O maior nome do futebol na Terra da Rainha hoje é, sem sombra de dúvidas, o furacão Harry Kane. Com apenas 24 anos e 27 jogos pela seleção, o camisa 9 debuta em Copas do Mundo e carrega consigo a faixa de capitão. Mas, mais do que isso, o centroavante por repetir a marca alcançada por somente um jogador inglês no mundo.

Gary Lineker, , foi durante muito tempo o segundo maior artilheiro da seleção britânica. Com 48 gols, ele ficou atrás somente da lenda Bobby Charlton, que tem 49, até ser ultrapassado por Wayne Rooney em setembro de 2015. Hoje, Rooney é o inglês com mais gols pela seleção, com 53 tentos.

A marca a ser alcançada

Lineker é também o principal goleador da Inglaterra em Copas do Mundo. Com duas edições disputadas, em 1986 e 1990, ele balançou a rede 10 vezes em 12 partidas. Foi também em sua estreia que ele fez história ao se tornar o primeiro dos Três Leões a conquistar a artilharia do mundial, com seis gols. De lá pra cá, passadas sete copas e com a oitava em andamento, nenhum atleta inglês conseguiu tal feito.

E então, chega Harry Kane. Foram três confrontos em que esteve dentro de campo e seis vezes balançando a rede. Kane já igualou o número de gols de Lineker naquele ano e lidera a lista de goleadores na Rússia. Na cola dele estão Lukaku, da Bélgica, com quatro gols, e Dzyuba e Cheryshev, da Rússia, Mbappé, da França, e Cavani, do Uruguai, com três gols.

Capitão inglês converte pênalti contra a Colômbia e anota seu sexto texto na Copa do Mundo da Rússia (Reprodução/FIFA.com)

Kane dificilmente alcançará os 10 gols de Lineker ainda na Rússia. Porém, o jovem atacante se encaminha para ser um dos maiores nomes da história da seleção. Os números impressionam. Foram 19 gols em 27 partidas, média de 0,70. Para efeito de comparação, Wayne Rooney tem média de 0,44 gols por jogo. Bobby Charlton e Gary Lineker têm 0,46 e 0,60, respectivamente.

Guilherme Guidetti
Guilherme Guidetti, paulista, nascido em São Caetano do Sul no dia 17 de fevereiro de 1994, mas residente de Santo André desde os primeiros dias de vida. A paixão por futebol vem da família, enquanto o gosto por escrever foi herdado do pai, caminhoneiro. Habilidoso com a canhota – exclusivamente segura a caneta na mão –, realiza diariamente o sonho de ficar perto do esporte através do jornalismo. De apresentador de programa de rádio a assessor de imprensa, sua ainda curta carreira na profissão já foi o suficiente para saber que faz aquilo que mais ama – e o faz com a mesma paixão com que joga bola com os amigos.

Artigos Relacionados