A saber, os jogadores do Paraná Clube se recusaram a treinar nesta quinta-feira (19), na Vila Capanema, por conta dos salários atrasados. Assim, o elenco paranista decidiu fazer esse protesto para mostrar o descontentamento com a direção.

Dessa forma, os atletas se reuniram com dirigentes do clube e da FDA Sports, que terceirizou o departamento de futebol, para cobrar explicações. Por sua vez, o atraso salarial varia em relação aos jogadores. Quem chegou para a Série C já tem um mês em atraso. Entretanto, os remanescentes do estadual têm dois meses de direitos de imagem e dois em carteira. Já os funcionários variam de três a quatro meses.

Até o momento, o clube não deu previsão de pagamento. Assim, a relação do Paraná com a FDA está estremecida desde o começo do mês por conta do atraso no suporte financeiro. Por sua vez, desde junho no clube, com aval da justiça, a FDA pagou apenas uma parcela do aporte prometido. De todo modo, a empresa tem até o próximo domingo (22) para acertar a segunda cota ou corre o risco de ter o acordo rescindido pelo Tricolor.

BUSCA DE RECURSOS

Subitamente, a empresa prometeu investir 2,9 milhões de reais em 2021, dividido em sete parcelas de pouco mais de 400 mil de reais. Excepcionalmente, a empresa brasileira contava com apoio de uma organização chinesa, que desistiu de injetar dinheiro, e agora busca nova fonte de recursos.

Esse atraso salarial pode atrapalhar diretamente no Ato Trabalhista, intervenção judicial que o clube se encontra desde março de 2018 e consiste em destinar 20% da receita do clube para pagamento de dívidas trabalhistas. No despacho de junho, a juíza Marli Gomes Gonçalves afirmou que os salários não podem atrasar por mais de 15 dias sob pena de perda do benefício de reunião das execuções.

Por fim, além da questão financeira, uma possível saída da FDA Sports ainda afetaria o elenco atual, reformulado com saídas e chegadas desde o início de sua gestão. Todavia, das 19 contratações para o Brasileirão, a maioria foi intermediada pela empresa. Dessa forma, caso a terceirização se encerre, esses atletas não permanecerão no grupo paranista. Em contrapartida, outros 25 atletas já rescindiram desde o começo da temporada, sendo 19 contratados para a atual temporada.

Foto destaque: Divulgação/Rodrigo Sanches/Paraná
Luiz Santos
Escrever se torna um refúgio. Falar sobre esportes virou uma paixão. Setorista do Paraná FC