Fluminense x Vasco

Nesta terça-feira (30), Fluminense e Vasco se encontram para disputar uma partida. Apesar de estarem em lados opostos no campo, os dois somam um prejuízo de mais de R$ 7 milhões. Ou seja, a bilheteria fez falta para ambos os times. Entretanto, o Gigante da Colina teve uma perda de R$ 2.127.712,54, enquanto o Fluzão, com taxas mais altas do Maracanã, perdeu R$ 5.348.450,78 em custos. 

Do mesmo modo, os jogos com portão fechado trouxeram problemas financeiros aos clubes. Em outras palavras, as receitas das bilheterias cobriam os custos operacionais. Sem elas, as partidas começaram a trazer detrimento aos clubes. Além disso, o São Januário recebeu 93% dos jogos do Vasco sem torcida.

De acordo com dados do GE, as maiores despesas do Fluminense foram em jogos no Maracanã. Nesse sentido, o time tricolor disputou 70% de 34 jogos no Estádio Jornalista Mário Filho, sendo 30 como mandante e quatro como visitante com despesas.

Expectativa x realidade

Em primeiro lugar, antes da pandemia, Fluminense e Vasco tinham grandes expectativas quanto às bilheterias. Mas a realidade foi totalmente oposta. Sendo assim, o time cruzmaltino orçou 20 milhões para 2020, enquanto o Tricolor esperava 14 milhões.

Agora, com a chegada das vacinas em 2021, os clubes continuam sem previsão para volta da torcida. Embora haja a incerteza, o Fluminense fez uma previsão de R$ 19 milhões. Enquanto a do rival se manteve distinta, com o orçamento de R$4 milhões.

Gastos

Atualmente, a partida mais cara do Vasco foi de R$ 94.066,04 no jogo contra o Flamengo, que ocorreu em São Januário no ano de 2020. Enquanto o Fluminense gastou R$207.966,28 em despesas contra o Vasco, onde a partida aconteceu no Estádio do Maracanã em 2020. Além disso, o rombo do time tricolor pagaria cerca de duas folhas salariais para o elenco do time.

Partida

Agora, os times se encontrarão nesta terça-feira (30) pela 7ª rodada do Campeonato Carioca. A partida ocorre às 21h35 (horário de Brasília), no Estádio Municipal Sylvio Raulino de Oliveira.

Foto destaque: Divulgação/Lucas Merçon

Avatar
Eliane Ramos
Tenho 20 anos e desde os 18, eu já sabia o que queria. Sempre fui muito curiosa e amante da escrita. Estudar jornalismo é se conectar consigo mesmo e descobrir novas paixões. O jornalismo me escolheu. Atuei como apresentadora e social media na rádio PopRio. Tenho vontade de aprender cada vez mais, e conhecer diferentes áreas do jornalismo para finalmente definir minha paixão. Sempre fui muito curiosa e amante da escrita.