A atleta Jéssica Alves está de volta, após ficar um tempo inativa se recuperando de uma lesão no ligamento cruzado anterior (LCA). Ao passo que agora ela retoma gradativamente as atividades no campo após quase nove meses parada. Dessa forma, ela se machucou atuando contra o Oriente, no campeonato gaúcho de 2020, e desde então vem focando em se recuperar para voltar 100% aos gramados.

Toda lesão é algo complicado. Ainda mais essa de LCA, mas pude trabalhar, juntamente com o departamento médico do clube, para retornar as atividades nas melhores condições possíveis.” 

Contudo, depois de cumprir o período de recuperação Jéssica iniciou há poucas semanas o trabalho de transição, treinando no campo três vezes por semana e fazendo reforço muscular duas vezes. O esforço da atleta gremista de voltar aos gramados acabou sendo recompensado no último sábado (18), onde a atleta foi relacionada para o jogo de estreia do estadual, diante do Brasil de Farroupilha.

“Fiquei feliz por poder voltar a treinar. Quando vi que a professora, Patrícia Gusmão, me relacionou para o jogo fiquei ainda mais contente. É uma sensação incrível poder estar de volta.” 

Por outro lado, a jogadora destacou a postura da treinadora em optar pela ida dela ao jogo apesar do curto tempo de treinamento. Além disso, exaltou o quão é importante tal postura para as atletas.

“Vejo que essa opção de me levar foi algo para além da tática ou técnica, claro passou por isso, mas vejo que foi algo mais por lado da confiança. Esta atitude me passou confiança e me mostrou que eu tenho plenas condições de estar ajudando a equipe da melhor forma possível. Atitudes como essa são muito importantes para nós atletas. Nos mostra que podemos. É algo que vai no psicológico e nos ajuda a continuar trabalhando.” 

A atleta gremista aproveitou a estreia diante do Brasil, onde a equipe ganhou por 1×0, e projetou o campeonato estadual complicado.

“O estadual não é fácil, vimos isso na estreia, todas as equipes têm o seu valor e devemos dar o nosso melhor para conseguirmos atingir nossos objetivos.” 

Foto: Jéssica Maldonado / Grêmio FBPA

Tathiane Marques
Na verdade, não fui eu que escolhi o jornalismo e sim ele que me escolheu. Sem dúvidas, a profissão é como um oceano que precisa ser desvendado na sua profundeza, só assim é possível conhecer e respeitar toda sua beleza.