Estreia com gol marcado no Flu

Após a vitória por goleada, de 4 x 1, do Time de Guerreiros contra o Madureira, o técnico Roger Machado falou sobre a partida. Dessa maneira, o treinador citou Bobadilla e sua grande estreia com gol marcado no Flu, neste domingo (25). Do mesmo modo, Roger comentou sobre Abel Hernández e o modelo de jogo com os demais reforços projetado para o confronto.

“Engraçado, quando a gente não contrata, não contrata. Quando vem mais, é porque contratou muito. São jogadores com características diferentes. Raul (Bobadilla) é um centroavante, mas também tem mobilidade para jogar como segundo atacante. No Brasil a gente perdeu essa forma, imaginando que sempre precisa de um meia por trás dos atacantes para municiar os jogadores. O que propus hoje foi jogar com meia ponta, com dois atacantes na área, um deles procurando espaço, com posse de bola que a gente pudesse colocar o Cazares o mais rápido possível para dentro do campo, formando um meia com dois atacantes na frente para ele municiá-los”.

Dessa forma, citando as dificuldades enfrentadas pelo Fluminense no duelo, o treinador avaliou como “boa” a atuação de Bobadilla em sua estreia com gol marcado no Flu.

“Eles restringiram um pouco as nossas ações mas, de modo geral, acho que funcionou bem. No segundo, com ajustes para que os dois não ficassem excessivamente grudados à linha defensiva, conseguimos ter mais fluidez e atacar as costas com intensidade. Acho que foi uma boa estreia. Já frisei que quando chego faço uma entrevista com os jogadores, converso sobre os esquemas que pretendo jogar. Mesmo com duas linhas, ter um meia ponta é uma formatação completamente diferente. Hoje foi um esquema diferente, que a gente já tinha trabalhado em dois ou três coletivos e tinha funcionado bem”.

Outras grandes atuações

“Tenho que elogiar o profissionalismo do Paulo desde o primeiro momento. Na primeira conversa, ele relatou que gostaria de ter mais tempo em campo, diferentemente do ano anterior. Mas na conversa relatei que essa função que o Paulo atua, pra mim, deve funcionar muito mais como meia atacante do que como meia articulador excessivamente. Que esse jogador, quando não estiver no processo de articulação – não vejo única e exclusivamente obrigação do camisa 10 articular o jogo como centralizador das ações -, que ele esteja próximo ou dentro da área. O Paulo tem cumprido muito bem nos momentos que está em campo”. 
Gabriel Teixeira também foi uma das atuações decisivas do confronto. Desse modo, o jogador entrou dando ritmo ao jogo e marcou o quarto gol.
“Sua leitura tática defensiva sem abrir mão de sua característica foram muito marcantes nos jogos que vi e pedi para que ele fizesse parte deste processo porque imaginei que ali estaria surgindo um jogador muito potencial. Ele estava ansioso porque entrava bem, levava o time para frente. É um jogador que finaliza bem mas não estava dando sorte. Mas hoje, na reza, estive do seu lado e falei: “agora deu né? Agora tenho certeza que a bola vai bater e vai entrar com mais tranquilidade”. É um jogador com grande potencial e chance de evolução”.
Assim, após a vitória, o Tricolor ocupou a 2ª colocação da Taça Guanabara com vantagem de empate em seu próximo duelo na competição. Por fim, seu próximo confronto é contra o Santa Fé, pela fase de grupos da Libertadores da América.

Foto Destaque: Reprodução/Fluminense

Juliana Veiga
Graduanda em Jornalismo, carioca, 23 anos, apaixonada pela profissão e por esporte e redatora em sites e blogs jornalísticos.