Megan Rapinoe

A princípio, o FIFA The Best, evento que elege os melhores jogadores e jogadoras no ano, ocorreu nesta quinta-feira (17). Assim sendo, a entidade elegeu as 11 atletas do futebol feminino que se destacaram neste ano de 2020. Entre elas, estava Megan Rapinoe, atleta do OL Reigne. Contudo, a escolha foi polêmica até mesmo para a própria americana, visto que ela não entra em campo desde março deste ano.

MEGAN RAPINOE EM 2020

A atleta de 35 anos, foi eleita em 2019 como a melhor jogadora do mundo. Ademais, foi muito importante para a conquista dos Estados Unidos na Copa do Mundo de 2019. Entretanto, uma lesão a afastou dos jogos por boa parte do segundo semestre daquele ano.

Assim sendo, retornou aos campos no começo deste ano e disputou apenas oito jogos, com a própria seleção dos EUA. Seu último jogo foi em 11 de março, quando enfrentou o Japão pela Taça SheBelieves. Logo quando estava voltando ao ritmo, veio a pandemia da COVID-19 que paralisou todas as competições de futebol no mundo, bem como a National Women's Soccer League (NWSL)

PRONUNCIAMENTO DA ATLETA

Antes de mais nada, Megan disse que era uma honra o reconhecimento por parte dos colegas ao redor do mundo. Mas que ao mesmo tempo, foi uma surpresa para ela ter atendido os critérios para a seleção já que não joga nenhum partida desde março.

“Nós temos tantas jogadores fenomenais ao redor do mundo e todos nós precisamos fazer o que pudermos para que elas sejam reconhecidas. O fato de me selecionarem mais uma vez põe luz no fato de que para empurrar nosso jogo para frente, nós precisamos de investimentos contínuos para o futebol feminino. Assim, mais mulheres terão a oportunidade de aparecerem na TV nos seus países de origem e globalmente, enquanto se apresentam por um clube ou uma seleção.”

Também disse que o futuro do futebol feminino é muito brilhante e ilimitado. Finalizou dando os parabéns para todas as mulheres selecionadas na categoria.

Foto Destaque: Reprodução/Reuters

Avatar
Giovanna Monteiro
Cursando o 4º semestre de Jornalismo na Universidade Anhembi Morumbi, apaixonada por esportes desde os 7 anos e hoje com a cabeça e o coração encaminhados ao Jornalismo Esportivo.

Artigos Relacionados