Fernandão: de Goiânia para o mundo

- A coluna Nostalgia Brasileira traz a história vitoriosa do F9, o goiano que conquistou o Rio Grande do Sul e o mundo
Fernandão: de Goiânia para o mundo

Nascido em Goiânia, no dia 18 de março de 1978, Fernando Lúcio da Costa foi ídolo do Goiás e do Internacional. Filho único, foi muito esperado por Dona Marli Costa e Seu Galdino Lúcio. No Brasil, também defendeu as cores do São Paulo. Fernandão, F9, Eterno Capitão Colorado. Teve sua história interrompida precocemente em 2014, às vésperas da estreia da Copa do Mundo no Brasil.

Leia mais:

Entretanto, em vida, deu muitas alegrias a Colorados, Esmeraldinos e São-paulinos. Além disso, também deixou sua marca na França. No país da Cidade Luz, contudo, o atacante não soube brilhar. Sorte dos brasileiros que puderam ver Fernandão subir e, de cabeça, acender a torcida. Ou ainda mandar de bicicleta para as redes. Por fim, sem dúvida, o lugar dele era lá em cima.

Paixão goiana

Começou na base do Goiás em 1990, aos 12 anos. Mais tarde, em 1995, entrou para o profissional jogando como meia. Em 1998, chegou a balançar as redes cinco vezes em 22 partidas. Pelo Verdão, foi pentacampeão do Campeonato Goiano (1996, 1997, 1998, 1999 e 2000). Em seguida, no ano de 1999, também levantou a taça da Série B do Campeonato Brasileiro.

Além disso, conquistou a extinta Copa Centro-Oeste em duas ocasiões: 2001 e 2002.  Naquela Série B de 1999, o Esmeraldino e o Bahia fizeram um jogo histórico no Estádio Serra Dourada, em Goiânia. Assim também, Fernandão assinou um belíssimo gol de bicicleta, quando recebeu cruzamento na área, dominou no peito e fez uma pintura, colocando a bola no ângulo. 

https://twitter.com/goiasdepressao/status/975213141243162624?s=21

Fernandão na França

Em julho de 2001, o atacante foi negociado com o Olympique de Marseille. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, naquela época, foi a maior transação da história do Goiás. Ainda de acordo com a Folha, o Verdão recebeu 4 milhões de dólares (cerca de R$ 10 milhões na cotação da época) à vista por Fernandão.

Pelo Olympique, foram 74 jogos e nove gols entre 2001 e 2004. Com um começo satisfatório, perdeu espaço depois de uma lesão. Dessa maneira, o atacante foi emprestado ao Toulouse, outra equipe da França. No novo clube, participou apenas de 16 partidas, entretanto, conseguiu ajudar o time a permanecer na elite do Campeonato Francês com três gols. 

https://twitter.com/om_portugues/status/1137049531202310144?s=21

Gol 1000 do Gre-Nal e faixa de capitão

Posteriormente, em junho de 2004, com o contrato de Fernandão no fim e sem chance de renovação com o Olympique, o Internacional ficou com o camisa 9. A partir daí começaria a melhor época do atacante no futebol. Logo em sua estreia com a camisa do Inter, em 10 de julho de 2004, encarou o Grêmio. Não obstante, marcou o gol de número 1000 em confrontos entre as duas equipes. Assim, no Beira-Rio, saiu do banco e, de cabeça, depois de cruzamento de Élder Granja pela direita, colocou no fundo das redes. 

Em quatro anos, foram 139 jogos e 55 gols. Contudo, Fernandão foi muito mais que isso. Vestindo a camisa colorada, conquistou duas vezes o Gauchão (2005 e 2008), a Libertadores e, posteriormente, o Mundial de Clubes da FIFA, em 2006. Além disso, na Libertadores, foi considerado o melhor jogador, o melhor centroavante e ainda foi quem mais deu assistências. Para completar, F9 foi um dos artilheiros da competição com cinco gols.

Mais tarde, venceu a Recopa Sul-Americana (2007) e a Copa Dubai (2008), com direito a gol do camisa 9 na final. Além disso, na final do Mundial de Clubes contra o Barcelona, Fernandão vestiu a braçadeira de capitão do Inter. Dessa maneira, o Eterno Capitão Colorado levantou a taça de campeão. Lendário, em dezembro de 2014, F9 ganhou uma estatua no Estádio Beira-Rio, obviamente, erguendo o tão valioso troféu. 

https://twitter.com/SCInternacional/status/1247339774333026305?s=20

“Ei, Goiânia! Não deu pra segurar a barra, então eu voltei” e a ida ao São Paulo

Já que “um bom filho a casa torna”, voltou ao Goiás em 2009. Depois de fazer apenas uma partida pelo Al-Gharrafa, do Catar, Fernandão estava de volta a Goiânia. Naquele ano, foram 17 partidas e quatro gols feitos. Além disso, no ano seguinte, ainda pelo Verdão, participou de três jogos e balançou a rede duas vezes. Apesar de toda euforia ao voltar às origens, não foi uma passagem empolgante. Assim, transferiu-se para o São Paulo, onde encerraria sua carreira. Logo, pelo Tricolor, em 2010 e 2011, foram 39 jogos e oito gols. Dessa maneira, sendo um importante jogador para a equipe, o F15 conquistou a torcida.

Entretanto, na época da transferência do jogador do Goiás para o São Paulo, houve polêmica. De acordo com o jornalista  Mauro Cezar, da ESPN, Fernandão teria sido cedido ao clube paulista de graça. Mesmo com a multa rescisória de aproximadamente R$ 160 milhões, os dirigentes esmeraldinos aceitariam reduzir o valor, desde que uma proposta fosse feita. Contudo, o atacante foi liberado sem que nenhuma quantia fosse depositada para os cofres do time goiano.

https://twitter.com/goiasoficial/status/1089498316684095490?s=20

Homenagem a Fernandão no Beira-Rio

Infelizmente, a estátua citada anteriormente foi uma homenagem póstuma, já que Fernandão faleceu dia 7 de junho de 2014. Em suma, o helicóptero onde o ex-atacante estava caiu em Aruanã, cidade banhada pelo Rio Araguaia, interior de Goiás. No acidente, também morreram outros quatro passageiros: Lindomar Mendes Vieira, Antônio de Pádua Ferreira, Edmilson de Sousa Lemes e Milton Ananias. Anteriormente, o F9 estava escalado para comentar os jogos da Copa do Mundo de 2014, sediada no Brasil. O evento começaria no dia 12 daquele mesmo mês.

“A morte chega cedo,
Pois breve é toda vida
O instante é o arremedo
De uma coisa perdida.

O amor foi começado,
O ideal não acabou,
E quem tenha alcançado
Não sabe o que alcançou.

E a tudo isto a morte
Risca por não estar certo
No caderno da sorte
Que Deus deixou aberto.”

PESSOA, Fernando. Poesias. Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor. 15ª ed. Lisboa: Ática, 1995. p. 175.

Foto em destaque: Reprodução/AFP.com

BetWarrior


Poliesportiva


Danyela Freitas
Danyela Freitas
Sou goianiense, graduada em Letras pela Universidade Federal de Goiás (UFG), pós-graduada em Jornalismo Esportivo pela Estácio-SP e tenho três grandes paixões: a escrita, a leitura e o esporte (não necessariamente nessa ordem).
https://www.instagram.com/danyelaf/

Artigos Relacionados

Topo