Jorge Braga é escolhido CEO do Botafogo

Negócio fechado. O Botafogo definiu seu CEO (Chief Executive Officer) que vai trabalhar com a diretoria. O nome escolhido foi do executivo Jorge Braga, nome mais forte internamente. A princípio, o Glorioso realizou uma série de entrevistas com vários candidatos ao cargo mais farto do clube, contudo, o nome do executivo já era forte entre os gestores, e acabou por ser escolhido.

Currículo de Jorge Braga

Jorge Braga é um executivo muito poderoso no meio da economia. Bacharel em economia com extensões em Varejo, Marketing, Finanças e Sistemas de Informação com MBA em Serviços pela COPPEAD / UFRJ.

Como executivo, tem um histórico de soluções relevantes em preparação estratégica e criação de novos negócios. Então, sempre em posições executivas, tais como conselheiro, VP/Diretor Executivo/Gestor de Longa Distância, Diretor de Negócios Varejo, Gerente Geral, Diretor Comercial e Diretor de Marketing de empresas como Oi e Xerox Lexmark. Além disso, é sócio fundador da 360º, uma empresa respeitada de assessoria. Braga deixa o cargo de CXO (Diretor de experiência, traduzindo do inglês) da Claro para assumir a direção geral do Botafogo.

Próximos Passos

Os três focos são reforma, salários em dia e acesso à Série A. Todavia, segundo o novo CEO do Alvinegro, “Eficiência no método financeiro e controle gerará menos custo, menos falhas para pagar o que deve e um ambiente mais propício para o sucesso esportivo.”

Portanto, a principal demanda em cima de Jorge Braga será por redução de dívidas. Então, todos os setores do clube serão reavaliados com o foco de cortar despesas. Todavia, o clube garante que possíveis demissões não entraram nos planos até agora.

O novo CEO também vai definir um gestor jurídico que, junto do vice-presidente Marcelo Barbieri, terá a missão de começar um novo diálogo com o objetivo de renegociar prazos e valores das dívidas.

Então, com essas questões resolvidas, acredita-se que será mais fácil manter os salários em dia e dar uma constância esportiva ao clube. Para o futebol, por exemplo, a diretoria aposta no trabalho de Eduardo Freeland e do técnico Marcelo Chamusca. Por outro lado, os esportes olímpicos terão que ser autônomos.

Em suma, a garantia é de que o diretor geral terá liberdade para mudar a gestão alvinegra. Por razões processuais, o presidente Durcesio Mello sempre dará a palavra final. Contudo, quem vai mandar lá dentro será o novo gestor geral. Com a chegada do CEO, algumas mudanças devem correr mais rápido. Braga ainda vai avaliar os planos.

Foto Destaque: Divulgação / Vitor Silva / Botafogo

João Victor Freire
Alagoano, porém criado no Rio De Janeiro. 21 anos. Tenho pra mim que o Jornalismo é uma das profissões mais belas que existem, e é o que eu sei e gosto de fazer desde pequeno. E aliado a isso, tenho uma paixão por esportes.