Se fosse para definir o universo de Diego Ribas em uma palavra, seria bola. O meia sempre respirou futebol desde criança, em Ribeirão Preto. Sendo assim, dormia abraçado ao objeto na infância. Além disso, decorava seu quarto com chuteiras e camisas de time que pertenciam ao seu pai. Desde que se entende por gente, sonhava em ser jogador de futebol. Além da paixão pelo esporte, o atleta possui um espírito de liderança e vontade de vencer, incomparáveis. Em suma, a Coluna Parabéns ao Craque vem homenagear o capitão da Nação Rubro Negra por mais um ano de vida.

PAIXÃO DESDE CRIANÇA

Diego Ribas da Cunha nasceu em 28 de fevereiro de 1985 na cidade de Ribeirão Preto. No entanto, desde cedo, mostrou que tinha talento para o futebol. Amava e se encantava com o esporte. Tanto que tinha um apreço indescritível com a bola.

Diego Ribas dormindo com a bola
(Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

Dessa forma, aos seis anos, começou a treinar no infantil do Comercial, clube de sua cidade. Sendo destaque em diversos campeonatos municipais e regionais que disputou. Contudo, o bom desempenho do menino, chamou a atenção do Paulistinha de São Carlos. No qual convidou o garoto, então com nove anos, para participar de torneios na Argentina e no Chile.

Dois anos após a primeira experiência internacional, Diego deu um passo definitivo para seguir carreira no futebol, passando a integrar os juniores do Santos Futebol Clube. Antes de chegar à Baixada Santista, ele teve a oportunidade de jogar no São Paulo FC, mas não se adaptou ao clube. Segundo suas palavras, não se deu bem com a cidade, com as instalações e com os próprios garotos, permanecendo apenas dois dias na capital paulista.

SANTOS

No início de 2002, com apenas 16 anos, Diego foi incorporado ao elenco profissional do Santos pelo técnico Celso Roth, permanecendo no time principal mesmo após a saída do treinador, quando a equipe passou a ser comandada por Émerson Leão.

Entre os jovens promissores, os de maior destaque eram o meia de Ribeirão Preto e seu parceiro, Robinho. Juntos, lideraram o Santos rumo a conquista do Campeonato Brasileiro daquela temporada, após uma primeira fase ruim, incluindo a polêmica do jogo contra o São Paulo.

Diego Ribas e Robinho
(Foto: Reprodução/Santos)

Entretanto, comemorou um dos gols da derrota por 3 x 2 pisando no escudo do time mandante, tirando o clube do jejum de 17 anos sem títulos importantes. De quebra, Diego tornou-se o campeão nacional mais novo da história, sendo também o vice artilheiro da equipe com 10 gols e eleito para a seleção do campeonato.

No entanto, no ano seguinte, o camisa 10 santista teria novos desafios e passaria a sofrer maior cobrança. Jogando a Taça Libertadores da América, Diego guiou a equipe da Vila Belmiro até a final ao anotar quatro gols em 14 jogos. Além de distribuir inúmeras assistências, que lhe renderam o prêmio de jogador mais criativo da competição.

Contudo, os problemas enfrentados no São Paulo não se repetiram no Santos, onde mesmo longe da família, que permaneceu em Ribeirão Preto, Diego conseguiu se estabelecer e trilhar seu caminho até o time profissional, colecionando títulos, gols e convocações para as seleções de base do Brasil. O sucesso precoce com uma das camisas mais tradicionais do futebol, a 10 de Pelé, transformou o meia numa grande esperança santista, cercado de expectativas sobre seu futuro.

CHEGADA AO FC PORTO

Em agosto de 2004, Diego desembarcou no FC Porto para ocupar a vaga deixada pelo luso-brasileiro Deco, ídolo portista que havia se transferido para o Barcelona. No entanto, recebido como a grande contratação da temporada, assumiu de imediato o posto de titular no então campeão nacional e europeu, com a missão de ser o novo maestro do time.

Nesse sentido, em um de seus primeiros jogos com a nova camisa, o Porto venceu o arquirrival Benfica e levantou a Super taça de Portugal. Era o primeiro título que o jogador conquistaria no clube. O mais importante deles veio ainda em 2004, quando a equipe portuguesa bateu os colombianos do Once Caldas na final da Copa Europeia/Sul-Americana. Torneio no qual antecedeu o Mundial de Clubes e reunia o campeão europeu e o campeão sul-americano de cada ano.

FC Porto
(Foto: Reprodução/FC Porto)

Por conta de suas boas atuações no Campeonato Português e na Liga dos Campeões da UEFA, Diego foi agraciado pelos torcedores do Porto com o “Troféu Dragão”, dado ao destaque da temporada. Contudo, em seu segundo ano no clube, o meia ajudou o time a conquistar a Liga Portuguesa e a Taça de Portugal da temporada 2005/2006. Neste mesmo ano, Diego recebeu homenagem do Santos, que batizou com seu nome o Campo 2 do CT Meninos da Vila, destinado às categorias de base do alvi-negro.

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Diego é um jogador altamente preparado e sábio. Além dos clubes citados acima, Diego teve passagens pelo Werder Bremen, Juventus, Wolfsburg, Atlético de Madrid, Fernerbahçe e atuou também pela Seleção Brasileira. No qual garantiu bastante experiência para se tornar um craque do futebol. Assim como sonhava quando era criança.

Clubes que Diego já passou
(Foto: Reprodução/Blog Diego10)

DIEGO RIBAS: A RAÇA RUBRO-NEGRA

Após 12 anos na Europa, Diego retornou ao Brasil e assinou com o Flamengo. No entanto, dois dias após o anúncio do acordo com o atleta, as ações realizadas nas redes sociais do clube, envolvendo sua contratação alcançaram mais de 5 milhões de pessoas. Passando, portanto, a ser o recorde de visualizações dos canais do clube na internet. Para se ter uma ideia, só uma foto do jogador teve quase 100 mil acessos. Durante todo o dia do anúncio de sua contratação, Diego ficou nos “trend topics” do Twitter.

Acostumado a vestir a camisa 10, Diego não pôde vesti-la no Flamengo, já que o clube usa numeração fixa e a camisa 10 já pertencia a Ederson. Assim, Diego optou pelo número 35, em referência às idades dos filhos Matteo e Davi, respectivamente com 3 e 5 anos à época que ele chegou ao clube. Na Copa Sul-Americana, como Ederson estava lesionado e não foi inscrito para a competição, Diego usou a camisa 10.

Após semanas se recondicionando fisicamente, estreou pelo Flamengo em partida contra o Grêmio, marcando um dos gols na vitória por 2 x 1. No jogo seguinte, contra a Chapecoense, na Arena Condá, voltou a balançar as redes, na vitória por 3 x 1.

Logo em seus três primeiros jogos com a camisa rubro-negra, Diego já mostrou que o investimento que o clube fez em seu futebol valeu a pena. Pois sempre atuou chamando o jogo e virando o “dono da bola” no time rubro-negro. Contudo, o meia foi um dos destaques do Flamengo no segundo semestre de 2016. E acabou conquistando o prêmio de melhor meia direita do Campeonato Brasileiro, no fim da temporada.

CONQUISTAS DE DIEGO RIBAS NO MAIS QUERIDO

Nem todos os momentos de Diego no Flamengo foram de glórias. Houveram fases complicadas com a torcida, lesões, afastamento dos gramados. Mas o atleta jamais deixou de acreditar. Sua vontade de vencer e fé inabalável transformaram o jogador no craque que é hoje.

Querido pela Nação, Diego Ribas conquistou a Copa Libertadores da América (2019), Recopa Sul-Americana (2020), Campeonato Brasileiro (2019 e 2020), Supercopa do Brasil (2020), Campeonato Carioca (2017, 2019, 2020), Taça Guanabara (2018 e 2020) e Taça Rio (2019).

PARABÉNS AO CRAQUE

O craque recebeu algumas homenagens nas redes sociais. Confira:

Em suma, Diego é referência fora e dentro de campo. Sendo assim, para o craque, sua família é sua maior conquista. Portanto, são eles sua fonte de motivação e força para enfrentar os desafios na carreira. Apesar de tudo que já viveu e conquistou, é o carinho que recebe dos fãs que o mantém seguindo adiante. Seu plano é continuar conquistando títulos, e assim marcar de forma definitiva seu nome na história do Flamengo. Parabéns, craque! Que você continue realizando os sonhos de menino.

Foto Destaque: Divulgação/Instagram/Diego Ribas

Thamirys Abreu Vieira
Thamirys Abreu Vieira
Sou carioca, graduada em Jornalismo pela Universidade Salgado de Oliveira (Universo). Pretendo me especializar na área esportiva e vivenciar a cada dia a magia do futebol. Exigente e de temperamento forte, mas sempre disposta a aprender. Apaixonada pela leitura e o mundo futebolístico.

Deixe uma resposta