A importância da narração esportiva

Para que um espetáculo seja bem-sucedido é preciso de artistas, de pessoas que saibam organizar este evento e conduzi-lo até o final, sem nenhum problema, um mestre de cerimônia para entreter o público quando o “show” não estiver tão interessante, prendendo sua atenção. No mundo esportivo os artistas são os atletas, a quem muitos idolatram e veneram, mas que também os detestam, dependendo da situação. Os organizadores são os patrocinadores; televisão, rádio, e todos os interessados em lucrar com o evento. O público é fã do espetáculo, ele é quem sente todas as emoções a flor da pele. Mas para tal emoção chegar até o torcedor, é preciso de um contador de histórias, tanto as com “H”, quanto as com “E”. Este é o mestre de cerimônia, o descritor dos detalhes, o relator da imaginação, o transmissor de emoções, o narrador.

Segundo Heródoto Barbeiro (2012, p. 67), “ainda hoje, por vezes, o ator principal do espetáculo é o narrador, e em torno dele gira a transmissão. Ele adquire mais importância do que o próprio jogo […].”

Este profissional atua em veículos de comunicação como televisão, rádio e internet, na transmissão de eventos esportivos em todas as categorias. Quem não pode ir ao local da disputa esportiva, utiliza um desses recursos adquiridos com o passar dos anos para acompanhar de casa ou onde estiverem. No rádio, por exemplo, segundo o mestre em comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi, Daniel Baptista Madrigal (2009, P.12), “jogando com o imaginário do fanático torcedor, o locutor cria um lance mais bonito do que a realidade. É uma descrição sempre emocionante, precisa e rica em detalhes”, que em geral, dá um tom de humanidade na transmissão.

A paixão pelo esporte no Brasil é empolgante, a vitória por um jogo é mais sofrida e o espetáculo mais vivo. Todos estes sentimentos que o torcedor tem sem ter ido ao espetáculo, o locutor é quem o faz sentir. O responsável por tudo isso foi Nicolau Tuma que fez a primeira transmissão de um jogo de futebol do rádio brasileiro, em 19 de Julho de 1931. “A emoção na hora do gol sempre respondeu ao grito que vinha das arquibancadas.” (MADRIGAL, 2009, p.14).

O narrador esportivo faz parte do espetáculo, é o apresentador dos maiores eventos do mundo: a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos.
E são esses profissionais que contam ao mundo, tudo o que querem saber sobre os jogos, desde fatos a curiosidades, de estatísticas a entrevistas, além de acompanhar cada movimento dos jogos.

Tendo o futebol como a maior paixão nacional, faz do narrador um destaque na transmissão, seja entretendo, dando detalhes que o espectador desconhece ou simplesmente narrando um gol. Assim, conhecer melhor sobre a história dos principais narradores esportivos do Brasil torna-se importante, afinal eles fizeram ou fazem parte da vida de muitos pais, avôs e talvez até bisavô; diversos leitores amantes de esporte. Deste modo, saber o nome do primeiro narrador esportivo, do primeiro a narrar uma partida de futebol, a narrar um gol, a fazer a transmissão de um jogo de Copa do Mundo ou Olimpíadas, é entrar na história, conhecer a fundo a construção de uma das mais valiosas e populares mídias, o rádio.

Evoluindo nas transmissões até o invento da mídia audiovisual, e mais futuramente a internet, sem deixar de se reinventar, para a autora Edileuza Soares (1994. p.109), “o rádio continua muito à frente na transmissão das emoções do jogo, mas com a TV, o rádio está se reinventando, porém, por mais inovações que a TV apresente, o rádio sempre terá seu público.”

Para mostrar a importância que o rádio brasileiro tem, alunos de jornalismo da faculdade Anhanguera, elaboraram um livro como TCC sobre os três maiores locutores esportivos do rádio brasileiro, segundo votação com os jornalistas entrevistados. O livro conta com tecnologia chamada QRCode, que possibilita que, a cada capítulo, você acompanhe além da leitura, um vídeo-documentário com os jornalistas e narradores que viveram direta ou indiretamente com os narradores mais votados, contando histórias e momentos marcantes.

Dê uma olhada nos links abaixo e confira os vídeos do livro chamado “OS MESTRES DO ESPETÁCULO”, que conta a história e a trajetória de Osmar Santos, José Silvério e Pedro Luiz Paoliello.

www.youtube.com/channel/UC409zjKsJ9Xb6nfGhXvWU4g

Eric Filardi

Sobre Eric Filardi

Eric Filardi já escreveu 1233 posts nesse site..

Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 27 anos, jornalista pós-graduado em Jornalismo Esportivo e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, Peixe, Palestra e Timão. Sou da Colina, Glorioso, Flu e Mengão. Sou brasileiro, hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 x 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões. Sou Clássico das Multidões. Sou Sul, Nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, Raposa, Bavi e Grenal. Sou Ásia e África. Sou Barça e Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia: sou Futebol na Veia.

BetWarrior


Poliesportiva


Eric Filardi
Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 27 anos, jornalista pós-graduado em Jornalismo Esportivo e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, Peixe, Palestra e Timão. Sou da Colina, Glorioso, Flu e Mengão. Sou brasileiro, hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 x 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões. Sou Clássico das Multidões. Sou Sul, Nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, Raposa, Bavi e Grenal. Sou Ásia e África. Sou Barça e Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia: sou Futebol na Veia.
http://www.ericfilardi.com.br

Artigos Relacionados

Topo