Em primeiro lugar, o Internacional fechou a quinta temporada consecutiva, de maneira deficitária. Dessa forma, a última vez em que o Colorado terminou o ano, com as contas superavitárias foi em 2015. Durante o penúltimo ano da gestão Vitório Piffero. Nesta ocasião, o clube finalizou a temporada em R$ 27,5 milhões no positivo. Porém, à partir da temporada seguinte, o clube vêm acumulando temporadas no vermelho.

Inclusive, na temporada de 2016, último ano da gestão Piffero e do fatídico rebaixamento, o clube terminou com R$ 11,1 milhões de déficit. As contas dessa temporada, foram alvo de denúncias do Ministério Público. Em virtude de suspeitas de irregularidades e ainda passam por um processo de investigação. Na sequência, no primeiro ano da gestão Marcelo Medeiros, o clube registrou o prejuízo recorde de R$ 62,6 milhões.

Assim, depois do recorde deficitário de 2017. O Inter teve nos dois anos seguintes, os menores valores deficitários, desde 2015. Sendo eles, R$ 9,5 milhões, em 2018 e R$ 3 milhões, em 2019. Desse modo, em 2020, o Colorado esperava voltar a ter uma boa saúde financeira. Entretanto, devido as implicações da pandemia do Covid-19. Em setembro de 2020, a gestão Medeiros, estimou em R$ 63 milhões o déficit para a temporada. Nesse sentido, à partir desse valor, já era esperado alcançar o maior valor deficitário da história do clube.

Portanto, logo que as contas da última temporada, estão sendo analisadas por uma auditoria independente. O valor do déficit ainda não dito. Porém, conforme apuramentos da Gaúcha ZH, o real déficit é muito superior ao estimado. Além disso, pode ultrapassar a faixa dos R$ 90 milhões.

Um novo modelo de gestão dentro do Internacional

Diante desse difícil cenário, a gestão de Alessandro Barcellos, que tomou posse em janeiro deste ano. Assumiu com a promessa de profissionalizar o clube, utilizar mais a base e fazer um melhor uso da ciência de dados. Ainda mais, cortar gastos em todas áreas do clube, inclusive no futebol. Assim, na principal área do clube, a gestão já cortou cerca de R$ 2 milhões da folha.

Assim, a meta é encerrar a temporada 2021 sem déficit. Até mesmo, podendo ficar com um pequeno superávit de R$ 200 mil. De acordo com o plano orçamentário aprovado pelo Conselho Fiscal. Entretanto, para que todas as metas sejam alcançadas, será necessário reduzir ainda mais as despesas. E principalmente chegar ao valor estipulado de R$ 90 milhões em vendas de jogadores.

Foto destaque: Divulgação/Internacional

Leonardo Oliveira
Leonardo Oliveira
Sou Gaúcho, tenho 21 anos e estudo Jornalismo na Universidade Federal de Pelotas, além disso, como grande aficionado a área esportiva, não consigo imaginar nada que me deixe mais realizado do que falar sobre futebol.

Deixe uma resposta