Após anos vitoriosos com o Barcelona, Luis Suárez brilha com a camisa do Atlético de Madrid. Dessa maneira, o uruguaio é o atual artilheiro da La Liga com 16 gols. Assim, ajuda a manter os Colchoneros no topo da competição. Por outro lado, em entrevista ao jornal “France Football“, antecedente ao duelo diante do Chelsea, pela Champions League, o Pistolero revelou sua mágoa após a conturbada saída dos Culés.

O que realmente me incomodou foi que me dizer que eu era mais velho e que não podia mais jogar no mais alto nível, estar no nível de uma grande equipe. Foi isso que me aborreceu. Eu não seria feliz onde as pessoas não me queriam mais”, disse o camisa 9.

Por outro lado, o atacante revelou quais suas formas de lidar com maus momentos, e, além disso, mostrar que ainda pode ser útil.

O essencial é a mente. É muito importante ter a cabeça forte e sentir que você tem os meios para reverter situações difíceis. Sempre foi uma das minhas características: nunca desisti, mesmo nos momentos difíceis“, disse Luis Suárez. “Uma das minhas motivações foi poder mostrar que ainda podem contar comigo. É uma questão de auto-estima. Depois de todos estes anos no Barça, queria mostrar que ainda posso ser útil ao mais alto nível, dentro da elite espanhola”, completou o uruguaio.

Suárez vestiu a camisa do Atlético de Madrid em 24 oportunidades, marcando 16 gols. Entretanto, nenhum deles pela Champions League. Dessa maneira, o uruguaio busca seu primeiro tento com os Colchoneros na competição nesta terça-feira (23). Assim, os espanhóis enfrentam o Chelsea, partida válida pela ida das oitavas de final do torneio.

Foto Destaque: Reprodução/Getty Images

Bruno Reis
Bruno Reis
Prazer! Sou Bruno Reis, de Santo André, ABC paulista. Desde 2001 vivo, choro e sorrio por futebol. Costumo dizer que este esporte nunca será qualquer um, ele muda e transforma vidas, como fez com a minha. Próximo do término do ensino médio, me senti perdido, me perguntava qual seria meu rumo a partir dali. Apesar de não ter dado certo dentro de campo, percebi que tinha chegado a hora de viver do futebol fora dos gramados, como jornalista. Hoje não me vejo longe dessa profissão, virou minha paixão. O que mais amo fazer é escrever e viver dele com todas as minhas forças.

Deixe uma resposta