Lars Windhorst

Enquanto os rivais estão colhendo os resquícios da crise que foi resultado da pandemia do novo coronavírus, o Hertha Berlin está sonhando cada vez mais alto. Isto porque o novo investidor do clube alemão, Lars Windhorst, fez um investimento de 169 milhões de euros, mais de 1 bilhão de reais, no time de Berlim. Windhorst é um empresário alemão e co-fundador do Sapinda Group.
Hoje a companhia de investimentos, situada na Alemanha, recebe o nome de Tennor Holding. Em 2015, ele foi classificado no Sunday Times Rich List, com seu patrimônio líquido relatado em 320 milhões de libras. Com o recente capital investido no Hertha Berlin, o empresário de apenas 43 anos irá obter cerca de 60% dos investimentos do clube.

E agora, Hertha Berlin?

Tamanha imponência trouxe a Lars Windhorst o título de atual “dono” do time alemão. Para ele, os investimentos ajudarão o Hertha a alcançar sua meta de sucesso internacional. Uma vez que agora a situação financeira é favorável, é preciso que os responsáveis do clube aproveitem ao máximo tamanha oportunidade.
O empresário é otimista e em diversas entrevistas deixou claro que deseja ver o Hertha como “o grande clube da cidade”, assim como os times de Londres, Paris e Madrid. Desse modo, o time que agora terá um status ainda maior, poderá também provocar maiores impactos durante a janela de transferências na Europa. Somente em janeiro, o Hertha gastou um valor estimado de 83 milhões de euros em jogadores, mais do que qualquer outro time do mundo.
Por exemplo, o meio-campista Lucas Tousart, do Lyon, será a mais nova contratação para a próxima temporada. Outros nomes como o goleiro alemão Kevin Trapp, Luka Jovic, do Real Madrid, ou Ricardo Rodríguez do AC Milan, também já foram associados ao time de Lars Windhorst.
Foto Destaque: Reprodução/Andreas Gora/AP
Stella Vicente
Meu nome é Stella, tenho 19 anos e estudo Jornalismo na Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) – mas sou paulista do interior. Gosto de ler e escrever desde que me entendo por gente e o esporte sempre foi uma das minhas grandes paixões, grande parte devido à influência do meu pai. Foi por conta desse sentimento que surgiu a vontade de fazer jornalismo. Hoje eu percebo que me encontrei nessa profissão emocionante e espero conquistar grandes coisas na área esportiva, principalmente no que diz respeito ao meu amor maior: o futebol.

Artigos Relacionados