O Borussia Mönchengladbach ou Gladbach terminou o ano com um déficit de 16,8 milhões de euros. Assim, o diretor de negócios Stephan Schippers demonstrou o balanço entre 1 de janeiro a 31 de dezembro de 2020. Desse modo, ele mostrou os efeitos da pandemia. Além disso, o Borussia gerou receitas de € 163,4 milhões durante o ano passado. Isso representa uma queda de cerca de € 50 milhões em relação ao ano anterior.

Além disso, o clube não aceitou o dinheiro publico em forma de empréstimo e achou melhor achar outras maneiras para não ficar muito no prejuízo. No entanto, ele não quis falar muito sobre o futuro, pois é um incógnita. Contudo, ele espera o quanto antes o retorno dos torcedores nos estádios para aumentar a receita do time. Ademais, falou sobre a saída de Marco Rose e falou sobre a confiança em Max Eberl.

Por fim, voltou a afirmar é o Gladbach é um clube de valores e que o diretor esportivo compartilha esses valores. As atitudes e valores são a base do sucesso esportivo do time na Alemanha e também em outras competições internacionais.

GLADBACH E TODA A HISTÓRIA DESSE DÉFICIT

Antes de mais nada, durante 9 meses e meio, de meados de março ao final de dezembro, o clube sofreu com a falta de torcedores no estádio, reduziu a receita de TV, perdeu receita de patrocínio e publicidade. Além disso, o time não vendeu nenhum jogador e preferiu deixar o elenco unido.

O diretor reconheceu a Liga do Campeões, os torcedores como parte muito importantes nesse resultado, que permaneceram mesmo em meio a tudo isso. Desse modo, ele afirma que os valores que o Gladbach segue é firme e é motivo para muitos terem permanecido. Assim, a torcida recusou o reembolso dos ingressos já adquiridos e os patrocinadores aceitaram diferentes formas de compensar em troca do acordo feito antes.

Foto Destaque: Reprodução/ IMAGO

Avatar
Nicollas Almeida
Escolhi o jornalismo porque queria contar histórias, participará dela também. Já estagiei na assessoria de imprensa de um órgão do governo do Rio de Janeiro. Fiz trabalhos voluntários no meio religioso e político, participei de um programa de debate na rádio na faculdade.

Deixe uma resposta