La Bombonera

Ainda sem uma previsão da volta do futebol nas principais ligas sul-americanas, as Eliminatórias para a Copa do Mundo do Catar no continente seguem, igualmente, indefinidas. Assim, na Argentina, que já decidiu por encerrar a temporada, se discute onde a Seleção mandará os jogos no classificatório. Tradicionalmente, a Albiceleste atua no estádio Monumental de Núñez, casa do River Plate. Todavia, a depender do técnico Lionel Scaloni, os dias dessa sinergia podem estar contados.

Isso porque, em entrevista ao canal TyC Sports, o treinador da Seleção Argentina revelou o desejo de ver a equipe mandando partidas no Estádio La Bombonera, do rival Boca Juniors. Além disso, confessou que outros palcos clássicos do futebol argentino podem servir de parada para o selecionado do país:

Vamos conversar com a AFA nas próximas semanas e definir o nosso estádio das Eliminatórias. Não nego que gosto da possibilidade de atuar na La Bombonera. Além da La Bombonera, eu gostaria de mandar os jogos em um dos estádios do Rosário. O campo do Newell's é difícil e quando ele fica cheio o adversário sente a pressão, assim como no Gigante de Arroyto” – afirmou Scaloni.

Leia mais:

INSUCESSOS FORA DO MONUMENTAL

No entanto, caso realmente tomada, a decisão deve gerar polêmica desagradando parcela dos torcedores. Pois, nas últimas vezes em que esteve em dificuldades nas Eliminatórias, a Argentina preferiu jogar fora do Monumental de Núñez. Assim, para os apoiadores da medida, o campo do River Plate é visto como frio, sendo preferível um estádio em que os torcedores fiquem mais próximos do gramado e, consequentemente, dos jogadores.

Dessa forma, em 2010, o então técnico da Seleção Argentina, Diego Maradona, atualmente no Gimnasia y Esgrima, preferiu mandar um dos jogos finais das Eliminatórias no estádio do Rosário Central. Todavia, a estratégia se mostrou errada já que a equipe foi derrotada para o Brasil por 3 x 1. Enquanto que, em 2018, comandados por Jorge Sampaoli, hoje técnico do Atlético-MG, a La Bombonera foi escolhida para o duelo diante do Peru. Apesar de ser a pedida da vez de Scaloni, naquela época, o estádio não ajudou muito e a Argentina saiu com um empate e sob vaias da torcida.

SELEÇÃO E LA BOMBONERA

Mas se engana que os insucessos recentes no La Bombonera atestem um desempenho ruim atuando no estádio. Pois, olhando as estatísticas, é válido o desejo de Lionel Scaloni. Assim, em 31 partidas no estádio, a Argentina soma 20 vitórias, nove empates e apenas duas derrotas. Logo, são quase 75% de aproveitamento na casa do Boca Juniors. Dessa forma, no último grande jogo, a Albiceleste derrotou o Brasil no Superclássico das Américas de 2012 por 2 x 1. No entanto, como havia perdido no jogo de ida, nos pênaltis, ficaram com o vice-campeonato.

Além disso, nunca uma seleção da América do Sul venceu a Argentina no estádio mais famoso do país. Em 1971, a França foi o algoz e, em 1977, foi a vez da Alemanha derrubar os donos da casa. Dessa forma, há mais de 40 anos que a Albiceleste não perde em La Bombonera. A saber, a última partida no local foi em maio de 2018 no amistoso contra o Haiti em que goleou por 4 x 0 com um hat-trick de Lionel Messi e o derradeiro de Agüero.

Foto destaque: Reprodução / Juan Mabromata / AFP – Getty Images

Ricardo do Amaral
"Alvíssaras! Sou Ricardo Accioly Filho, pernambucano de 27 anos, advogado e estudante de jornalismo pela Uninassau. Tenho como mote que “no futebol, nunca serão apenas 11 contra 11”; é arte, é espetáculo, humanismo, tem poder de mover multidões e permitir ascensões sociais. Como paixão nacional do brasileiro, o futebol me acompanha desde cedo, entretanto como nunca tive habilidade para praticá-lo, busquei associar duas vertentes de minha vida: o prazer pela leitura e o esporte bretão. Foi nesse diapasão que encontrei no jornalismo esportivo o elo de ligação que me leva a difundir e informar o que, nas palavras de Steven Spielberg, é o “mais belo espetáculo de imagens que já vi”."

Artigos Relacionados