Jornal lista as cinco piores contratações do Manchester City na "era Premier League" e inclui brasileiro (Foto: Reprodução/Reuters)

Considerado como um dos clubes mais ricos do mundo, o Manchester City acumula inúmeras contratações. Entre elas, algumas impactantes e de alto valor que se justificaram. Por outro lado, outros nomes badalados e promissores não deram bons frutos aos Citizens na chamada “era Premier League”. Assim, o jornal inglês “The Sun” publicou nesta terça-feira (22) as cinco piores chegadas no time que hoje é comandado por Pep Guardiola.

Em ordem cronológica, o nome de Jô, atualmente no Corinthians, aparece na lista. Dessa forma, contratado em 2008 junto ao CSKA, da Rússia, o brasileiro marcou um gol em nove jogos disputados na Premier League. Assim, nem mesmo os empréstimos a Everton e Galatasaray convenceram os ingleses.

Atualmente no Bayern de Munique, Boateng se juntou aos Citizens em 2010, juntamente com David Silva, Yaya Touré e outros nomes badalados. Contudo, as lesões não permitiram que o defensor atuasse muito. Com apenas 24 jogos, o atleta logo pediu para retornar ao seu país e se transferiu para o Bayern.

Menos badalado da lista, Jack Rodwell se juntou ao Manchester City em 2012. Entretanto, as lesões e outros jogadores de destaque limitaram o meia a apenas 25 jogos com o clube. Assim, logo foi negociado com o Sunderland.

Manchester City garantiu a contratação de Eliaquim Mangala oferecendo cerca de 42 milhões de libras ao Porto. Contudo, o desempenho com a camisa dos ingleses não convenceu. Logo, o francês acumulou empréstimos a Everton e Valencia, antes de se mudar de vez para os espanhóis.

Artilheiro no Swansea, Bony chegou ao City em 2015, mas não convenceu. Em 46 jogos, o atleta marcou 11 gols e logo se transferiu para o Stoke City, por empréstimo. Por fim, sacramentou seu retorno ao Swansea em definitivo no ano de 2017.

Foto Destaque: Reprodução/Reuters

Renan Liskai
Muito prazer! Sou Renan Liskai, paulista, natural de Santo André. Desde 1998 falando, respirando, sorrindo, chorando e enlouquecendo por futebol. A vida de goleiro não deu certo, mas o jornalismo sempre esteve ali. Descobri que se não podia estar dentro de campo ou das quadras, eu poderia estar do lado de fora, mas sempre vivendo tudo isso. Sou daqueles que não perde um jogo de futebol por nada, seja ele qual for. Costumo dizer que esse esporte é assunto mundial e que não há uma pessoa no mundo que nunca tenha falado sobre tudo que acontece dentro e além das quatro linhas. Assim como todo mundo, carrego uma história e experiências. Sou filho, irmão, neto, amigo e sempre serei um eterno aprendiz dessa vida.

Artigos Relacionados