Nos Aflitos, Ponte Preta vence Náutico e assume a vice-liderança da Série B

- João Paulo e Dawhan marcaram e agravaram a crise em Rosa e Silva
Ponte Preta vence Náutico e segue à caça do líder Cuiabá (Foto: Reprodução / Marlon Costa / Pernambuco Press)

Nesta segunda-feira (12), Náutico e Ponte Preta entraram em campo em jogo válido pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. Assim, nos Aflitos, com um tempo para cada lado, a Macaca foi mais efetiva nas ações ofensivas e construiu a vitória por 2 x 0 na etapa final. Logo, João Paulo e Dawhan marcaram os gols do triunfo que colocou os Campineiros, provisoriamente, na vice-liderança da competição. Já os Alvirrubros se veem ameaçados pela zona de rebaixamento.

1º TEMPO

Apesar de jogar fora de casa, foi a Ponte Preta que tomou a iniciativa na partida. Logo aos 3′, Moisés fez grande jogada, livrou-se da marcação e chutou rasteiro, a boal passou perto do gol de Jefferson. Após, o Náutico passou a controlar e dominar o primeiro tempo do confronto. Assim, com as linhas de marcação alta, o Timbu deu trabalho para a Macaca sair de seu campo de defesa. Logo, uma tática que deu certo.

Pois, aos 24′, Kieza apareceu na ponta esquerda, clareou para a perna direita e chutou firme, rasteiro, mas Ivan defendeu sem dar rebote. Em seguida, Jean Carlos levantou do lado direito, Jorge Henrique disputou com Apodi, ganhou no alto, mas cabeceou ao lado do gol da Ponte Preta. Já na reta final, Jean Carlos levantou na área, a bola desviou na zaga e Erick teve chance claríssima, mas mandou por cima. Ainda na etapa inicial, o Timbu ficou reclamando de pênalti em William Simões, mas o árbitro nada marcou.

2º TEMPO

Na volta do intervalo, fechando os espaços e reorganizada dentro de campo, a Ponte Preta foi superior na etapa complementar. Assim, aos 6′, João Paulo completou cruzamento de Matheus Peixoto no segundo pau e abriu o placar para a Macaca. Em seguida, o Náutico respondeu com Hereda, que aproveitou sobra da defesa visitante, e bateu de primeira levando perigo.

Na sequência, Guilherme Pato ficou cara a cara com o goleiro do Náutico, mas demorou para finalizar e foi desarmado por Rafael Ribeiro. No entanto, o ímpeto visitante não diminuiu e, aos 22′, Dawhan completou cruzamento feito por Guilherme Lazaroni e ampliou para o time de Campinas. Após, o Timbu chegou a diminuir, mas a arbitragem viu impedimento de Dadá Belmonte no rebote cedido por Ivan. Já na reta final, a Macaca ainda teve chance de marcar o terceiro gol com Moisés, mas desperdiçou.

NÁUTICO x PONTE PRETA – E AGORA?

Dessa forma, com o resultado, a Ponte Preta sobe para a vice-liderança com 27 pontos. Já o Náutico segue na 15ª colocação com 15 pontos e fica pode entrar na zona de rebaixamento no complemento da rodada. Agora, na próxima rodada, o Timbu visita o Oeste, na terça-feira (20), às 19h15 (horário de Brasília). Enquanto que a Macaca recebe a Chapecoense, no mesmo dia, às 21h30 (horário de Brasília).

MELHORES MOMENTOS – NÁUTICO x PONTE PRETA

Foto Destaque: Reprodução / Marlon Costa / Pernambuco Press

Ricardo do Amaral

Sobre Ricardo do Amaral

Ricardo do Amaral já escreveu 717 posts nesse site..

"Alvíssaras! Sou Ricardo Accioly Filho, pernambucano de 27 anos, advogado e estudante de jornalismo pela Uninassau. Tenho como mote que “no futebol, nunca serão apenas 11 contra 11”; é arte, é espetáculo, humanismo, tem poder de mover multidões e permitir ascensões sociais. Como paixão nacional do brasileiro, o futebol me acompanha desde cedo, entretanto como nunca tive habilidade para praticá-lo, busquei associar duas vertentes de minha vida: o prazer pela leitura e o esporte bretão. Foi nesse diapasão que encontrei no jornalismo esportivo o elo de ligação que me leva a difundir e informar o que, nas palavras de Steven Spielberg, é o “mais belo espetáculo de imagens que já vi”."

BetWarrior


Poliesportiva


Ricardo do Amaral
Ricardo do Amaral
"Alvíssaras! Sou Ricardo Accioly Filho, pernambucano de 27 anos, advogado e estudante de jornalismo pela Uninassau. Tenho como mote que “no futebol, nunca serão apenas 11 contra 11”; é arte, é espetáculo, humanismo, tem poder de mover multidões e permitir ascensões sociais. Como paixão nacional do brasileiro, o futebol me acompanha desde cedo, entretanto como nunca tive habilidade para praticá-lo, busquei associar duas vertentes de minha vida: o prazer pela leitura e o esporte bretão. Foi nesse diapasão que encontrei no jornalismo esportivo o elo de ligação que me leva a difundir e informar o que, nas palavras de Steven Spielberg, é o “mais belo espetáculo de imagens que já vi”."

    Artigos Relacionados

    Topo