Olá, amigos do Brasil, que acompanham a coluna O Gajo Conta. Hoje, vou contar a vocês sobre a história de um palco muito importante para o futebol de Portugal, e também para minha carreira, onde já vivi grandes momentos por lá. Dessa forma, vamos falar sobre o Estádio da Luz, que completa seus 66 anos, em 2020.

Leia mais:

A HISTÓRIA

Inaugurado em 1 de Dezembro de 1954, a Catedral, chamado assim carinhosamente, sempre representou com muita maestria o futebol português. Quando construído, era o maior de toda a Europa e um dos maiores do mundo. Sendo assim, durante anos, grandes partidas ficaram marcadas na história do estádio, como no jogo de maior público. Logo, em um confronto onde o Benfica derrotou o Porto, por 3 x 1, foram registrados 115 mil adeptos. Além disso, foi palco de outros grandes títulos das Águias.

Após isso, nos anos 2000, foi feito uma grande reforma e toda uma modernização na casa dos Encarnados. A reinauguração aconteceu em 2003, mais especificamente em 25 de outubro, há 17 anos. Contudo, um fator importante que conduziu essa reforma foi a Eurocopa, em 2004, que aconteceria em Portugal. Além disso, nove outros estádios foram construídos e/ou reformados. E assim foi feito, o Estádio da Luz foi um dos principais palcos daquela competição.

A reestreia aconteceu no duelo entre Benfica e Nacional, do Uruguai, quando os mandantes saíram vitoriosos por 3 x 1 e também na ocasião foi o recorde de público do novo estádio, 66.147 torcedores assistiram aquela partida. Enquanto que o autor do primeiro gol foi o ex-atacante Nuno Gomes.

RECEPÇÃO DE GRANDES JOGOS

Claramente, as partidas mais esperadas eram as da Euro. Dessa forma, na ocasião, o estádio sediou partidas entre Rússia e Portugal, França e Inglaterra e Croácia e Inglaterra, todos válidos pela fase de grupos. Ainda recebeu, pelas quartas de final, Portugal e Inglaterra que foi uma partida de muito entusiasmo para nós. Ora pois, somente vencemos nas penalidades, após empatarmos em 2 x 2.

Porém o que ficou marcado foi a grande final, entre Portugal e Grécia, pois era a minha primeira copa com a seleção. Aquela decisão, em 4 de julho de 2004, tinha o cenário perfeito para se sagrarmos campeões. Mas não foi assim , saímos derrotados para a “zebra” daquela competição. Apesar disso, nosso plantel era muito qualificado e tinha grandes jogadores como Deco, Figo, o grande guarda-redes Ricardo e o mister Luiz Felipe Scolari que era como um pai para mim.

Mas a minha história ali ainda não tinha terminado. Depois de 10 anos, voltava lá para disputar o título da Champions League com o Real Madrid. Logo, seria o primeiro da minha sequência de quatro títulos seguidos com os Merengues. Dessa forma, algo que ficou marcado pela história da partida, onde Sérgio Ramos empatou o jogo de cabeça no minuto 93.

Com isso, o confronto foi para a prorrogação, onde demos um baile na outra equipe de Madrid. Já no final, o Papai aqui ainda deixou um golo para ficar tudo certo. Enquanto que na temporada passada da mesma competição, por conta da pandemia da Covid-19, as últimas fases foram disputadas todas aqui na minha terrinha. Dessa forma, a grande final também aconteceu no Estádio da Luz, onde o Bayern de Munique enfrentou o PSG que fazia sua primeira final de UCL, e os alemães saíram campeões.

HOMENAGEM À EUSÉBIO

O Pantera Negra é o maior goleador de sempre da Seleção Portuguesa com 727 golos em 715 oportunidades. Assim, defendeu as cores dos Encarnados por 15 anos de sua carreira e foi a principal estrela em grandes conquistas do time. Logo, foram 11 títulos nacionais, cinco Taças de Portugal, e uma Taça dos Campeões Europeus, tás a ver?! E com essa bela história, conquistou a Bola de Ouro de 1964-65.

Por ter construído essa trajetória, foi feita uma homenagem à ele em frente ao estádio. Dessa forma, Eusébio ganhou uma estátua que sempre é muito apreciada pelos adeptos. Quando veio a falecer, em 2014, torcedores deixaram em sua homenagem várias faixas e mensagens em sua estátua, o SL Benfica “fechou” o espaço por um ano de luto. Mas, reabriu após e guardou todos os presentes deixados ao craque.

Foto Destaque: Divulgação / SL Benfica

Pedro Picinato
Pedro Picinato
Desde criança sempre fui vidrado por futebol e a paixão só foi crescendo. Durante o Ensino Médio decidi cursar jornalismo e focar em jornalismo esportivo, pelo amor ao curso e pelo futebol. Espero aprender muito aqui e descobrir coisas novas e crescer cada vez mais na área.

Artigos Relacionados