FIFA

Na coluna Master League dessa semana, vamos voltar a falar da construção de times no futebol virtual mas especificamente no FIFA 20. Todavia, desta vez o time montado será os das grandes decepções dos fãs dos games. Já elogiamos muitos jogadores virtuais, desta vez é hora de falar quem no FIFA não consegue render o mesmo que na vida real.

Vale sempre ressaltar, que o  Ultimate Team, é o modo competitivo do jogo virtual da empresa EA. Nele diversos jogadores do futuro e passado possuem cartas normais e especiais. Nenhum tipo de carta será poupada de entrar nesse time, grandes craques do passado e ótimos jogadores do presente frustaram quem os escolheram para usar nos gramados virtuais, inclusive o autor desse texto.

Coincidentemente alguns dos jogadores que citaremos estão frustando os torcedores também na vida real, como por exemplo Paul Pogba e Eden Hazard. No entanto, outros jogadores que vem voando nos gramados também entraram para esse time, tal como Fabinho e Alexander Arnold. Antes das críticas, existe uma explicação para isso. O time abaixo foi montado visando o que acontece in game, ou seja, o que acontece na performance de cada um durante os 90 minutos. A Formação destes 11 será na 4-3-3.

A SELEÇÃO DAS DECEPÇÕES 

GOLEIRO: No gol temos o espanhol David De Gea. Realmente na vida real, o goleiro do Manchester United não vem rendendo o suficiente para cartas com notas próximas aos 90, entretanto, no Fifa é ainda pior. O cúmulo são muitos preferirem goleiros de notas mais baixas que ele, como por exemplo Pickford de classificação 83.

ZAGUEIROS: A dupla de zaga conta com um espanhol histórico e um jovem e talentoso holandês. Fernando Hierro marcou história no Real Madrid e na seleção, mas no virtual, muitos preferem passar longe do zagueiro. Por sua vez, Mathias De Ligt acaba por ser prejudicado pelo próprio game.

LATERAIS: Mais uma vez, temos a presença de um brasileiro nas laterais. Marcelo tem uma carta tão inconstante que muitos preferem usar o lateral francês Mendy do mesmo Real Madrid. Já Trent Alexander-Arnold que prometia ser uma boa opção de lateral direito, logo foi deixado de lado.

MEIO CAMPO: O meio campo conta com a presença de uma dupla francesa da Premier League: Tanguy Ndombele e Paul Pogba. Ndombele aparece ai por ter sido uma carta que poderia evoluir conforme o jogador recebesse cartas especiais, entretanto, o mesmo decepcionou nos gramados reais e frustou os planos de quem possuía a carta. Pogba, por sua vez, é uma mistura complexa de problemas relacionados a tamanho e velocidade. Para completar o meio, o argentino Román Riquelme. Muitos ficaram eufóricos com a nova carta do argentino, ídolo do Boca Juniors, mas logo caíram na real.

https://twitter.com/EAFIFABR/status/1234915207560007681

ATAQUE: Por fim, os três atacantes possuem um grande problema em finalizar. Eden Hazard e Pierre Aubameyang não conseguem de jeito nenhum serem constantes e vencer duelos com defensores. Já Ángel Di Maria, mesmo com uma carta que o da todas as habilidades de perna ruim, só consegue finalizar usando a perna certa e mesmo assim comete bizarrices de vez em quando.

A SELEÇÃO!

A seleção
A seleção! Foto: Edição/Yuri Murta

EXPLICAÇÕES

O principal motivo da presença dos jogadores neste time é o de não conseguir refletir in game o que as suas cartas possuem de classificação. De Gea, por exemplo, não possui a elasticidade para buscar grandes defesas e sofre em jogadas corriqueiras do modo online. Alexander Arnold e Marcelo possuem cartas bastante equilibras defensivamente e ofensivamente mas não conseguem se impor perante as velocidades de pontas modestos do jogo.

Se esperava de Mathias De Ligt, embora a pouca velocidade, um rendimento melhor devido aos seus 83 e 84 pontos de defesa e fisico, mas de forma impressionante quase todos atacantes conseguem passar por eles. Fernando Hierro, mesmo com notas mais equilibradas que o seu companheiro não tem o mesmo rendimento de outros ICONS ( cartas especiais dadas a jogadores do passado).

O caso de Ndombele já foi explicado e sua limitações são compreensivas perante ao baixo nível da carta. Paul Pogba e Di Maria possuem o mesmo problema, as suas cartas especias de comemoração ao aniversário do FIFA, eram vistas como itens que iriam resolver o problema que suas cartas originais tem, mas mesmo elas não conseguem fazer o papel que se espera de um jogador controlador do meio de campo e de um ponta habilidoso e matador. Apesar de longe do que poderia ser, a carta especial de Paul Pogba é impressionante e pode ser comparada com outros grandes jogadores do FIFA.

Riquelme chegou ao Ultimate Team através da atualização que colocava os jogadores da Libertadores e Sul Americana. Além disso, muitos sul americanos apaixonados pelo futebol do meia argentino queriam utilizar, mas sua baixa velocidade e físico fizeram a carta deixar de ser uma meta. Por fim, Hazard e Aubameyang eram cartas que se especulava muito no inicio, com classificações altas e pertencentes a ligas importantes era esperado duas cartas poderosas e que seriam muito usadas, todavia, não foi o que aconteceu. O ponta belga tem problemas no desenvolvimento e controle da bola, enquanto o atacante gabonês tem grandes dificuldades de finalizar com precisão.

CURIOSIDADES

Apesar das explicações sobre o motivo de cada jogador está nesta escalação, devem ser feitos menções importantes no desenvolvimento do jogo e das cartas. Os cinco jogadores de cartas ouro normal ( Arnold, De Ligt, Marcelo, Aubameyang e Hazard) ganharam cartas especiais durante o FIFA. Algumas dessas cartas são realmente boas e fazem jus aos jogadores na vida real, como por exemplo as cartas de time do ano dos campeonatos nacionais de Alexander Arnold e De Ligt. No entanto, outras seguem sendo decepções, como é o caso das cartas mais altas de Aubameyang e Hazard, que seguem tendo as mesmas dificuldades do item normal.

Outras duas menções devem ser feitas em relação à este time. Primeiramente, o jogador francês, Tanguy Ndombele, iniciou o FIFA tendo a sua carta muito elogiada e sua presença no time é por conta de não ter existido uma evolução para ela à altura. Mas tanto no começo quanto no fim do jogo, a carta não refletiu o futebol do jogador na vida real. Por fim, deve-se dizer que Alisson ( qualquer carta dele) e Ronaldinho Gaucho ( Carta de nota 91) foram nomes lembrados na lista mas não entraram por as vezes responderem de forma coerente em campo.

Foto destaque: Reprodução/EA SPORTS

 

Yuri Murta
Estudante de jornalismo e geografia, apaixonado por futebol e por tudo que o cerca. Isso define quem é Yuri Lima Murta. O amor pelo esporte vem desde pequeno e o gosto por relacionar ele com outros temas vem desde o colégio, não atoa a minha monografia na faculdade de Geografia tem como tema a “Chapecoense e a cidade de Chapecó: Como o clube reflete a cidade”

Artigos Relacionados