Gaúcho, ídolo do Flamengo

Luís Carlos Tóffoli, conhecido como Gaúcho, nasceu em Canoas, Rio Grande do Sul, em 7 de março de 1964. Iniciou a sua carreira no futebol na base do Flamengo. Ora, teve passagem por outros quatro clubes até chegar ao Palmeiras, em 1988. Nessa semana, a coluna Catimbando conta a história desse grande jogador.

Assim, naquela época, o regulamento do Campeonato Brasileiro funcionava da seguinte forma: se um jogo terminasse em empate, haveria uma disputa de pênalti valendo um ponto. Em uma partida do time paulista contra o Flamengo, o goleiro palmeirense, Zetti, se lesionou. Com as três alterações já feitas, a única solução foi colocar Gaúcho no gol. “Eu vou pegar os pênaltis e vamos ganhar”, ele disse antes das penalidades e assim o fez. O ex-centroavante agarrou dois pênaltis, e o Palmeiras venceu o jogo.

Foi no ano de 1990 que o ex-centroavante retornou ao Flamengo e tornou-se ídolo na torcida. Vestindo a camisa rubro-negra, foi artilheiro do Campeonato Carioca, o qual conquistou, como também a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro. Então, em 91, foi artilheiro da Libertadores. Dessa maneira, ficou bastante conhecido no Rubro-Negro também por suas comemorações, grande parte delas ao lado de Djalminha e Paulo Nunes. Assim, em uma delas, depois de um gol em cima do Botafogo pela Taça Rio de 1991, comemorou fazendo uma alusão a música da apresentadora Xuxa, “beijinho, beijinho, tchau, tchau”.

(Reprodução: Lance.com)

LEIA MAIS

  • Gustavo Costas, o Racing em pessoa
  • José Raúl Iglesias, ex-San Lorenzo, Huracán, Racing e Barcelona (B): o Martín Palermo dos anos 80
  • A vitórias brasileiras em La Bombonera

IDA AO BOCA JUNIORS

(Reprodução: Imborrable Boca)

Em 1991, o Boca, que estava há quase 10 anos sem ganhar um título argentino, só pensava em levantar a taça do Campeonato Argentino. Dessa maneira, além da falta de Latorre, os Xeneizes ainda contavam com a ausência do atacante e artilheiro Batistuta. O jogador fazia muitos gols e história no time de La Bombonera, que naquele momento estava com a Seleção Argentina. Assim, o clube precisava muito encontrar um jogador a altura de seu atacante. Gaúcho foi esse cara (aparentemente).

A final daquele campeonato foi contra o Newell’s Old Boys, time do técnico Marcelo Bielsa. Enquanto isso, ao contrário do que muitos esperavam, Gaúcho não agradou muito os argentinos. Na primeira partida da final, o ex-centroavante chegou a jogar os 90 minutos, mas os Xeneizes perderam por 1 x 0. No segundo jogo, o Boca ainda conseguiu empatar a disputa, mas perdeu o título nos pênaltis. Gaúcho foi substituído aos 33 minutos e saiu vaiado pela torcida.

O centroavante foi muito criticado entre os argentinos. Além disso, o blog Imborrable Boca chegou a escrever em uma postagem que o jogador não demonstrou nada em campo, além de não entenderem porque haviam o levado. “Deixou o campo sem barro nas meias. Imperdoável”, completaram.

O QUE ACONTECEU DEPOIS?

Quando recebeu uma proposta para jogar na Itália pelo clube do Lecce, em 1993, Gaúcho aceitou. Contudo, não teve tanto sucesso como teve no time Rubro-Negro e jogou apenas cinco jogos. Retornou ao Brasil e, logo depois, jogou por Atlético-MG, Ponte Preta, Fluminense e Anápolis.

(Reprodução: Wikipédia)

PÓS CARREIRA

Luís Carlos Tóffoli pendurou as chuteiras no ano de 1996. Além disso, ele chegou a comandar o Cuiabá, Mixto e Luverdense, mas não continuou com a carreira de técnico. Dessa maneira, o ex-jogador teve a sua vida interrompida em 17 março de 2016, vítima de um câncer de próstata.

Foto Destaque: Reprodução/Diário Jornada

Avatar
Joana Lacerda
Fazendo uma junção das coisas que eu mais amo: esportes, jornalismo e escrita; cheguei a conclusão de que era o jornalismo esportivo que eu queria para a minha vida. Me resumo como uma baiana estudando na capital do Brasil com o objetivo de alcançar o que tanto desejo, que é trabalhar nessa área do esporte e me capacitar cada vez mais!

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta