Mais uma reformulação

Reformulação. Esta é uma palavra que vem sendo muito utilizada, de forma geral, pela CBF. Seus representantes e dirigentes adotam uma filosofia de reformulação em seus discursos, após o trágico 7×1 na Copa de 2014. Tal vexame levou o técnico Luis Felipe Scolari a demissão, e um novo técnico precisava assumir o cargo.

A volta de Dunga foi, na compreensão do então presidente da CBF, José Maria Marin, e de seus demais dirigentes, a melhor opção para comandar a seleção neste processo. O retrospecto na primeira passagem do treinador não foi de se menosprezar ou colocar tantos defeitos. Com 42 vitórias, 12 empates e apenas seis derrotas, Dunga conquistou a Copa América de 2007 e a Copa das Confederações em 2009. A primeira passagem pela seleção se encerrou após a eliminação nas quartas de finais da Copa de 2010, diante da Holanda. Desde então, o técnico comandou o Internacional por um curto período, e após várias críticas da torcida deixou Porto Alegre.

Dunga retornou ao comando da seleção brasileira após a vergonhosa goleada sofrida pela Alemanha, no Mineirão. Desde que reassumiu seu antigo cargo, obteve 18 vitórias, cinco empates e três derrotas. Números positivos, porém seus resultados nem tanto. Dois desses 26 jogos foram cruciais para a queda do treinador nesta terça-feira (14): o empate contra o Paraguai, na Copa América do ano passado, e a derrota para o Peru, na Copa América deste ano. No empate contra o Paraguai, a seleção brasileira foi eliminada nas cobranças de penalti. Em sua última partida com técnico da seleção, foi derrotado pela modesta seleção peruana, e com isso, eliminado ainda na frase de grupos. Vale lembrar que seus outros adversários no grupo eram Equador e Haiti.

O futuro da seleção brasileira, mesmo ainda não definido, já tem caminho quase traçado. O nome de Tite, já especulado antes no comando da seleção, é o favorito para assumir o cargo deixado por Dunga. Muito provavelmente o técnico alvinegro deixará a capital paulista para comandar a seleção.

Quanto a Dunga, seu futuro profissional é um mistério. Talvez ele siga o exemplo de técnicos brasileiros, como Vanderlei Luxemburgo e Mano Menezes, e tente se aventurar no futebol asiático. Ou ainda pode começar negociação com algum clube brasileiro que ainda tenha interesse em seu trabalho.

Guilherme Papa

Sobre Guilherme Papa

Guilherme Papa já escreveu 268 posts nesse site..

Guilherme Papa é estudante, de 21 anos, da turma do 5º semestre de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo. Completamente louco por futebol, tem como objetivo transmitir informações do mundo da bola da melhor maneira possível.

BetWarrior


Poliesportiva


Guilherme Papa
Guilherme Papa
Guilherme Papa é estudante, de 21 anos, da turma do 5º semestre de Jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo. Completamente louco por futebol, tem como objetivo transmitir informações do mundo da bola da melhor maneira possível.

Artigos Relacionados

Topo