o Paolo Maldini

Nesta sexta-feira (25), a coluna Parabéns ao Craque comemora o aniversário de um melhores defensores da história do futebol mundial. O ex-zagueiro Paolo Maldini completa 52 anos. Nascido em Milão, o jogador fez toda sua carreira no AC Milan. Tanto a história da agremiação como a da família do jogador se confundem, após tantas gerações. Seu pai, Cesare Maldini, o próprio Paolo e agora seus filhos, todos vestiram ou vestem a camisa dos Rossoneri. Il Capitano jogava com uma classe como quase nenhum outro no mundo conseguia ou consegue.

INICIO DA CARREIRA

Aos 10 anos, Paolo Maldini já desfilava seu belo futebol nas categorias de base do Rubro-Negro. O zagueiro já mostrava muita habilidade e raça. Foram poucos anos na base do clube que rendeu o título da Coppa Itália Primareva. No ano de 1985, o jovem teve sua primeira oportunidade na equipe principal. O então técnico do time, Nils Liedholm, chamou o garoto para o banco de reservas. No decorrer da parida, o zagueiro Sergio Battisini se contundiu e deu lugar a Maldini. E o treinador foi só elogios ao jogador: Paolo tem um grande futuro.”

Todo seu talento foi recompensado, pois na temporada seguinte, aos 17 anos, o zagueiro já era titular absoluto da equipe. Paolo mostrava tanta habilidade e versatilidade que atuava em todas as funções no setor defensivo. Naquela época o jogador já vestia a camisa 3, a mesma que seu pai usava. Sua técnica era apurada e já rendia convocações para seleção sub-21 da Itália, onde assumiu a capitania e liderança da equipe. Ademais, na temporada 1986/87, Maldini marcou seu primeiro gol, em um jogo contra o Como.

EQUIPE PRINCIPAL E SELEÇÃO

Já atuando no lado esquerdo da defesa, desfilando toda sua habilidade, não havia como o jogador voltar ao time juvenil. O então técnico da equipe, Arrigo Sacchi, já o tinha na equipe titular, ao lado de Tossati, Baresi e Costacurta. Aquela temporada foi perfeita, e o Maldini levantava seu primeiro Scudetto. A temporada foi tão perfeita, que o time do Milan terminou sofrendo apenas 14 gols.

Ainda no ano de 1988, o jovem se destacou tanto que teve sua primeira convocação para seleção principal. Neste ano o jogador esteve no grupo que disputou e chegou as semifinais da Eurocopa. Grande adversário da época, Roberto Baggio, em 2017, definiu Maldini dessa forma:

“Paolo Maldini. Quando o encontrava na sua frente sabia que não passaria. Ele era grande. Ele era forte com a cabeça, com o pé direito, com o pé esquerdo… Você precisava reunir 15 jogadores para um como ele”.

View this post on Instagram

Tanti auguri campione !!#robertobaggio

A post shared by Paolo Maldini (@paolomaldini) on

Na temporada 1988/89 o zagueiro conquistava seu primeiro título continental, quando ganhou a Liga dos Campões. Logo no ano seguinte já conquistava o bicampeonato. A sua enorme habilidade e facilidade de jogar fez com que, em 19 de fevereiro de 1989, o jogador participasse da 100ª partida na Serie A, com apenas 21 anos. No ano de 1990, Paolo Maldini defendeu a seleção na Copa do Mundo. Ajudou a equipe a chegar na 3ª colocação da competição.

NOVO TREINADOR

Na temporada 1991/1992, o Milan anunciava a chegada de Fabio Capello como novo treinador. Obviamente a mudança de técnico não mexeu com a titularidade do zagueiro. A liderança e o belíssimo futebol ajudaram o time a conquistar o Scuderro. Ademais, algumas marcas pessoais marcaram o jogador, principalmente o mês de outubro. Logo no dia 4, o jogador completava seu 200º jogo pela Serie A. Na sequência no dia 21, o defensor marcava seu primeiro gol por competições continentais.

Foto: Reprodução/Twitter

Ademais, na temporada seguinte, mais uma vez Maldini ajudava o clube a levantar a Serie A. Era o terceiro título nacional consecutivo. Além disso, o time venceu a Champions League, vencendo o Barcelona, de Johan Cruyff. Paolo Maldini fez uma das partidas mais memoráveis, onde jogou como zagueiro e parou um ataque formado por Romário e Stoichkov.

Após a conquista da sua terceira Liga dos Campeões, o defensor foi convocado para Copa do Mundo de 1994. O atleta jogou foi escolhido como vice capitão da seleção e atual em todos os jogos. Mostrando toda sua liderança, comandou a defesa italiana. No final do ano Maldini foi eleito melhor jogador do ano pela revista World Soccer e ficou em 3º na eleição da FIFA.

UM RESPIRO

Após o tricampeonato Italiano e o título da Champions, o clube ficou um tempo sem erguer uma taça. Na temporada de 1995/96, o Milan voltava a conquistar o título. Após, Arrigo Sacchi voltou a treinar a equipe, contudo os tempos foram ruins para o Milan. Apesar de tempos sem títulos, na temporada 1996/97, Maldini, devido a sua liderança e garra, foi coroado como novo capitão do clube.

No ano de 1990, Alberto Zaccheroni assumiu o comando da equipe. Contando com todo o talento e habilidade de Maldini, o defensor levantava sua primeira taça como capitão do clube. Ademais, no ano 1998, a Itália tinha se classificado para a Copa do Mundo na França. A seleção era comandada por Cesare Maldini. Paolo foi treinado pela primeira vez por seu pai e ainda foi capitão em um mundial. Adversário do campeonato italiano, principalmente no Derby della Madonnina, Ronaldo também é só elogios ao jogador:

“Sempre achei muito difícil enfrentar o Paolo Maldini. Ele foi o melhor zagueiro que eu enfrentei ao longo da minha carreira. Ele definitivamente mereceu ganhar o prêmio Jogador do Ano da FIFA várias vezes”.

ERA ANCELOTTI

Os anos 2000 marcaram uma virada na história do clube e de Maldini, principalmente com a chegada de Carlo Ancelotti e do novo companheiro de zaga, Nesta. Ambos fizeram uma dupla fantástica. Na temporada 2002/03 o Milan voltava a final da Liga dos Campeões para enfrentar os rivais da Juventus, contando muito com a frieza e as habilidades do capitão. Ademais, o jogo foi disputado na Inglaterra. Ao levantar a taça, repetiu o gesto de seu pai 40 anos atrás no mesmo país. Por fim, na temporada seguinte os Rossoneri conquistavam seu 17º título. Novamente a taça era erguida pelo líder Maldini, que no mesmo ano entrava para o Jubileu de Ouro da UEFA.

Rival durante muitos anos Ibrahimovic, afirmou ser um dos zagueiros completos que já enfrentou. “Maldini foi o melhor e mais difícil defensor que já enfrentei. Ele tinha tudo: era um zagueiro completo, forte, inteligente e um excelente marcador de jogadores”, disse. Logo na próxima temporada, o Milan chegava novamente a final da Champions. Porém, o final dessa vez não foi feliz, perdendo a final para o Liverpool. Contudo não demorou muito para o clube chegar em outra final. Na temporada 2006/07 aconteceu a revanche. Novamente estava lá Il Capitano para erguer mais uma taça.

ÚLTIMOS ANOS

No dia 16 de fevereiro de 2008, o talentoso zagueiro já ocupava mais o banco. Ao entrar no segundo tempo, Maldini completava o 1000º jogo na carreira. O habilidoso zagueiro já se via perto do fim. Assim, em 24 de maio de 2009, Maldini pisava no San Siro pela última vez. O resultado não foi como esperando, mas não havia como não se emocionar. Ademais, era o estádio que trouxe grandes alegrias e que ajudou a fazer essa brilhante carreira.

Companheiro de equipe nos últimos anos, Ronaldinho Gaúcho é outro que só faz elogios ao craque:

“Ele foi um dos melhores defensores da história da Liga dos Campeões, mas o que mais impressionou nele é que, quando estava com a bola, não parecia um zagueiro, mas um elegante jogador de meio campo.”

Por fim, não há como pensar em Maldini sem esquecer do Milan e vice-versa. Um completa a história do outro. Não há como falar de um sem falar do outro. A camisa 3 é algo inesquecível para todos os torcedores. Poucos tiveram a chance de ver um zagueiro de extrema habilidade e genialidade em campo.

Foto destaque: Reprodução/ESPN

Eddie Toschi
Edwaldo Toschi, bacharel em Direito e especialista em Jornalista esportivo através de cursos ministrados por jornalistas renomados como Alexandre Praetzel, Celso Unzelte, Mário Marra dentro outros. Sou um apaixonado por futebol. Apresentador do canal Sai Que é Sua no YouTube.

Artigos Relacionados