Narciso, exemplo de superação

Se 27 de setembro é celebrado o Dia Nacional do Doador de Órgãos, o ex-jogador e treinador desempregado Narciso preocupa-se diuturnamente em conscientizar a população sobre a importância de ser doador, e assim ajudar pessoas que lutam para salvar vida.

Narciso dos Santos, sergipano de Neópolis, nascido em dezembro de 1973, sempre repete a sua heróica história de perseverança ao vencer a leucemia mielóide crônica, diagnosticada em 2000, pois médicos projetaram no máximo 40% de chances de sobrevivência.

Vitimado pela doença no auge da carreira, no Santos, contou com a irrestrita solidariedade da esposa Miradeide durante penosas sessões de quimioterapia até o transplante de medula óssea, que permitiu a cura. Isso o sensibilizou a narrar sua história de superação para estimular pacientes.

O transplantado é monitorado pelo resto de sua vida. Conta o empresário de futebol Dalécio Pastor, de Campinas, transplantado de fígado, que o brasileiro é preconceito para doação de órgãos. “Só 6% de nossa população aceita doar, contra 16% dos Estados Unidos e 36% da Espanha”, comparou.

Narciso, grato a benção recebida, promove jogos beneficentes para doação de alimentos à Nacac (Núcleo de Amparo a Crianças e Adultos com Câncer), Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) e Lar Santo Expedito, entidades de Santos.

O transplantado é exposto a enfermidades, mas no caso específico de Narciso a decisão de encerrar a carreira de atleta em 2004, aos 31 anos de idade, foi desmotivação pelo banco de reserva. Em seis meses, após a cirurgia, jogou apenas cinco vezes, contrastando com trajetória ascendente a partir do Corinthians de Alagoas, Penapolense (SP) e Santos, além de rápida passagem por empréstimo ao Flamengo.

Zagueiro por vocação, não estranhou adaptação como volante. Na trajetória, medalha de bronze pela seleção olímpica do Brasil em 1996, em Atlanta (EUA), atuou oito vezes na seleção principal entre 1995 e 1998, e foi vice-campeão brasileiro pelo Santos em 1995, num time formado por Edinho; Marquinho Capixaba, Ronaldo Marconato, Narciso e Marcos Adriano; Carlinhos, Giovanni, Robert e Jamelli; Camanducaia e Marcelo Passos. O Botafogo (RJ) foi campeão.

O Santos abriu-lhe as portas como treinador na categoria de juniores. Depois treinou equipes paulistas como Penapolense e XV de Piracicaba.

 

Ariovaldo Izac

Sobre Ariovaldo Izac

Ariovaldo Izac já escreveu 52 posts nesse site..

O portal Futebol na Veia passa a inserir em sua grade de conteúdos a coluna de futebol Reminiscências assinada pelo jornalista Ariovaldo Izac, com 38 anos de militância no jornalismo. O foco é abordagem sobre jogadores do passado, principalmente aqueles que mais se destacaram.

BetWarrior


Poliesportiva


Ariovaldo Izac
Ariovaldo Izac
O portal Futebol na Veia passa a inserir em sua grade de conteúdos a coluna de futebol Reminiscências assinada pelo jornalista Ariovaldo Izac, com 38 anos de militância no jornalismo. O foco é abordagem sobre jogadores do passado, principalmente aqueles que mais se destacaram.
    Topo