez o Glorioso em muito tempo. E Gatito foi um dos principais nomes daquele ano mágico para o Botafogo. Tudo começou quando Fernández estava no banco em uma partida contra o Olimpia pela segunda fase da Pré-Libertadores. O goleiro titular daquela noite, Helton Leite, saiu machucado aos 17 minutos do segundo tempo, quando o jogo estava 1 x 1. O goleiro paraguaio entrou e fez defesas milagrosas para levar o jogo para os pênaltis. E nas cobranças, Gatito pegou três pênaltis e classificou o Fogão para a terceira fase.

Naquele mesmo ano, o Botafogo chegou muito longe na Copa do Brasil, mais precisamente nas semifinais da competição. E Gatito terminou como o melhor goleiro da competição em 2017. Teve um desempenho surpreendente também na Libertadores, na qual foi da segunda fase da competição, até as quartas de final. Inclusive, passando na fase de grupos em 1º colocado, superando até mesmo o então campeão da Libertadores, Atlético Nacional. Já no Brasileirão daquele ano, o Botafogo terminou em 10º lugar, sendo que Gatito acabou como o melhor goleiro estrangeiro do campeonato.

2018

Em 2018, continuou fazendo defesas milagrosas pelo Glorioso, e pegou uma bola decisiva contra o Vasco, que garantiu o título do Campeonato Carioca daquele ano. Contudo, uma grave lesão deixou Fernández de fora por seis meses, mas quando voltou fez mais defesas milagrosas e foi fundamental para garantir seu time na Série A para o próximo ano.

Copa América

Em 2019, já era considerado o principal jogador do elenco botafoguense e sempre era presença certa na seleção do Paraguai. Então, o auge de Gatito naquele ano foi defendendo as cores de seu país na Copa América daquele ano, realizada no Brasil. Gatito foi eleito o homem do jogo em todos os quatro jogos que disputou, fazendo defesas incríveis em todos eles. Contudo, acabou eliminado pela seleção anfitriã do torneio, nos pênaltis.

2020 difícil para Gatito Fernández

2020 foi um ano complicado para todo mundo, com a chegada da pandemia de Covid-19. Todavia, para Gatito, foi um ano complicado para sua carreira também. Tudo corria bem até o jogo contra o Vasco pela Copa do Brasil, onde o goleiro paraguaio se lesionou. A princípio, foi recomendado que ele parasse de 12 a 15 dias. Todavia, o goleiro alvinegro acabou indo servir a seleção paraguaia e entrou em campo no dia oito de outubro pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. Contudo, Gatito voltou a sentir o mesmo joelho ainda no aquecimento. No intervalo, o atleta revelou que recebeu injeções para controle da dor, que estava grande.

Assim, voltou ao Botafogo mais lesionado do que antes. Constataram que o goleiro teria que fazer uma cirurgia no joelho, ficando assim, meses fora. E viu da arquibancada o seu clube fazer uma das piores campanhas de sua história, terminando rebaixado para a Série B, já em 2021.

O que o futuro reserva para Gatito?

Ainda lesionado, Gatito Fernández trabalha para voltar a meta titular do Glorioso ainda durante o Campeonato Carioca de 2021, o que já parece improvável, mas não impossível. O goleiro ainda revelou o desejo de ficar no clube em que se tornou ídolo para a disputa da Segunda Divisão, apesar de ter um dos salários mais altos do elenco. Em suma, Gatito Fernández já se provou um excelente goleiro, que atende as expectativas de seus clubes e ainda pode entregar muito mais. Então, o Futebol na Veia deseja um feliz aniversário ao goleiro e, principalmente, uma pronta recuperação de sua lesão. E que venham muito mais defesas impossíveis!

Foto Destaque: Divulgação/Botafogo

Avatar
João Victor Freire
Eu escolhi o jornalismo pois é o que eu sei fazer desde criança. Trabalhar com jornalismo esportivo é um sonho que se realiza a partir de agora.

Deixe uma resposta