O atacante argentino Ramón “Wanchope” Ábila, foi oferecido ao Grêmio. No mercado em busca de um centroavante, o time gaúcho avalia as possibilidades de negociação. A princípio, houve interesse por parte do Tricolor, no entanto, a alta pedida do Boca Juniors pode atrapalhar. O ex-jogador do Cruzeiro tem contrato com os xeneizes por mais dois anos.

Para liberar Ábila, o Boca Juniors pede um valor na casa dos 5 milhões de dólares, cerca de R$ 26 milhões na cotação atual. O valor esfriou o interesse do Grêmio, que por conta da pandemia, não deve fazer grandes manobras financeiras para fortalecer o elenco.

Diretoria nega procura por Pratto e Calleri

Na última sexta-feira (31), o jornal argentino Olé afirmou que o Grêmio estava interessado nos atacantes Lucas Pratto e Jonathan Calleri. Contudo, o vice de futebol Tricolor, Paulo Luz, afirmou ao site GaúchaZH que o clube não procurou os jogadores. Em baixa no River Plate, o Urso chegou a ser procurado pelo Internacional após a chegada do técnico Eduardo Coudet, mas as negociações não deram certo.

A notícia pegou Calleri de surpresa. Por meio de mensagens, o argentino afirmou que no Brasil só veste a camisa do São Paulo. O atleta de 26 anos chegou ao CT da Barra Funda em 2016. No meio do ano, foi transferido ao West Ham, da Inglaterra.

Grêmio no mercado por centroavante

O técnico do Grêmio, Renato Gaúcho, anunciou na última quarta-feira (29), que o clube está em busca de reforços. Entre as posições mais carentes, está a de centroavante. Atualmente, o Tricolor conta apenas com Luciano e Diego Souza para função, já que André está fora dos planos.

“Independente do André, a gente precisa de outro atacante também. A gente precisa de um grupo bom, porque problemas sempre vamos ter. Não é fácil, a gente está procurando, mas não é fácil. Sem fazer loucuras”, disse Renato.

Avatar
Pevê Araújo
22 anos, 7/8 jornalista; baiano que ama futebol. Redator do Barça Brasil e repórter do site Galáticos Online. Escrevo sobre Campeonato Argentino no Futebol na Veia, além de outros textos. Futebol é vida e vida é futebol. Nas peladas, invento como Riquelme, na vida, vivo o sonho de ser um repórter esportivo.

Artigos Relacionados