Pinto da Costa

Neste domingo (7), teve fim as eleições mais concorridas do século na história do Porto. Assim, Pinto da Costa foi reeleito para seu 15º mandato seguido à frente dos Dragões derrotando os candidatos Nuno Lobo e José Fernando Rio. Dessa forma, no cargo desde 1982, o mandatário completará, ao final do período, 42 anos liderando um dos grandes clubes portugueses.

Leia mais:

Assim, Pinto da Costa foi reeleito com uma votação expressiva de 68,65% dos votos. Logo, ao final da apuração das oito mesas, José Fernando Rio ficou em segundo lugar com 26,44% e Nuno Lobo foi o terceiro colocado com 4,91%. Dessa forma, em números totais, o atual e recolocado presidente recebeu 5.377 votos, 2.071 pessoas votaram em Fernando Rio e somente 384 votos foram dados a Nuno Lobo.

Enquanto que na eleição para o Conselho Superior, órgão consultivo do clube, a chapa de Pinto da Costa venceu com 64,96%. Assim, elegeu um total de 14 membros efetivos. Já o grupo de Nuno Lobo recebeu 15,4% dos votos e elegeu três membros. Já um quarto grupo, que apenas concorreu na eleição deste órgão, recebeu 16,12% dos votos e conquistou três cadeiras no órgão.

Logo, em 38 anos à frente do Porto, Pinto da Costa conquistou sete troféus internacionais e 53 títulos nacionais. Dessa forma, faturou uma Supertaça Europeia, duas Taças UEFA/Liga Europa, duas Taça dos Campeões Europeus/Champions League e dois Intercontinentais. Além disso, obteve 21 campeonatos nacionais, 12 Taças de Portugal e 20 Supertaças de Portugal.

ELEIÇÕES NO PORTO

Logo, devido a pandemia da Covid-19, as eleições no Porto foram atípicas. Isso porque, contrariando o estatuto do clube, o certame para escolha do presidente ocorreu em dois dias, durante este final de semana, para atender as recomendações da DGS. Assim, foi uma votação recorde e histórica, pois, possuindo um quadro de 50 mil sócios, 8.480 torcedores compareceram ao Estádio do Dragão.

Sobre isso, o presidente da Assembléia Geral, Matos Fernandes, mostrou felicidade pela adesão dos torcedores e não se arrepende de contrariar o estatuto do Porto:

Se nos lembrarmos que há quatro anos, sem concorrência eleitoral, votaram cerca de dois mil associados… Com a concordância das candidaturas, embora um ou outra depois disso tenha modificado a opinião, passei as eleições para dois dias e não fico muito incomodado por ter violado os estatutos. As leis foram feitas para situações de normalidade. Por mais perspicácia que tivesse o autor dos estatutos, não lhe ia passar pela cabeça que uma pandemia nos ia atingir.” – declarou Fernandes.

Dessa forma, somente no primeiro dia, o número já havia superado a eleição de 2007, a então mais concorrida com 3.820 eleitores. Além disso, outro dado aponta o feito histórico presenciado, hoje (7). Isso porque, em 38 anos à frente do Porto, Pinto da Costa ainda não tinha se defrontado com a oposição de dois candidatos, Nuno Lobo e José Fernando Rio. Por fim, a posse dos novos órgãos sociais está agendada para a próxima terça-feira (9), às 14h (horário de Brasília), no Auditório José Maria Pedroto.

https://www.instagram.com/p/CBJtX_qBVr7/?utm_source=ig_web_copy_link

PINTO DA COSTA: VILLAS BOAS E O FUTURO DE SÉRGIO CONCEIÇÃO

Ainda em meio a votação, neste domingo (7), Pinto da Costa falou sobre os planos à respeito do técnico Sérgio Conceição:

O que eu disse foi que se o Sérgio Conceição quiser, ele manter-se-á. Não posso garantir que será sempre ele o treinador. Se ele não quiser continuar, não o posso obrigar.“.

Enquanto que em relação ao nome de Villas Boas, ventilado nos Dragões, Pinto da Costa foi direto ao declarar que, como treinador, não está nos planos:

O seu projeto em relação ao Porto passa por outra cadeira de sonho, não a de treinador, nessa ele já se sentou. Ele já me disse, já o disse publicamente, como treinador está fora de questão.“.

Por fim, a cadeira do sonho a que ele se refere é a de presidente do Porto. Quanto a isso, Pinto da Costa se manifestou sobre o fato de está a várias décadas no cargo:

Isto não é uma monarquia. Se fosse, seria o meu filho ou a minha filha a suceder-me, mas, quando chegar a altura das próximas eleições, quem se quiser candidatar, fá-lo-á. Sobre os candidatos que poderão aparecer, todos têm um passado no próprio clube, que dê garantias de poder fazer um grande trabalho. Eu não vou me intrometer e apoiar quem quer que seja.

Foto destaque: Reprodução / José Moreira

Ricardo do Amaral
"Alvíssaras! Sou Ricardo Accioly Filho, pernambucano de 27 anos, advogado e estudante de jornalismo pela Uninassau. Tenho como mote que “no futebol, nunca serão apenas 11 contra 11”; é arte, é espetáculo, humanismo, tem poder de mover multidões e permitir ascensões sociais. Como paixão nacional do brasileiro, o futebol me acompanha desde cedo, entretanto como nunca tive habilidade para praticá-lo, busquei associar duas vertentes de minha vida: o prazer pela leitura e o esporte bretão. Foi nesse diapasão que encontrei no jornalismo esportivo o elo de ligação que me leva a difundir e informar o que, nas palavras de Steven Spielberg, é o “mais belo espetáculo de imagens que já vi”."

Artigos Relacionados