Liverpool 04/05 ou 18/19: qual foi mais letal?

- Disputa entre dois times que conquistaram a Liga dos Campeões
Liverpool 2018/2019

Não há como negar que a Liga dos Campeões é o maior campeonato de clubes de todo o mundo, embora abranja somente times europeus. Assim, os times que conseguem vencer se tornam grandes destaques na história do futebol. O Liverpool está ganhando cada vez mais notoriedade nos últimos anos, tanto que, na temporada 18/19, foi campeão da UEFA Champions League e do Mundial de Clubes, título inédito este.

Além desta ocasião, também conquistou a Champions em 04/05. Assim, vamos comparar os números e os principais títulos e jogadores de ambas equipes em ambas temporadas. Eis a questão: qual equipe foi mais letal?

ESTILO DE JOGO

LIVERPOOL 04/05

Por mais incrível que pareça, prezado torcedor, este time que conquistou a Champions League não era considerado o melhor de seu tempo. Embora bom, não podia ser comparado tecnicamente com as demais equipes que viria a enfrentar. Sob o comando de Rafa Benitez, foram contratados Luis Garcia e Xabi Alonso. Contudo, a missão do treinador não era fácil, visto que o clube estava em jejum de grandes títulos.

O estilo de jogo era mais técnico, com cadência e toque de bola no meio de campo e velocidade pelas laterais. Para ditar o ritmo no meio, Alonso foi fundamental, pois ele era o mediador da equipe. Em geral, os jogadores nada mais eram que dedicados à camisa e confiantes, com exceção de Steven Gerrard, que estava em sua versão mais ofensiva, e Luis Garcia, que abusava da individualidade quando precisava resolver algum jogo.

Rafa Benitez
Rafa Benitez. Foto: Steve Parkin/AFP/Getty Images

LIVERPOOL 18/19

O treinador Jürgen Klopp pediu as contratações do goleiro Alisson Becker, que já vinha mostrando seu potencial na seleção brasileiro e na Roma, do zagueiro Van Dijk e do volante Fabinho para esta temporada. Ademais, o trio de ataque continuou o mesmo do ano anterior, que foi escolhido a dedo pelo técnico, contando com Firmino, Mané e Salah.

Com todas as suas contratações já efetivadas e prontas para o embate, o estilo do time focava na coletividade, o que dava espaço para o individualismo surgir em prol do coletivo. Além disso, a equipe foi mais agressiva, e buscava levar o jogo sempre para frente, sem deixar o adversário respirar.

Klopp Liverpool
Jürgen Klopp. Foto: Divulgação/Twitter oficial Liverpool

CAMPANHA NA CHAMPIONS

LIVERPOOL 04/05

Vale dizer que a equipe quase não teve acesso à fase de grupos, já que precisou passar por uma eliminatória antes, a qual venceu um jogo e perdeu outro. Assim, passou pelo saldo de gols apenas. O clube começou vencendo na fase de grupos, com 2 x 0 em cima do Mônaco. 

Contudo, os demais jogos nada mais foram do que regulares, e a desclassificação quase veio. Em seu último jogo da fase de grupos, iniciaram perdendo para o Olympiacos, mas conseguiram virar o jogo na segunda etapa. Com isso, se consolidaram na segunda colocação do grupo A e avançaram ao mata mata.

O Liverpool ganhou os dois primeiros jogos das oitavas de final, contra o Bayern Leverkusen, ambos por 3 x 1. Nas quartas, derrotaram a Vecchia Signora, que seria campeã italiana naquela temporada, no jogo de ida, por 2 x 1, e empataram por 0 x 0 no jogo de volta. Avançaram para a semi, contra o Chelsea, sem favoritismo e tidos como azarões. Agora, precisariam mostrar o que ainda não haviam mostrado na temporada até aquele momento.

No jogo de ida, tudo igual: 0 x 0. Na volta, brilhou a estrela de Luis Garcia, que fez o único gol da partida, a favor dos Reds. Assim, o clube avançou para a final, onde precisariam bater o tão poderoso Milan.

MILAGRE DE ISTAMBUL

Eis que nos deparamos com um jogo histórico, o famoso “Milagre de Istambul”. Nesta partida, o Liverpool já não era mais tido como azarão, embora fosse claro o favoritismo do Milan. Sob o comando de Kaká, o Diavolo comandou uma vitória devastadora contra os Reds na primeira etapa, por 3 x 0. 

Na segunda etapa, a “mão do treinador” fez toda a diferença: Rafa Benitez fez uma substituição e mudou o esquema tático de 4-4-1-1 para 3-4-2-1, desbotando o brilho de Kaká. Assim, conquistaram o empate, com gols de Gerrard, Vladimir e Alonso. Nos pênaltis, brilhou a estrela do goleiro vermelho Dudek, que defendeu duas cobranças: de Pirlo e ShevchenkoCampeões!

Milagre de Istambul
Milagre de Istambul. Foto: Jerry Lampen/Reuters

LIVERPOOL 18/19

Eis uma equipe que carregava consigo a sensação amarga de uma derrota na Liga dos Campeões do ano anterior, justo na final, e por falha individual de um jogador que não tem permissão para errar: seu goleiro, Loris Karius.

Como dito anteriormente, para esta temporada, Jürgen Klopp pediu a contratação de novos jogadores, que foram fundamentais para esta conquista. O time já vinha de grandes atuações na Premier League, e sua força só foi reforçada na Champions. 

Assim, logo na estreia, venceram o PSG por 3 x 2, em uma bela partida. Entretanto, nos demais jogos da fase de grupos oscilaram demais, mas conseguiram passar para o mata mata, pois a equipe ficou na segunda colocação do grupo C. 

Nas oitavas, tiveram grandes disputas contra o Bayern de Munique, empatando o jogo de ida por 0 x 0 e vencendo na volta por 3 x 1. Em contrapartida, nas quartas, venceram os dois jogos contra o Porto. Na semi, entretanto, enfrentaram seu maior desafio: perderam o jogo de ida contra o Barcelona por 3 x 0. 

Nesse âmbito, a esperança parecia estar perdida, mas não para o time de Klopp. Assim, os Reds mostraram toda sua garra: o coletivo jogou de maneira praticamente perfeita, além de, debaixo das traves, a principal contratação do treinador estar fazendo jus à quantia paga por ele: Alisson já vinha sendo fundamental, com grandes defesas que garantiram a classificação para o mata mata, e, aqui, novamente, foi fundamental para que o time não tivesse sua meta perfurada. Com a vaga na final, enfrentaram e derrotaram o Tottenham por 2 x 0. Campeões!

PREMIER LEAGUE

LIVERPOOL 04/05

Uma campanha normal, sem grande diferencial, na qual terminaram na 5ª colocação, somando 58 pontos em 38 jogos, sendo 17 vitórias, 7 empates e 14 derrotas. Além disso, foram 52 gols feitos e 41 sofridos.

LIVERPOOL 18/19

Aqui lhes apresento uma das melhores campanhas dos Reds no século na Premier League. A primeira colocação foi bem disputada entre Liverpool e Manchester City, tendo sido decidia no último jogo. Os Reds terminaram na segunda colocação, com apenas um ponto de diferença do City. Dessa maneira, somaram 97 pontos em 38 jogos, sendo 30 vitórias, 7 empates e uma derrota (esta justamente contra o campeão).

Além disso, foram 82 gols feitos e apenas 22 sofridos. Vale ressaltar que o goleiro Alisson Becker quebrou o recorde de mais Clean Sheets em uma única temporada de Premier League, com 21 jogos sem sofrer gols. Outro jogador que, sem sombra de dúvidas, merece destaque, é o zagueiro Virgil Van Dijk, que conseguiu ficar a temporada inteira sem ser driblado, levando o prêmio de Melhor Jogador do Ano da UEFA, e ficando no top 3 da Bola de Ouro e do The Best.

Virgil Van Dijk melhor jogador da Europa 18.19
Virgil Van Dijk: melhor jogador da Europa 18/19. Foto: Divulgação / Twitter Uefa

EIS A QUESTÃO: QUAL EQUIPE FOI MAIS LETAL?

São duas equipes que venceram o maior campeonato de clubes do planeta, o que, com certeza, lhes proporciona um aspecto “divino”, e a história se constrói sob os pilares das glórias. Sendo assim, muitas vezes, somos cegados pelo saudosismo, e admiramos demais o que nem sempre aconteceu daquela maneira.

Quando analisamos minuciosamente ambas equipes, fica evidenciada a superioridade do time de 18/19, pois, além de terem conquistado o Mundial de Clubes (título inédito), também fizeram uma campanha consistente, devido ao estilo de jogo mais agressivo e acelerado imposto por Klopp, o que fez somar inúmeros gols, poucas derrotas e um exorbitante número de vitórias.

Além disso, as peças individuais se destacaram com maestria, mas não foram individualistas: jogaram pelo coletivo. Do outro lado, o modesto time de 04/05 está longe de ser ruim, mas não não possuía a mesma força de seu rival, nesta comparação. Era um time mais cadenciado, sem tanto brilho e com poucos nomes de referência, embora Gerrard tenha dito grande destaque.

Foto destaque: Reprodução/Getty Images

Lucas Augusto
Lucas Augusto
O jornalismo surgiu repentinamente na minha vida. Apesar de sempre ter gostado de escrever, pesquisar e, principalmente, me apresentar em público, confesso que não havia pensado nessa carreira. Contudo, após um período buscando jogar futebol de maneira profissional, me apaixonei ainda mais por esse esporte, o que me fez ter certeza que, jogando ou não, queria fazê-lo presente em minha vida. Assim, e por acreditar me encaixar nas características que um bom jornalista precisa ter, tive certeza que o jornalismo seria minha vida! Atualmente faço faculdade de jornalismo e produzo conteúdos audiovisuais para Youtube e Instagram, nos quais já realizei também entrevistas com atletas e jornalistas. Também tenho personalidade forte, espírito de liderança, gosto de fazer tudo da melhor maneira possível, além de ser focado, disciplinado e amar pesquisar para aprender mais. Acredito que quanto mais conhecimento tivermos, melhor.

Artigos Relacionados

Topo