Mais que um 9, Cavani é “El Matador”!

Edinson Roberto Cavani Gómez, ou simplesmente Cavani, é o atual centroavante do Paris Saint Germain e da Seleção Uruguaia. Cavani é o típico centroavante uruguaio, raçudo, quando precisa jogar pelas pontas e acompanhar o lateral adversário até o campo de defesa ele o faz, se precisar marcar ele marca, se precisar dar carrinho ele não pestaneja. Tal entrega em campo o fizeram sempre ser titular nas equipes por onde passou e ganhar o apelido de “El Matador”, pela vontade em campo, boa média de gols e principalmente pela comemoração que faz após alguns gols, como um atirador.

cavani_2b

Desde que chegou ao Palermo em 2006 (seu primeiro clube europeu), Cavani fez 2 gols em 7 jogos, pois ainda era reserva. Na 2ª temporada ainda jogou pouco, estava conquistando espaço, fez 5 gols em 35 jogos, metade como titular e metade entrando no segundo tempo. Já em sua 3ª e 4ª temporada no mediano time da Itália, Cavani fez duas boas temporadas pelo time italiano com 15 gols em cada uma delas, fazendo-o ser convocado pela primeira vez para a Seleção Celeste e também fez crescer os olhos de um grande time da Itália, o Napoli.

NAPLES, ITALY - NOVEMBER 08:  Edinson Cavani of Napoli celebrates after scoring the goal 3-2  during the UEFA Europa League Group F match between SSC Napoli and FC Dnipro Dnipropetrovsk at Stadio San Paolo on November 8, 2012 in Naples, Italy.  (Photo by Giuseppe Bellini/Getty Images)

Em 2010 fora contratado pelo time napolitano e não decepcionou. Virou ídolo do time, artilheiro do Campeonato Italiano 2012/2013, campeão da Coppa Itália, marcando 104 gols em 3 temporadas de Napoli, uma média de 34,6 gols por temporada, se tornou titular absoluto da Seleção Celeste.

Uruguay's forward Edinson Cavani celebrates after scoring his team's first goal during a Group D football match between Uruguay and Costa Rica at the Castelao Stadium in Fortaleza during the 2014 FIFA World Cup on June 14, 2014. AFP PHOTO / CHRISTOPHE SIMON        (Photo credit should read CHRISTOPHE SIMON/AFP/Getty Images)

Em 2013, foi contratado pelo milionário Paris Saint Germain. Cavani que sempre jogou em outros clubes mais a frente, como um típico camisa 9, centroavante, teve de se acostumar a jogar pelos lados do campo, quando não ficava na reserva, isto porque o titular e dono da posição era o gigante sueco Zlatan Ibrahimovic, que dispensa apresentações e que de fato seria titular em qualquer clube do mundo (menos os treinados por Pep Guardiola).

O sueco sempre foi incontestável no comando do ataque do time parisiense, tanto que fora três vezes artilheiro do campeonato francês e melhor jogador do torneio nas temporadas 2012-13, 2013-14 e 2015-16, sem deixar margem para dúvidas sobre outros jogadores e só não foi artilheiro e melhor jogador da temporada 2014-15, porque se lesionou e foi nesta hora que Cavani aproveitou para mostrar serviço. O uruguaio jogou em sua posição original e deu conta do recado, mostrando que poderia jogar muito bem nesta posição, ser titular e um excelente substituto quando Ibra se ausentasse ou caso mudasse de clube futuramente. Nesta temporada foi inclusive a que Cavani marcou mais vezes com a camisa do PSG, foram 31 gols, superando até mesmo Ibrahimovic, que marcou em 30 oportunidades.

Mas Cavani soube esperar a sua hora de brilhar, pois para se dar bem no time titular, deveria entender como jogar com o sueco e não querer disputar posição com o “dono do time”, pois quem quisesse jogar ao seu lado, que se contentasse com o “coadjuvantismo”, pois Zlatan reinava absoluto, tanto em número de gols e assistências, quanto estatísticas, vendagem de camisas, moral com os companheiros de clube, comissão técnica, diretoria e, obviamente, com a torcida de forma idolátrica.

Cavani jogou pelos lados de campo, servindo Ibra, fazendo alguns gols e jogando centralizado quando o sueco estava ausente. Eis que veio 2016 e Ibrahimovic não renovou seu contrato com o time de Paris e se transferiu para o poderoso Manchester United, do treinador José Mourinho, por quem Ibra tem certo apreço. Tristeza para a torcida e para o clube, que agora não contariam com os gols do camisa 10 Ibracadabra, maior artilheiro da história do PSG e um dos maiores ídolos da história do clube. Melhor para Cavani que agora jogaria em sua função original, poderia marcar mais gols e conquistar a torcida e mostrar que pode sim, ser um novo ídolo.

screen-shot-2015-10-24-at-8-37-09-pm

Na temporada atual (2016-17) são 10 jogos e 12 gols, média de mais de um gol por jogo e tá com moral com a torcida. Nos primeiros jogos do PSG na temporada, sofreu com vaias dos torcedores ao errar gols, acostumados com poucos erros de Ibra. Mas o uruguaio logo calibrou o pé e já é artilheiro do francês com 9 gols e da Champions League com três.

O matador ainda se beneficiou com a chegada de Unai Emery, novo treinador do PSG nesta temporada. O ex-técnico do Sevilla costuma exigir em seus esquemas táticos que seu centroavante de combate nos zagueiros adversários, visando forçar o erro dele, ajudando na parte de marcação quando estão sem a bola. Cavani é veloz e corre o jogo todo, encaixando-se perfeitamente no esquema de Emery, o que não aconteceria caso o sueco estivesse no time, pois ele não tem a mesma velocidade do uruguaio e não sabe marcar.

O “El Matador” está bem entrosado com os atacantes do PSG, Di Maria e Lucas, além de terem o segundo melhor ataque da competição, com 19 gols, sendo 9 de Cavani e 5 de Lucas, contam com as assistências e criações de jogadas do argentino Di Maria. A boa fase do atacante ainda se estende a Seleção Uruguaia, onde é artilheiro da competição com 7 gols e o Uruguai é o 2º colocado da competição com 20 pontos, atrás apenas da Seleção Brasileira com 21.

Eric Filardi

Sobre Eric Filardi

Eric Filardi já escreveu 1232 posts nesse site..

Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 27 anos, jornalista pós-graduado em Jornalismo Esportivo e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, Peixe, Palestra e Timão. Sou da Colina, Glorioso, Flu e Mengão. Sou brasileiro, hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 x 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões. Sou Clássico das Multidões. Sou Sul, Nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, Raposa, Bavi e Grenal. Sou Ásia e África. Sou Barça e Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia: sou Futebol na Veia.

BetWarrior


Poliesportiva


Eric Filardi
Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 27 anos, jornalista pós-graduado em Jornalismo Esportivo e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, Peixe, Palestra e Timão. Sou da Colina, Glorioso, Flu e Mengão. Sou brasileiro, hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 x 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões. Sou Clássico das Multidões. Sou Sul, Nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, Raposa, Bavi e Grenal. Sou Ásia e África. Sou Barça e Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia: sou Futebol na Veia.
http://www.ericfilardi.com.br

Artigos Relacionados

Topo