Lionel “E.T.” Messi: o melhor do mundo faz 33 anos

Nesta quarta-feira (24), a Coluna Parabéns ao Craque homenageia a lenda do futebol mundial, Lionel Andrés Messi Cuccittini. Hoje, o “Camisa 10” completa 33 anos, sendo considerado o melhor jogador do mundo por seis vezes – quatro delas seguidas -. Portanto, o argentino acumula os principais títulos, tanto individuais quanto em grupo, como é o caso da Champions League e do Mundial de Clubes com a camisa do Barcelona. Além disso, Messi é o artilheiro da La Liga, do Barça e da Seleção Argentina. Sendo assim, a forma de jogar que esse “baixinho” tem é considerada de outro planeta e de desequilibrar qualquer adversário.

DETALHES DA INFÂNCIA

Lionel Messi sempre foi apaixonado por futebol. Ele só saía de casa com uma bola embaixo do braço. Dessa maneira, o Baixinho começou a jogar futebol com apenas cinco anos de idade no Abanderado Grandoli, em uma categoria para crianças, na sua cidade natal, Rosário, na Argentina. Todos já observavam que aquele menino tinha uma forma de jogar muito superior às crianças de sua idade.

No entanto, logo cedo, o craque foi diagnosticado com a Síndrome de Asperger, uma forma branda do autismo. Além disso, seus pais observaram que Messi era bem mais baixo que as crianças da idade dele e o levaram ao médico. Lá, detectaram que ele possuía um problema na produção de hormônios e teria que fazer um tratamento caro e doloroso. Portanto, por um tempo, a Acindar ajudava a pagar os medicamentos. Entretanto, não conseguiram mais ajudá-lo, e o pequeno Messi foi tentar uma nova vida em Barcelona.

A PAIXÃO PELO BARÇA

Com apenas 13 anos, Lionel Messi entrou no Barcelona. No entanto, o jogador só foi tentar uma vaga na Espanha porque nenhum time argentino queria arcar com o tratamento que ajudaria o atleta a crescer. O Barça viu muito potencial nele e custeou os medicamentos e a ida da família para o Velho Continente. Dessa forma, o craque estreou na equipe profissional em um jogo contra o Porto, em 2003, com incríveis 16 anos.

Entretanto, foi com 17 anos que Messi fez o seu primeiro gol no grande time, com assistência de ninguém menos que Ronaldinho Gaúcho. A partir daí é história. Na temporada de 2008/2009, o Barcelona acumulou todos os títulos possíveis, entre Champions League, Mundial de Clubes, Copa del Rey e La Liga. Sendo assim, a equipe contava com Xavi, Iniesta e Messi, além de Pep Guardiola como técnico.

2012 foi um ano muito especial para o E.T. Ele conseguiu bater o recorde de mais gols feitos durante o ano, com 91 bolas que balançaram a rede, indo parar no Guinness Book. Contudo, a cada ano que passa, Messi consegue bater  mais marcas impressionantes, como sendo o maior artilheiro e assistente do Campeonato Espanhol. Dessa maneira, por causa da forma de jogar diferenciada e imbatível, muitos fãs e admiradores consideram Lionel Messi um extraterrestre, como é o caso da paródia abaixo.

LAR, DOCE LAR

Em 2005, o jovem Lionel Messi ajudou a Argentina a levar a medalha de ouro do Mundial Sub-20 para casa. Entretanto, mesmo já tendo disputado quatro Copas do Mundo com a camisa do país do tango, ainda não conquistou nenhum título na fase adulta. Além de ser vice-campeão na Copa do Mundo, que aconteceu no Brasil, em 2014, o craque já ficou no quase por três Copas Américas.

Portanto, Messi é sempre criticado por não ter o mesmo nível que tem no Barça ou por não jogar na Argentina. Por isso, o atleta já deu até declarações de que não iria mais jogar pelo país, porém voltou atrás. Além disso, o atacante já afirmou em uma entrevista para o site oficial da Fifa que tem muita vontade de jogar no Newell’s Old Boys, um dos times que o revelou.

Sim, foi o que eu sempre disse, não? É um sonho de criança jogar com a camisa do Newell’s, embora eu não saiba se posso fazer isso acontecer. Mas isso não depende só de mim. Eu tenho três filhos.

Foto destaque: Reprodução/Getty Images

Nataly Lopes
Desde a adolescência, eu sempre fui apaixonada pelo Jornalismo. Sempre fui uma pessoa curiosa, determinada, que gosta de escrever e pesquisar. Eu estou no quarto período da graduação em jornalismo na UFAL e tive pouco contato com o mundo esportivo. Mas, já fiz algumas reportagens sobre. Sempre gostei muito de acompanhar esportes, principalmente futebol, e espero conhecer ainda mais essa área com essa iniciativa do Futebol na Veia.

Artigos Relacionados