Nacional é campeão do Clausura Uruguaio em 6 minutos

- O Rey de Copas precisa vencer uma partida para ser campeão, Peñarol ainda sonha com título
Nacional é campeão do Clausura em 6 minutos

O Superclássico Uruguaio, que decidiu o título do Torneio Clausura de 2019, ocorreu na noite desta quarta-feira (11). O jogo disputado no Estádio Centenário teve na sua maior parte do tempo os dois times buscando o ataque, mas sem êxito. Apesar disso, em seis minutos tudo mudou. Entre os 62 e 66 minutos de jogo, no melhor momento do Peñarol no duelo, o Nacional conseguiu fazer dois gols e definir o jogo. Logo após isso, os Carboneros ainda viram seu jogador Enzo Martinez ser expulso. Com a partida definida, os Tricolores seguraram a bola e esperaram boas oportunidades para sacramentar a partida.

A decisão foi a primeira partida com árbitro de vídeo no Uruguai. O VAR se saiu bem e nos momentos em que foi preciso soube decidir com rapidez. Além de ter sido usado no lance da expulsão do zagueiro do Peñarol, o sistema conseguiu intervir em mais um cartão vermelho que seria dado aos Carboneros. A boa atuação em seu primeiro jogo é surpreendente e coloca as más atuações em outros torneios sul-americanos em xeque.

1º TEMPO

Os times entraram em campo com mudanças significativas nos seus 11 titulares para tentar surpreender o adversário. Pelo lado do Peñarol, o técnico Diego López fez algumas trocas como no gol, sacando o goleiro Kevin Dawson e colocando o jovem goleiro Thiago Cardozo. No ataque, Lopéz colocou Luís Acevedo na vaga do veterano Cebolla Rodriguez e surpreendentemente tirou Xisco Fernandez para a entrada de Lucas Viatri.

Pelo lado dos Tricolores, o técnico Álvaro Gutiérrez propôs mudança na lateral direita, onde retirou seu lateral Guilhermo Cotugno para por Armando Méndez. As mudanças ocorreram na tentativa de proteger suas limitações e atacar os erros vistos no adversário durante a temporada.

Os primeiros minutos foram animados. O Peñarol buscou sempre os lados, uma vez que, possuía jogadores de mais velocidade e dribles. Já o Nacional se segurou tendo a posse de bola, buscando contra-ataques que achassem os espaços deixados pelo adversário para poder lhe dar a vantagem no jogo. Os Aurinegros, com a falta de um dos seus principais jogadores, o volante Walter Gargano, que continua fora por lesão, perderam a força e a criatividade da sua faixa intermediária. O zagueiro Jesus Trindade fez a função deixada pelo ex-jogador da seleção uruguaia. Apesar disso, teve dificuldades para render na nova posição.

O domínio do Nacional pode ser visto em posse de bola, mas não foi concretizado em chances claras de gol. Para piorar a situação do Peñarol, aos 39′, o atacante Viatri sentiu o joelho após dividir uma bola no alto e não conseguiu voltar para jogo, sendo substituído por Xisco. Após a substituição, a última boa jogada foi do Nacional, no momento em que Matias Viña cruzou e o atacante argentino Gonzalo Bergessio finalizou, porém o goleiro Cardozo conseguiu em dois tempos agarrar a bola.

2º TEMPO

A parte final começou com lances faltosos e com poucas jogadas de perigo. O Nacional seguiu com a bola nos pés, no entanto, o Peñarol conseguiu durante alguns minutos pressionar e criar a sua chance clara de gol. O lance ocorreu aos 58′, quando em jogada pela direita, Facundo Pellistri cruzou rasteiro para a finalização de primeira de Acevedo. O goleiro panamenho Luís Mejía defendeu colocando-a para fora da área.

No momento do jogo que parecia prevalecer a velocidade dos Aurinegros, inesperadamente, surgiu um contra-ataque que mudou a historia da decisão. Aos 62′, se iniciava os seis minutos mágicos da noite. O ataque, puxado pela direita, encontrou Matías Zunino na frente da área, que com um lindo passe alto encobriu a defesa do Peñarol e encontrou Gonzalo Castro. El Chory como é chamado, colocou a bola para dentro, abrindo o marcador.

Após quatro minutos, novo lance modificou o placar. Em falta batida por Santiago Ramirez, Guzmán Corujo venceu a defesa e colocou para dentro. Com isso, o placar ficou em 2 x 0. Com o baque o time do Peñarol ficou nervoso, isso ficou visível. Pouco depois, a cotovelada que o zagueiro Martínez deu em uma bola dividida lhe causou o cartão vermelho. Com um a menos, o jogo ficou definido, ainda mais que o Nacional continuou com o domínio da posse de bola. Nos minutos finais, houve uma tentativa de pressão dos Carboneros, que acabou não resultando em grandes lances.

Já nos acréscimos, o VAR entrou em ação, porém, desta vez o cartão utilizado foi o amarelo aplicado a Pablo Barrientos, do Nacional. O cartão e os seis minutos de acréscimo não mudaram o que já estava definido e, com isso, o Nacional se tornou o campeão do Torneio Clausura 2019.

E AGORA?

Os clubes voltam a se enfrentar no domingo (15) pela semifinal do Campeonato Uruguaio que, ao mesmo tempo, pode definir o campeão nacional. Em caso de vitória dos Tricolores, o Nacional levará a taça. Ao mesmo tempo, se o Peñarol vencer o duelo, obrigará mais dois jogos entre as equipes para definir o grande campeão do Uruguai. O confronto do fim de semana será no Estádio Gran Parque Central, casa do campeão do Clausura.

Foto destaque: Divulgação/Twitter Nacional

Yuri Murta

Sobre Yuri Murta

Yuri Lima Murta já escreveu 120 posts nesse site..

Estudante de jornalismo e geografia, apaixonado por futebol e por tudo que o cerca. Isso define quem é Yuri Lima Murta. O amor pelo esporte vem desde pequeno e o gosto por relacionar ele com outros temas vem desde o colégio, não atoa a minha monografia na faculdade de Geografia tem como tema a “Chapecoense e a cidade de Chapecó: Como o clube reflete a cidade”

365 Scores

BetWarrior


Yuri Murta
Yuri Murta
Estudante de jornalismo e geografia, apaixonado por futebol e por tudo que o cerca. Isso define quem é Yuri Lima Murta. O amor pelo esporte vem desde pequeno e o gosto por relacionar ele com outros temas vem desde o colégio, não atoa a minha monografia na faculdade de Geografia tem como tema a “Chapecoense e a cidade de Chapecó: Como o clube reflete a cidade”

    Artigos Relacionados

    Topo