No sufoco! Real perde em casa, mas despacha Juv com gol de Cristiano Ronaldo

- Italianos fazem partida épica, mas Madrid marca aos 97', de pênalti, e elimina Juventus mesmo sendo derrotado

Ninguém poderia imaginar outra partida épica de UEFA Champions League após a virada histórica da Roma sobre o Barcelona. Mas Real Madrid e Juventus mostraram que show também sabem fazer. Talvez se inspirando na virada italiana de ontem, os Bianconeros vieram com tudo para cima dos Merengues e venceram por 3 x 1, fora de casa, no Santiago Bernabéu. Porém, o gol de Cristiano Ronaldo aos 97 minutos de partida tornava impossível uma prorrogação e inviável outro tento dos visitantes.

Já ganhou?

Parecia que estávamos assistindo o mesmo filme. Eram italianos contra espanhóis e vantagem de três gols para os espanhóis também. E, assim como o roteiro de ontem, os italianos deram uma aula de bom futebol e foram buscar a diferença. Os madridistas, assemelhando-se ao maior rival (Barcelona), também entrou na partida no espírito “já ganhou” e esqueceu de jogar bola. Outra semelhança com o jogo de terça-feira, é que a Juv ganhou o jogo na raça e na vontade.

1º Tempo

Mas, assim como diz a manchete, não deu para a Juventus. O time de Turim fez uma partida épica, para entrar na história do clube como uma das melhores e mais dolorosas vitórias do time em Champions League. Para quem nã acreditava que o Real Madrid perderia em sua própria casa, viu o enredo de comédia romântica virar drama, mas terminar com final feliz.

Os italianos foram para cima logo de início de jogo e quem ligou a TV depois dos segundo minuto ou chegou no estádio atrasado, perdeu o gol do croata Mario Mandzukic, após receber cruzamento da direita do alemão Khedira.

SI.com

Aos 17′ minutos, o técnico da Juv, Massimiliano Allegri, viu a necessidade de colocar um lateral direito mais defensivo para evitar os ataques pelo forte lado esquerdo espanhol com Marcelo e Cristiano Ronaldo. Então, foi ousado ao sacar o italiano De Sciglio, que ficou “p…” da vida, e colocar o suíço Lichtsteiner. Mas a mudança surtiu efeito. O suíço foi quem serviu Mandzukic, que estava a fim de jogo, para marcar o segundo, aos 37′.

Eurosport

2º Tempo

Para quem se pergunta o que aconteceu com o Real Madrid, a resposta é simples: Sérgio Ramos levou o terceiro amarelo no primeiro e desfalcou o time. Em seu lugar entrou o jovem Vallejo, de apenas 21 anos, segundo reserva do time, que tem Nacho Fernández (lesionado) como reserva imediato da dupla de zaga. Mas parece que o jovem sentiu a pressão e não conseguia fazer muito bem a cobertura de Marcelo do lado esquerdo, de onde saíram os três gols dos visitantes. O terceiro, inclusive, expôs a preocupação de Florentino Pérez, presidente do Real Madrid, na busca por outro goleiro (De Gea, do Manchester United, é o principal nome) para ser titular do time.

Keylor Navas tentou encaixar um cruzamento, também da direita, na linha da pequena área, e acabou soltando a bola para trás, onde estava Matuidi que, aos trancos e barrancos, marcou o gol que levava a partida para a prorrogação.

Eurosport

A expulsão e o pênalti

Mas o que já estava sendo impressionante, viria a se tornar ainda mais incrível. Zidane havia mexido no time no intervalo. Sacou Casemiro e Bale e colocou Lucas Vázquez e Asensio. A substituição só foi fazer efeito no crepúsculo do jogo, aos 97 minutos de jogo, quando Cristiano Ronaldo escora lançamento de Kroos, o português já na linha de fundo, do lado esquerdo de Buffon, para dentro da pequena área, de onde vinha Lucas Vázquez, que é derrubado por Benatia, e o juiz da pênalti. Durante a discussão se foi ou não, Buffon é expulso e dá adeus a partida e, possivelmente, ao último jogo de Champions dele que, provavelmente, deve se aposentar ao final da temporada.

Reuters

Cristiano Ronaldo vai para a bola. O melhor do mundo contra o goleiro reserva, que entrou no lugar de Higuaín, o polonês de nome impronunciável Szczesny. Gol do Real Madrid para euforia dos torcedores madridistas que sofreram durante mais de 90 minutos. CR7 bateu forte e em seu canto direito, esquerdo do arqueiro, sem chances para o polonês que caiu para o lado certo.

Reuters

Tinha tudo para dar Juventus. Jogou melhor, foi mais agressiva, insistente, teve mais vontade e garra, mas os merengues mostraram que, além de um bom time, são pé quente. Agora o Real Madrid espera o sorteio para ver se enfrenta Roma, Liverpool ou Bayern de Munique na semifinais da UEFA Champions League.

Eric Filardi

Sobre Eric Filardi

Eric Filardi já escreveu 1233 posts nesse site..

Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 27 anos, jornalista pós-graduado em Jornalismo Esportivo e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, Peixe, Palestra e Timão. Sou da Colina, Glorioso, Flu e Mengão. Sou brasileiro, hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 x 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões. Sou Clássico das Multidões. Sou Sul, Nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, Raposa, Bavi e Grenal. Sou Ásia e África. Sou Barça e Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia: sou Futebol na Veia.

BetWarrior


Poliesportiva


Eric Filardi
Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 27 anos, jornalista pós-graduado em Jornalismo Esportivo e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, Peixe, Palestra e Timão. Sou da Colina, Glorioso, Flu e Mengão. Sou brasileiro, hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 x 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões. Sou Clássico das Multidões. Sou Sul, Nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, Raposa, Bavi e Grenal. Sou Ásia e África. Sou Barça e Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia: sou Futebol na Veia.
http://www.ericfilardi.com.br

Artigos Relacionados

Comments are closed.

Topo