Gourcuff, o “novo Zidane” que não se firmou

- O meia que ficou entre os vinte melhores do mundo, hoje está sem emprego
gourcuff

Assim como o Brasil, a França revela diversas joias anualmente para o futebol mundial. Em 2004 não foi diferente. Naquele ano, surgia nas categorias de base da Seleção Francesa e do clube Rennes, o menino Yoann Miguel Gourcuff de apenas 17 anos.

Em uma época que os Les Bleus estavam em busca de um possível sucessor para o craque Zinedine Zidane, o meia Gourcuff se destacava e encantava os torcedores com sua classe e muita qualidade com a bola nos pés. Qualidade essa, que lhe rendeu o apelido de Petit Zidane, em português, Pequeno Zidane.

Porém, anos se passaram e o atleta não se mostrou tão qualificado e as expectativas em cima do garoto não foram alcançadas. Por isso, esta semana, a coluna Além dos Bleus trará a história desse jogador.

SURGE O NOVO ZIZOU

Filho do treinador e ex-jogador Christian Gourcuff, Yoann Gourcuff surgiu no futebol mundial como uma das maiores promessas francesas naquele tempo. Com um início bem empolgante e uma qualidade bem acima da média, László Bölöni, o mesmo que esteve presente na formação de Cristiano Ronaldo, no Sporting, revelou o jogador francês.

Em 2004, fez seus primeiros jogos como profissional com a camisa do Rennes. Porém, foi em 2005 que o jogador se destacou no cenário do futebol. Yoann Gourcuff usando a camisa 10 e sendo um dos principais jogadores do país, foi muito importante para a equipe dos Vermelhos e Pretos, fazendo assim, a equipe se classificar para a Champions League daquele ano.

A FRUSTAÇÃO EM MILÃO

Com esse alto desempenho, o meia chamou a atenção de diversos clubes grandes do futebol europeu. Sendo assim, o Milan, em 2006, com a saída de Del Piero, assinou com a promessa francesa por cinco anos, com os valores que giraram em torno de 4,5 milhões de euros.

Entretanto, Gourcuff não se adaptou ao clube rossonero e não rendeu o que se esperava nas duas temporadas em Milão. O meia marcou apenas três gols e deu sete assistências em 54 partidas pelo clube italiano. Além disso, recebeu duras críticas da imprensa, torcida e até de Paolo Maldini, ídolo clube, que disse que o jogador parecia quase um estranho no elenco.

Com isso, em julho de 2008, o calouro voltou a atuar no futebol francês e assinou por empréstimo com a equipe do Bordeaux.

O RECOMEÇO DO MELHOR JOGADOR FRANCÊS DO ANO

Com desempenhos ruins no Milan, Yoann Gourcuff tinha muito mercado e ainda era muito assediado no futebol europeu. Sendo assim, o jogador voltou ao futebol francês, mas agora, na equipe do Bordeaux.

Lá, finalmente a promessa francesa jogou o que se esperava e foi fundamental para o clube nas conquistas da Ligue 1, Copa da França e da Super Copa da França, anotando 24 gols e 27 assistências em 95 jogos pelo time, sendo estas, as melhores temporadas da carreira do jogador.

Com isso, o meia acabou sendo o melhor jogador francês do ano, melhor do Campeonato Francês e ficou entre os 20 melhores jogadores do mundo no ano de 2009, na eleição da revista France Football. Além disso, passou a ser convocado com frequência para a seleção principal da França, e foi aí que recebeu o apelido de Petit Zidane, que em português quer dizer Pequeno Zidane.

Dessa forma, o Bordeaux procurou o Milan para ficar em definitivo com o jogador. A equipe francesa desembolsou cerca de 15 milhões de euros para sua permanência. Tendo em vista o bom rendimento do atleta, os valores gastos pelo clube para contar com Gourcuff valeram a pena.

O DESTAQUE DE UMA SELEÇÃO SEM GLÓRIAS

No ano de 2010, Raymond Domenech convocou o meia para disputa da Copa do Mundo. A Seleção Francesa teve uma campanha frustrante e não passou nem da 1ª fase, ficando em último lugar no seu grupo. Porém, Gourcuff se destacou, e logo após o fim do campeonato mundial, a equipe do Lyon pagou cerca de 20 milhões de euros para o Bordeaux, e assinou um contrato de 5 anos com o atleta.

https://twitter.com/EURO2020/status/1281891481654001664?s=20

A FALTA PROMESSA

A mais nova contratação do Olympique Lyonnais fez sua estreia já em agosto, contra o Montpellier. Porém, meses se passaram e o jogador não mostrou um bom rendimento dentro de campo e sofrendo diversas lesões durante os cinco anos na equipe do Lyon.

A passagem foi tão pífia pelo clube, que o jogador atuou apenas 131 vezes, o que não equivale nem 50% das partidas. Além disso, Gourcuff marcou apenas 19 gols e sofreu 12 lesões durante o período que atuou pelos Les Gones.

Assim, em 2015, quando acabou seu contrato com a equipe do Lyon, Gourcuff ficou sem nenhum clube para atuar. Entretanto, Petit Zidane assinou por três anos com seu ex-clube Rennes, em setembro daquele ano. Mas, o jogador não atuou com muita frequência e marcou apenas sete gols em 53 jogos. Com isso, em 2018, Gourcuff se transferiu para o Dijon, aquela que parecia sua última esperança e chance de mostrar a todos que tinha ainda muita qualidade.

PETIT ZIDANE ESTÁ DESEMPREGADO

Depois de seis meses na equipe do Dijon, Gourcuff, com problemas no joelho, foi dispensado do elenco, e até hoje está afastado do futebol e das mídias. Segundo alguns jornais franceses, o jogador não tem vontade de voltar aos gramados. Assim, hoje investe no tênis, esporte esse, que o atleta jogava muito bem em sua adolescência e por pouco não se tornou profissional.

Foto Destaque: Divulgação/Lyon

Gustavo Oliveira
Gustavo Oliveira
Bom, eu escolhi jornalismo pois quero estar cada vez mais perto do esporte e também por querer ter uma certa relevância e poder, através do esporte, influenciar pessoas a fazerem o bem. Além disso, acho prazeroso fazer qualquer coisa que esteja ligada com o esporte e o jornalismo me proporciona isso.

Artigos Relacionados

Topo