O retorno da torcida aos estádios por si só já é motivo para se comemorar, mas quando acontece o aumento do faturamento nas lojas da marca, a comemoração tem que ser dupla. Em um balanço realizado recentemente na boutique da marca Volt Sport, localizada próxima ao Baenão, mostrou um aumento significativo nas vendas, cerca de 30% maior. Ao passo que os números são animadores para uma loja inaugurada no mês de julho de ano.

De acordo com o sócio diretor da Volt, Fernando Kleimmann falou um pouco sobre esse aumento nas vendas e na importância dessa receita da fornecedora de material esportivo para o Leão.

Com a estrutura que montamos, conseguimos receber os torcedores com toda a segurança necessária e respeitando os protocolos sanitários. A loja está funcionando a todo vapor quando temos jogo no Baenão e, neste momento, está sendo uma fonte de receita importante para a agremiação”. 

Produção ecológica

Contudo, o processo utilizado para criação da vestimenta principal azulina é uma ação em prol da natureza também, nada mais justo que ser para o Rei da Amazônia. Assim sendo, o tecido utilizado na fabricação é o TrueLife ECO, material composto por fibras de poliéster proveniente de plástico reciclado. Dessa forma, a cada modelo, oito garrafas pets são retiradas do rios e oceanos. Segundo, o representante da fornecedora, a marca já conseguiu reciclar mais de 200 mil garrafas.

Desde o lançamento, já conseguimos reciclar mais de 200 mil garrafas. As peças produzidas com esse material não perdem em qualidade em relação aos produtos que já conhecemos. A camisa 1 é o nosso produto mais vendido, mas o torcedor pode conferir uma linha completa para todos os públicos, com variedade para mulheres e crianças”.

Vale lembrar que no mês de outubro, o Remo fez uma ação sustentável nas vendas de ingressos para Copa Verde. No entanto, o torcedor que fosse comprar ingresso e doasse cinco garrafas pet ganharia 50% de desconto. Todavia, a diretoria do clube informou que com o arrecadado, seria possível produzir mais de 250 camisas.

Foto: Reprodução/Divulgação

Tathiane Marques
Na verdade, não fui eu que escolhi o jornalismo e sim ele que me escolheu. Sem dúvidas, a profissão é como um oceano que precisa ser desvendado na sua profundeza, só assim é possível conhecer e respeitar toda sua beleza.