Mais amigos que rivais: Hertha e Union

Geralmente, clubes de futebol que dividem a mesma cidade são considerados grandes rivais e que não se misturam. Mas, em contrapartida, na Alemanha, dois clubes de Berlim que disputam a Bundesliga, possuem uma relação bem mais amigável do que a de costume. Dessa forma, nesta edição da coluna Quebrando Muros, vamos falar sobre o clássico entre Hertha e Union Berlin, o confronto além do Muro.

Sabe aquela frase que ouvimos constantemente: “nunca será só futebol”? Pois é, ela se encaixa muito bem no contexto histórico deste clássico, que vai além do esporte e que envolve fatos de uma nação. Então, para compreendermos melhor o assunto, será preciso voltarmos no tempo, mais precisamente para o período da Guerra Fria. Assim, devido à polarização do mundo entre os capitalistas e socialistas, a Alemanha e, inclusive, sua capital Berlim, estiveram literalmente divididas. 

ALEMANHA SEPARADA

Então, tivemos o surgimento da Alemanha Ocidental, capitalista e forte aliada à países como Estados Unidos, Reino Unido e França. E, de modo oposto, a Alemanha Oriental era alinhada junto à extinta União Soviética. E conforme a tensão entre os dois blocos iam se tornando cada vez mais densa, o lado Oriental iniciou a construção de um muro. Então, em 1961, a circulação de pessoas entre os dois lados da capital esteve interrompido. 

Divisão da Alemanha no período. Foto: Reprodução/Brasil Escola

Portanto, essa construção ficou conhecida como “Muro de Berlim”, que esteve de pé por 28 anos, de 1961 até 1989. Durante esse período, muitas pessoas morreram tentando atravessá-lo. No âmbito da separação, as discussões políticas e sociais estavam cada vez mais latentes. Se tratando de um lado capitalista e o outro socialista, a desigualdade entre leste e oeste estava presente em muitas questões como cultura, economia e também o futebol. 

CADA UM EM SEU LADO

No lado ocidental e capitalista, tínhamos o já considerado grande, Hertha Berlin, duas vezes campeão alemão e duas vezes vice campeão da Copa da Alemanha. Já no lado oriental, a hegemonia ficava por parte do Dynamo Berlin, 10 vezes campeão, de forma seguida, da Copa da Alemanha Oriental. Portanto, o modesto Union Berlin corria por fora e foi conseguindo adeptos após conquistar o título da Copa Oriental em 1967/68

Então, devido à separação da cidade, podemos dizer que Hertha e Union não possuem níveis de rivalidade como estamos acostumados. Com a queda do muro em 9 de novembro de 1989, a circulação de pessoas entre os dois pontos de Berlim estava novamente normalizada. E com isso, a relação entre os torcedores das duas equipes se tornou até amigável. Os adeptos da equipe do oeste frequentemente cruzavam a antiga divisão para acompanhar os jogos do Union em seu estádio e vice-versa.

Muro de Berlim
Momento após o fim do muro de Berlim. Foto: Reprodução/Gerard Malie/AFP

UNIÃO DAS TORCIDAS

Portanto, a amizade entre os clubes e, principalmente, entre as duas torcidas, não é recente. Desse modo, há um registro interessante, de 1979, quartas de finais de Copa da UEFA, quando torcedores do Union se juntaram aos alviazuis em Praga. Assim, mais de 30 mil torcedores berlinenses viajaram para acompanhar o Hertha diante do Dukla Praga, da República Tcheca. Nessa partida, o placar ficou em 1 x 1, enquanto na volta, a equipe alemã venceu por 2 x 1, com as duas torcidas amigas de Berlim fazendo uma grande festa. 

Outro exemplo do carinho entre as torcidas foi quando o Hertha Berlin jogou contra o Wattenscheid, pela segunda divisão do Campeonato Alemão, em 11 de novembro de 1989 – dois dias após a queda do muro de Berlim. Estiveram presentes cerca de 44 mil torcedores no Olympiastadion, quando a média de público dos alviazuis não era superior aos 10 mil. Assim, destacando-se a presença de milhares de alemães-orientais, adeptos do Union, que apoiavam a equipe do oeste.

PROXIMIDADE ENTRE AS DUAS EQUIPES

Vale ressaltar que apenas 25 km separam o Olympiastadion – casa do Hertha-  do An der Alten Försterei, que pertence ao Union. Dessa forma, essa distância nos serve como parâmetro para entendermos o quão próximo são essas duas equipes e seus torcedores. Para se ter outra ideia, os dois times são os únicos em toda Bundesliga a dividirem a mesma cidade. O que serviria como motivos para uma rivalidade acirrada, acende uma grande chama de amizade.

divisão das torcidas berlim
Divisão das torcidas de Hertha e Union em Berlim. Foto: Reprodução/Berliner Morgenpost

A PRIMEIRA VEZ FRENTE À FRENTE

O primeiro confronto entre as duas equipes foi em 27 de janeiro de 1990, um amistoso de reunificação após a queda do muro de Berlim. O lema da partida foi “Hertha und Union, eine Nation”, que significa Hertha e Union, uma nação. O jogo aconteceu no Olympiastadion, para mais de 51.200 espectadores. Dessa forma, quem levou a melhor foi a equipe do oeste da cidade, o Hertha. O placar final foi de 2 x 1, com gols de Axel Kruse e Dirk Greiser para os azuis, enquanto André Sirocks fez o único dos Eisernens

Hertha e Union, amistoso 1990
Dirk Greiser capitão do Hertha (à esquerda) e Olaf Seier, líder do Union. Foto: Reprodução/Jurgen Engler

Se tratando de partidas oficiais, as duas equipes da capital alemã só estiveram frente à frente em seis oportunidades. A primeira delas foi em 2010, no Stadion Alte Försterei, pela segunda divisão do Campeonato Alemão. Apesar da expectativa dos 19.000 torcedores presentes – fora os que não estavam -, o placar terminou empatado, por 1 x 1. Peter Niemeyer fez para o Hertha, enquanto Santi Kolk marcou para os donos da casa. 

Das outras cinco partidas do Derby de Berlim, três foram disputadas ainda pela Bundesliga 2, com uma vitória pra cada lado e um empate. Sendo o último confronto entre eles, na temporada 2012/13, o do título do Hertha na segunda divisão, que garantiu o retorno do clube à Bundesliga. Desse modo, a cidade de Berlim ficaria sem o clássico até a temporada 2019/20, quando o Union disputaria a elite do Alemão pela primeira vez em sua história. 

DERBY DE BERLIM PELA PRIMEIRA VEZ NA BUNDESLIGA

O acesso à Bundesliga significava a oportunidade de mais dois jogos do Derby da capital alemã. Portanto, no jogo pelo 1ª turno da Bundesliga, jogando em casa, a equipe do lado leste levou a melhor sobre a do oeste, por 1 x 0. Sebastian Polter marcou de pênalti o gol da vitória. Já no segundo confronto, o Hertha goleou o rival por 4 x 0, com gols de Vedad Ibisevic, Dodi Lukebakio, Matheus Cunha e Dedryck Boyata.

Com isso, um fato curioso é que o Union disputou a Bundesliga pela primeira vez em sua história, justamente em 2019, ano que contabilizou o 30º aniversário da queda do Muro de Berlim. Desse modo, a primeira partida entre os dois na competição aconteceu em 9 de novembro, dia exato do fim da separação da cidade. Um dia simbólico para o clássico e seus torcedores.

 

Assim, os dois jogos da temporada passada tiveram uma grande carga emocional nos torcedores dos dois clubes. Isso porque foi a primeira vez desse grande clássico na elite do futebol da Alemanha. Um presente para mais que torcedores, os amigos que envolvem esse confronto histórico, assistirem as duas equipes jogarem juntas no primeiro escalão do futebol nacional, que já foi tão dividido.

“Fiquei muito feliz quando subiram para a primeira divisão” no final da última temporada, conta Manon Düring, uma torcedora do Hertha de 55 anos, em depoimento à Agência France-Presse.

CLÁSSICO SIMBÓLICO E HISTÓRICO

Em síntese, o clima que envolve Hertha e Union é esse: apoio de um ao outro. É claro que para os torcedores mais jovens das duas equipes, existe uma rivalidade, afinal, é um Derby, isso faz parte do futebol. Todos os torcedores, até mesmo os mais antigos, querem ver o seu time ganhar. E apesar de estarem em lados opostos, geograficamente falando, as duas equipes são símbolos e fazem parte da história da Berlim do passado, que esteve dividida, e da atual, que preza por essa união.

Da separação à reunificação. De um confronto que tinha tudo pra ser tenso, pelo passado, pela política, mas isso é mais que futebol. É a união em prol da felicidade de pessoas que dividem uma cidade, com responsabilidade e, acima de tudo,  solidariedade, seja no esporte ou em qualquer outra esfera social. Essa é a história do Derby de Berlim, que na temporada 2020/21 terá mais dois capítulos, o primeiro duelo marcado para Olympiastadion, em dezembro.

Foto destaque: Reprodução/Johannes Eisele/AFP

Victor Parrini
Como amante de rádio, TV e esportes (principalmente o futebol), esses foram alguns dos motivos que me levaram a escolher o jornalismo para a minha vida. Como jornalista, quero ouvir e contar histórias, porque isso é o que nos move. Aqui exponho meu primeiro contato com a escrita esportiva.

Artigos Relacionados