Está dada mais uma “Bandeirada”: segue o cheiro!

- Mais um ano cheio de desilusões por parte dos torcedores flamenguistas que tem, ainda, no Brasileirão, a última chance de sucesso na gestão Bandeira de Mello

O Flamengo mandou embora o técnico Maurício Barbieri na manhã desta sexta-feira (28), após a eliminação para o Corinthians na Copa do Brasil na última quarta-feira (26). Vale ressaltar que o treinador também fracassou no “projeto Libertadores”. Efetivado como técnico após a saída de Paulo César Carpegiani, o ex-auxiliar nunca foi unanimidade, e foi levado como “plano B” pelo fato de “medalhões” não quererem pegar o cargo no meio do ano e com alta pressão política.

Mas o ex-comandante rubro-negro não voltará a exercer outro cargo no clube, como voltar a ser auxiliar como muito acontece. Após três meses no cargo, o Barbieri deve buscar outro clube para treinar. Ele iniciou sua trajetória no Audax-SP, quando foi treinador das equipes sub-15, sub-17 e sub-20, até chegar no time principal. Depois, rumou para o Audax-RJ, pela fácil “coligação”. À frente do profissional da equipe carioca, foi responsável pelo acesso à elite do futebol carioca. Antes de chegar ao Flamengo, teve passagens por Red Bull Brasil, Guarani e Desportivo Brasil, todos do interior de São Paulo. Abel Braga é um sonho antigo da cúpula flamenguista, mas Abelão já revelou que não pega nenhum time em meio/fim de ano.

O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, vem sendo muito criticado pelos erros e pelo ego. Quando chegou, Bandeira prometeu mundo e fundos. As dívidas foram sendo pagas e o clube vivia um cenário completamente oposto do que era conhecido. Grandes investimentos, poder aquisitivo e casa em ordem. Chegou dinheiro, jogadores, promessas de títulos e, o principal, sonhos.

Com isso, grandes nomes do futebol começaram a chegar no Fla. A torcida se agigantou, bateu no peito que o “gigante acordou”, que sentiam “cheirinho de título” e que era para “seguir o líder” e todas as piadas legais de se ouvir nas conversas de bar/resenhas, foram virando um fardo para o torcedor flamenguista. Criou-se expectativa de finalmente ver todo esse trabalho se transformar em títulos, só que o que se viu, foi um acúmulo de fracassos do tamanho do investimento feito no elenco.

Seis anos depois de chegar, com direito a uma reeleição neste período, foram 16 eliminações e apenas três troféus conquistados. Os títulos foram a Copa do Brasil de 2013 e dois Campeonatos Cariocas (2014 e 2017), isolando aqui os dois títulos da Taça Guanabara. Foram também três vices: Carioca de 2013, Copa do Brasil e Copa Sul-Americana de 2017. Neste comento de desilusão da torcida, só resta do Campeonato Brasileiro. O time ocupa a 4ª colocação, com 48 pontos, três a menos do que o líder São Paulo.

O mandato do atual presidente termina em 31 de dezembro de 2018 e, dificilmente, terá apoio para continuar no cargo do Mengão. Porém, a atual administração tenta aprovar, no Conselho de Administração, um polêmico empréstimo de 25 milhões de reais junto ao BMG. O problema é que a garantia oferecida é dinheiro de patrocínio e venda de atletas que só entrará nos cofres do clube da Gávea em 2019. Ou seja, cairá na conta da próxima gestão. Este pode ser mais um erro da gestão Bandeira de Mello, mais uma “Bandeirada”. Por conta do fervor das eleições do final do ano, tudo toma proporções ainda maiores. O presidente até chegou a discutir com torcedor em aeroporto após eliminação na Copa do Brasil:

Será que Eduardo Bandeira de Mello vai continuar no cargo de presidente de um dos maiores clubes do Brasil e do mundo por mais um mandato? Já não foi tempo suficiente para mostrar (e não mostrou) trabalho de qualidade? Inúmeras demissões, nenhum técnico vingou e a torcida, apreensiva, está incrédula. Sonha com o título do Brasileirão e dá um voto de confiança ao mandatário ou “chuta o pau da barraca” e começa os protestos pedindo a cabeça do presidente e suas bandeiradas? Estas que nunca anunciam uma vitória!

Eric Filardi

Sobre Eric Filardi

Eric Filardi já escreveu 1232 posts nesse site..

Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 27 anos, jornalista pós-graduado em Jornalismo Esportivo e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, Peixe, Palestra e Timão. Sou da Colina, Glorioso, Flu e Mengão. Sou brasileiro, hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 x 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões. Sou Clássico das Multidões. Sou Sul, Nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, Raposa, Bavi e Grenal. Sou Ásia e África. Sou Barça e Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia: sou Futebol na Veia.

BetWarrior


Poliesportiva


Eric Filardi
Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 27 anos, jornalista pós-graduado em Jornalismo Esportivo e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, Peixe, Palestra e Timão. Sou da Colina, Glorioso, Flu e Mengão. Sou brasileiro, hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 x 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões. Sou Clássico das Multidões. Sou Sul, Nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, Raposa, Bavi e Grenal. Sou Ásia e África. Sou Barça e Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia: sou Futebol na Veia.
http://www.ericfilardi.com.br

Artigos Relacionados

Topo