Mateusinho fala sobre a quarentena e seu momento

- Em exclusiva, o atacante do Vitória falou também sobre o planejamento de seu clube na Série B

Na primeira matéria da entrevista exclusiva, foi montado um perfil sobre Mateusinho, comentando sobre os clubes que passou e sobre momentos especiais em sua carreira. A partir disso, serão abordadas as dificuldades que o jogador passou no período de quarentena, além das referências e ambições para sua carreira. Ainda, o atacante do Vitória falou sobre seu momento no clube baiano.

A PARALISAÇÃO DO FUTEBOL

Antes da pandemia, Mateusinho havia entrado em campo pela última vez no dia 20 de fevereiro, em um Guarani 0 x 1 Palmeiras. Assim, o camisa 21 falou sobre as principais dificuldades que passou neste período e de como foi trabalhar para manter o físico e o psicológico em dia:

“A saudade de jogar e dos companheiros de time. O ambiente do futebol é único. Fez muita falta. Não deixei de treinar. Lógico que não é a mesma coisa do que treinar no clube, mas mantive o físico na medida do possível. O psicológico foi um pouco mais complicado, porém fui conversando com pessoas próximas o tempo todo. Isso me deu tranquilidade. Sabia que o futebol iria voltar em um momento. “

Então, só voltou a campo cinco meses depois, já no Vitória, contra o Bahia de Feira. Além disso, já é sabido que houve alterações nos regulamentos e protocolos, como por exemplo o aumento na quantidade de alterações durante o jogo, a parada para descanso e as medidas de segurança.

Sobre este tema, Mateusinho apontou que a principal diferença do futebol após a paralisação é o ritmo de jogo. Isso se deve pelo fato dos jogadores não estarem nas melhores condições físicas ainda, o que deve vir com o tempo. Ainda, quando perguntado se está sendo exigido um maior esforço físico, o atleta falou também sobre as consequências desta mudança nos campeonatos:

“Com certeza. São muitos jogos e pouco tempo de descanso. Ainda bem que aumentou o número de substituições. Isso é fundamental para os atletas. “

https://www.instagram.com/p/CDPTruhH2L0/

AS REFERÊNCIAS DE MATEUSINHO

Para começar, como já foi dito, Mateusinho em sua carreira já passou por quatro clubes e já jogou diversos campeonatos, como ele mesmo disse, a carreira é curta, mas já há coisas para recordar. Logo, já enfrentou diversos jogadores e já teve várias companheiros de equipe, então o Futebol Na Veia perguntou qual o melhor jogador que já enfrentou e o melhor companheiro de equipe, respectivamente:

“O Ivan, goleiro da Ponte, é um rival bastante complicado. Tive a felicidade de fazer um gol nele, mas é um cara que já chegou à Seleção e não foi por acaso. Sobre o melhor companheiro é difícil dizer, mas destaco o atacante Ferreira. Fez 11 gols em 15 partidas no Campeonato Brasileiro de Aspirantes, do ano passado, pelo Grêmio. “

Além disso, o jogador falou sobre o próximo passo de sua carreira. Segundo ele, o primeiro passo é fazer uma boa Série B, depois o resto vai acontecer naturalmente. Além disso, disse também que sua expectativa com o clube nesta temporada, como pode se esperar, é subir para a série A. Continuando, o atacante contou quem é seu ídolo:

“Eu peguei o fim da carreira do Ronaldo e cansei de ver lances no YouTube. Um verdadeiro fenômeno. “

Por fim, o assunto agora já foi citado nesta matéria: jogos contra a Ponte Preta. Mateusinho não participou da virada do Guarani sobre o rival no dia 16 de março, por 3 x 2, mas fazia parte do elenco e acompanhou o jogo. Aliás, foi por esta partida que Thiago Carpini foi reconhecido como um técnico corajoso. Mas, recentemente Mateus escreveu mais um capítulo no confronto contra a Macaca, agora  jogando pelo Rubro-Negro Baiano.

Continuando, ma 3ª Rodada do Brasileirão Série B o Vitória enfrentou a Ponte e Mateusinho contribuiu com um gol (vencendo o duelo contra o elogiado Ivan) e uma assistência em um emocionante 3 x 3. Assim, quando perguntado se tem uma sensação diferente ir bem contra a Ponte Preta devido aos tempos de Guarani, o jogador de 21 anos respondeu:

“A rivalidade existe, claro. Tenho uma trajetória no Guarani que jamais vou esquecer. Mas o gosto especial foi por buscar um empate no fim. Arrancar ponto da Ponte no Moisés Lucarelli é complicado. Foi um jogo de reviravoltas. O empate teve um sabor especial pelo jeito que foi.”

Foto Destaque: Divulgação/Instagram/Mateusinho

Lucas Henrique Santos Noronha

Sobre Lucas Henrique Santos Noronha

Lucas Henrique Santos Noronha já escreveu 70 posts nesse site..

Escolhi o jornalismo pelo enorme gosto por esportes e por sempre assistir programas esportivos em geral, além de um costume meu de criticar grandes problemas do nosso mundo atual. Eu estou no 1o semestre do curso, minha experiência com textos foi uma página que criei uma vez (sobre futebol) mas que por força de obrigações e por ser só eu cuidando não foi pra frente. Meu objetivo é crescer na área do Jornalismo ( a maior ambição é o esportivo) e acredito que a partir de agora, consegui um grande empurrão pra ganhar experiência na área (aliás trabalhar em sites assim sempre foi um objetivo meu). Sou uma pessoa extremamente paciente, acho que minha principal virtude.

BetWarrior


Poliesportiva


Lucas Henrique Santos Noronha
Lucas Henrique Santos Noronha
Escolhi o jornalismo pelo enorme gosto por esportes e por sempre assistir programas esportivos em geral, além de um costume meu de criticar grandes problemas do nosso mundo atual. Eu estou no 1o semestre do curso, minha experiência com textos foi uma página que criei uma vez (sobre futebol) mas que por força de obrigações e por ser só eu cuidando não foi pra frente. Meu objetivo é crescer na área do Jornalismo ( a maior ambição é o esportivo) e acredito que a partir de agora, consegui um grande empurrão pra ganhar experiência na área (aliás trabalhar em sites assim sempre foi um objetivo meu). Sou uma pessoa extremamente paciente, acho que minha principal virtude.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Topo