Emprestado pelo Barcelona ao Betis, Emerson Royal entra na mira do PSG (Foto Destaque: Reprodução/Getty Images)

O PSG segue movendo suas peças para reforçar o elenco vice-campeão europeu. Assim, segundo o jornal “France Football“, Leonardo, diretor do clube, tem interesse na contratação de Emerson Royal. Dessa maneira, o lateral-direito segue emprestado pelo Barcelona ao Real Betis. Entretanto, sua passagem pelos Béticos se encerra no dia 30 de junho, e, com isso, o brasileiro deve retornar aos Culés.

Comprado junto ao Atlético Mineiro em janeiro de 2019, Barcelona e Real Betis desembolsaram seis milhões de euros cada para adquirir os direitos do atleta. Assim, o defensor não chegou a atuar pelos catalães e seguiu a Sevilla para defender a equipe comandada por Manuel Pellegrini. Desse modo, no fim de seu vínculo com os Béticos, os Culés teriam de desembolsar mais seis milhões de euros para comprar os outros 50% do jogador.

Entretanto, a boa fase de Sergiño Dest, lateral-direito titular do Barcelona, agrada Ronald Koeman, atual técnico da equipe. Além disso, Sergi Roberto, reserva imediato, encerra seu vínculo com os catalães em junho de 2022. Assim, a diretoria do clube teria que decidir em seguir com o espanhol e vender Emerson Royal ou negociar Sergi e adquirir o brasileiro.

Além do PSG, Emerson interessa a Milan, Inter de Milão e Bayer Leverkusen. Desse forma, segundo o site “Transfermarkt“, o valor de mercado do defensor gira em torno de 25 milhões de euros (cerca de R$ 162 milhões). No verão passado, os Rossoneros demonstraram interesse no atleta. Assim, neste momento, estariam dispostos a oferecer 20 milhões de euros para contar com o jogador que acumula 69 jogos com a camisa do Real Betis, anotando cinco gols.

Foto Destaque: Reprodução/Getty Images

Avatar
Bruno Reis
Prazer! Sou Bruno Reis, de Santo André, ABC paulista. Desde 2001 vivo, choro e sorrio por futebol. Costumo dizer que este esporte nunca será qualquer um, ele muda e transforma vidas, como fez com a minha. Próximo do término do ensino médio, me senti perdido, me perguntava qual seria meu rumo a partir dali. Apesar de não ter dado certo dentro de campo, percebi que tinha chegado a hora de viver do futebol fora dos gramados, como jornalista. Hoje não me vejo longe dessa profissão, virou minha paixão. O que mais amo fazer é escrever e viver dele com todas as minhas forças.