Marcos Júnior mudou o patamar da Ponte Preta ao se tornar peça essencial. (Foto destaque: Divulgação/ Diego Almeida/ PontePress)

Primeiramente, a Ponte Preta teve uma temporada difícil, com chances de rebaixamento que perturbaram o time até a penúltima rodada. Em contrapartida, o ano trouxe coisas boas ao clube em relação a talentos individuais. A saber, o volante Marcos Júnior, de 21 anos, estreou como profissional em 2021.

Da mesma forma, o atleta mudou de patamar ao se tornar peça essencial no time titular. Vale lembrar, o atleta foi revelado nas categorias de base do São Paulo e emprestado à Alvinegra em março deste ano.

Tal como, o vínculo acabou no começo em dezembro e, apesar da intenção da Ponte em renovar com o jogador, o clube ainda depende de uma negociação com o Tricolor. Do mesmo modo, só deve ganhar uma solução após terminar a Série A, na quinta-feira (9).

“Foi um temporada muito boa, na qual consegui evoluir como atleta na Ponte, isso falando individualmente. Foi um grande ano e que vou lembrar com muito carinho falando da minha evolução como profissional – disse o volante.

Com a camisa da Ponte Preta, o jogador marcou dois gols na Série B e deu uma assistência. No entanto, o jovem, lamentou que a temporada ficou abaixo do que todos no Majestoso esperavam, mas comemorou o êxito em evitar o rebaixamento.

“No coletivo, não era o que esperávamos, passamos por algumas dificuldades, brigamos na parte de baixo da tabela, mas conseguimos deixar o clube na Série B” .

Marcos Júnior

Eventualmente, o jogador marcou pela primeira vez em outubro, na derrota, de virada, por 3 x 2, contra o Náutico. Juntamente com isso, voltou a balançar as redes no dia 27 do mesmo mês, quando garantiu a vitória, por 1 x 0, sobre o Remo, em Belém.

De maneira que o volante estreou pela Ponte na lateral direita, contra o Botafogo, pelo Paulistão. Ainda mais que foi só a partir da reta final do primeiro turno da Série B que passou a receber mais oportunidades de Gilson Kleina.

Nesse interim, em outubro, virou titular absoluto na luta da Macaca contra o rebaixamento, com mais de liberdade para chegar à área. Afinal, o acordo para a chegada dele ao Majestoso envolveu também a prioridade de compra do atacante João Veras por parte do São Paulo.

Foto destaque: Fernando Torres/Agif

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs